Adolescentes imigrantes, uma realidade muito comum

2 de junho de 2020
A juventude é uma etapa crítica na vida do ser humano. Por isso, a realidade dos adolescentes imigrantes não deveria passar despercebida. Nesses anos de tantas mudanças, um estresse como mudar de país pode ser determinante para vida de um adolescente.

A migração gera um grande estresse para aqueles que a vivem, independentemente da idade. No entanto, os jovens são um grupo muito vulnerável nessa situação. Neste artigo, vamos falar sobre os adolescentes imigrantes, situação que acontece muito frequentemente na atualidade.

Adolescentes imigrantes: problemas de identidade

Quando uma família decide, por diferentes razões – como o desemprego ou a guerra -, ir viver em outro país, traz consigo uma cultura, uma língua e tradições que talvez sejam muito diferentes de aquelas do país ao qual chegam.

Obviamente, os adolescentes também sentem o mesmo em relação ao novo lar. De acordo com a idade, essa mudança pode gerar consequências que, em muitos casos, durarão a vida inteira.

Não se fala muito sobre os adolescentes imigrantes, pois o foco geralmente está nos bebês e nas crianças. No entanto, durante essa etapa crucial da nossa existência, qualquer trauma, alteração ou estresse tem efeitos a curto, médio e longo prazo.

Como é a vida de adolescentes imigrantes?

Às vezes, jovens que migram juntam-se a outros com o mesmo passado que eles, pois compartilham muitas experiências e sentimentos. Apesar disso, em outros casos, os adolescentes compartilham seu dia a dia com colegas que nasceram no país que hoje é seu lar.

Quando isso acontece, ocorre o que é conhecido como “desculturalização e crise na construção da identidade”. Esse conceito significa que tudo o que foi aprendido durante a infância é rompido. Agora que o jovem está construindo sua personalidade para a vida adulta, ele deve pensar e agir como as pessoas do país anfitrião.

Adolescentes imigrantes

Todas as mudanças têm suas consequências. É muito importante que os pais ou os familiares estejam próximos durante o processo de migração de um adolescente.

Nessa fase que nos define como pessoas, um distúrbio tão profundo quanto deixar o lar, os amigos e o país de origem, pode levar a uma instabilidade difícil de controlar. Isso pode se refletir no comportamento e no desempenho acadêmico dos jovens.

Na adolescência por si só, já existem muitas tensões com as quais o jovem deve lidar em relação a mudanças hormonais ou de crescimento. Se adicionarmos a isso a situação traumática de ter que se mudar para outro lugar, podemos compreender por que um adolescente que migra pode se tornar ‘impossível de educar’.

“Em uma etapa crucial da nossa existência, qualquer trauma, alteração ou estresse tem efeitos a curto, médio e longo prazo.”

Adolescentes imigrantes: como ajudá-los

Se sua família tomou a decisão de emigrar, é muito importante que você ajude seus filhos a lidar com essas mudanças, pois são muitas e muito bruscas. Os adolescentes sofrem muito com a mudança, que inclui separar-se dos amigos, frequentar outra escola ou ter que se adaptar a um novo bairro.

Os sintomas nos jovens podem ser diversos, como por exemplo, não ter boas notas na escola, não se dar bem com os colegas ou tratar mal os pais.

Certamente, pode-se dizer que isso acontece com qualquer adolescente devido à singularidade dessa etapa, mas a verdade é que, se uma mudança de residência também for somada à equação, é necessário que os pais tomem providências.

Adolescentes imigrantes

Como ajudar os adolescentes estrangeiros?

É essencial acompanhá-los na travessia das mudanças da melhor maneira possível. A comunicação é a base, mesmo quando eles não querem conversar. Pergunte a eles como se sentem, o que sentem falta da vida antiga ou o que os incomoda particularmente no novo lar.

Se não for possível retornar por um tempo, hoje a tecnologia pode ajudar bastante a reduzir as distâncias e a nos conectar com aqueles que deixamos em nosso país ou cidade de origem. Utilize essa ferramenta para aliviar a saudade.

Outra maneira de lhes dar suporte é procurar grupos de apoio nos quais os jovens se sintam felizes e acompanhados. Pode ser, por exemplo, mudar-se para um bairro onde existem outras famílias que também vêm do exterior ou até falam o mesmo idioma.

Por fim, em alguns casos, também se recomenda que o adolescente procure terapia ou ajuda profissional. Um psicólogo pode ser uma ajuda mais do que importante para um jovem que tenta moldar seu destino e se preparar para o futuro em um lugar diferente.

  • Aparicio, R., & Portes, A. (2014). Crecer en España: la integración de los hijos de inmigrantes. Obra Social” La Caixa”.
  • Briones, E., Tabernero, C., & Arenas, A. (2005). Variables psicosociales relacionadas con el proceso de integración social de los estudiantes inmigrantes. Cultura y Educación, 17(4), 337-347. https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1174/113564005775133766
  • Etxeberría, F., & Elosegui, K. (2010). Integración del alumnado inmigrante: obstáculos y propuestas.
  • Luengo, M. Á., Villar, P., Sobral, J., Romero, E., & Gómez-Fraguela, J. A. (2009). El consumo de drogas en los adolescentes inmigrantes: implicaciones para la prevención. Revista Española de Drogodependencias, 34(4), 448-479. https://core.ac.uk/download/pdf/71004823.pdf
  • Pérez, E. B. (2010). La aculturación de los adolescentes inmigrantes en España: aproximación teórica y empírica a su identidad cultural y adaptación psicosocial (No. 99). Universidad de Salamanca.
  • Sipi, R. (2000). Las asociaciones de mujeres,¿ agentes de integración social?. Papers: revista de sociologia, (60), 355-364. https://www.raco.cat/index.php/Papers/article/viewFile/25582/25416