A maternidade coloca o casamento à prova?

· 25 de fevereiro de 2019
A chegada de uma criança é uma experiência bela e única, que envolve mudanças significativas na vida conjugal. O novo integrante da família capta toda a atenção, o tempo e o espaço de seus pais, de tal forma que você poderia pensar que a maternidade é um desafio para o casal.

O cuidado diário com o recém-nascido vai afetar, sem dúvida, a vida do casal. Isso implica que talvez eles passem menos tempo juntos. Por sua vez, tarefas como amamentar, dar banho ou trocar o bebê tiram horas de sono e isso vai influenciar o humor de ambos.

Nesse sentido, se a maternidade coloca o casamento à prova, o que você pode fazer para superar esse momento?

O bebê, o centro das atenções da mãe

É principalmente a mãe quem dedica 100% de seu tempo e atenção ao bebê. Cuidar do filho faz com que ela se sinta satisfeita e realizada, mas é possível que o marido sinta que ela o abandonou.

O homem deve procurar maneiras de mostrar amor à sua esposa. Uma maneira de fazer isso é entender quais são os efeitos tanto físicos quanto mentais da chegada do bebê.

A mudança de humor é um dos sintomas mais evidentes. Nessas circunstâncias, para lidar com essa situação, o homem deve se encher de muita paciência e dar prioridade aos interesses de sua esposa.

Por outro lado, a mulher inteligente vai incentivar o marido a participar e exercer suas novas funções como pai. Ela vai ajudá-lo a se envolver nas tarefas que o cuidado de um bebê exige, tais como trocar fraldas, dar banho ou dar de mamar.

É provável que, em um primeiro momento, as coisas não saiam muito bem para o homem. No entanto, com paciência e tolerância, ele vai aprender.

Conselhos para os futuros pais

Seja o aumento da família planejado ou não, é essencial que ambos os membros do casal assumam o compromisso. Cuidar de um bebê implica uma grande responsabilidade, e isso não deve ser visto como uma solução para os problemas ou crises que o casamento possa experimentar.

 Conselhos para os futuros pais

É comum que a mãe queira assumir toda a responsabilidade de cuidar e criar o bebê, mesmo que esteja muito cansada. É por isso que se recomenda permitir a ajuda do esposo ou de outro integrante da família.

Enquanto isso, os pais de primeira viagem se sentem deslocados, ignorados e até mesmo percebem que atrapalham na hora de cuidar do bebê.

No entanto, o pai não deve ser um mero observador, e sim um participante ativo no processo de criação do seu filho. O pai deve ser integrado ao cuidado do bebê para ir estabelecendo um vínculo especial com ele também.

Quanto às tarefas domésticas e o cuidado da criança, o ideal é fazer uma distribuição equilibrada das tarefas. O objetivo é evitar que uma única pessoa fique sobrecarregada com o serviço. Além disso, também vai contribuir para reduzir os conflitos que possam surgir.

O processo enfrentado pela nova mamãe

Depois de passar pela impressionante experiência de dar à luz o bebê, a mãe vai passar por uma modificação na sua rotina diária. O tempo de recuperação após o parto, a adaptação à amamentação ou o retorno ao trabalho são fatores decisivos nessa mudança.

Há casos inclusive em que uma mulher pode sofrer de depressão pós-parto. Isso requer ajuda psicológica e, principalmente, o apoio do marido.

Outro erro que os pais de primeira viagem costumam cometer é assumir uma atitude superprotetora em relação ao bebê por medo de que algo ruim aconteça com ele. No entanto, esse comportamento só provoca diferenças de opinião entre o casal.

É essencial que ambos os membros do casal assumam o compromisso. Cuidar de um bebê implica uma grande responsabilidade.

Tempo de qualidade para o casal

Mais além da chegada da criança, é essencial não negligenciar o relacionamento do casal. Durante os primeiros meses de vida do bebê, é fato que ele vai absorver quase completamente a atenção dos pais.

Apesar disso, é importante que, como casal, ambos passem algum tempo juntos e tenham uma boa comunicação. Da mesma forma, devem falar abertamente sobre a fase que estão atravessando e expressar seus medos e alegrias.

A maternidade coloca o casamento à prova, inclusive em relação à intimidade. A exaustão e a atenção necessárias para o cuidado de um bebê podem causar uma diminuição significativa na frequência com que tinham relações sexuais antes da chegada do bebê ou durante a gravidez. Isso pode causar frustração, tensão e distanciamento no casamento.

 A maternidade coloca o casamento à prova, inclusive em relação à intimidade

A maternidade coloca o casamento à prova: o que fazer?

Alguns pais poderiam concluir que a chegada do bebê veio para separar o casal. Se você acha que a maternidade coloca o casamento à prova, o melhor a fazer é focar nisso como uma questão de adaptação às novas circunstâncias.

Deixamos aqui algumas dicas simples que você pode colocar em prática para enfrentar a situação:

  • Diga ao seu parceiro o quanto você o ama e demonstre isso com ações.
  • Certifique-se de fazer desaparecer qualquer insegurança que a outra pessoa possa começar a sentir.
  • Falem sobre suas necessidades sexuais.
  • Mostrem compaixão um pelo outro, sejam pacientes e claros, evitando rodeios ao se comunicar.
  • Dê reconhecimento ao que o outro faz: valorizar e agradecer pelo esforço ajuda a aprofundar o amor que têm um pelo outro.

Em suma, é verdade que a maternidade coloca o casamento à prova, pois muda as circunstâncias entre o casal para sempre. Porém, essa nova etapa deve ser vista como uma forma a mais de demonstrar amor e compreensão. A criação do bebê vai permitir a revelação de qualidades valiosas que, sem a sua chegada, não teriam se manifestado. 

  • Verea, C. P. (2015). Maternidad: historia y cultura. Revista de Estudios de Género. La Ventana3(22), 35–68.
  • Sánchez, A., Espinoza, S., Ezcudia, C., & Torres, E. (2004). Nuevas maternidades o la desconstrucción de la maternidad en México. Debate Feminista, Maternidades, 55–86. Retrieved from https://scholar.google.com.mx/scholar?start=10&;q=Maternidad+en+Mexico&hl=es&as_sdt=0,5#5
  • Binstock, G. (2010). Tendencias sobre la convivencia, matrimonio y maternidad en áreas urbanas de Argentina. Revista Latinoamericana de Población3(6), 129–146. Retrieved from http://revistarelap.org/ojs/index.php/relap/article/view/73/72

Purizaca, M. (2010). Modificaciones fisiológicas en el embarazo. Revista Peruana de Ginecología y Obstetricia56(1), 57–69.