Ajude seu filho a enfrentar o bullying

19 Abril, 2017

Infelizmente o bullying escolar é um problema cada vez mais comum. Existem diferentes motivos pelas quais uma crianças pode ser afetada dessa forma, mas o problema mais grave é que ela sente medo ou vergonha de falar desse assunto, motivo pelo qual nem sempre é fácil oferecer ajuda.

Nesse ponto, é responsabilidade dos pais perceber os possíveis sinais de incômodo que a criança apresenta no que diz respeito a ir a escola ou alguma atividade social. No entanto, é provável que à primeira vista não possamos observar nenhuma mudança, por isso uma boa comunicação tende a ser a melhor ferramenta para o seu diagnóstico.

Existe propensão ao Bullying?

Geralmente esse tipo de intimidação acontece entre crianças de idades parecidas, as vezes alguns adolescentes irritam os mais jovens e ainda que em menor proporção alguns adultos também chegam a manifestar esse comportamento. No entanto, na escola a relação é semelhante, trata-se de crianças da mesma idade ou com poucos anos de diferença.

Existe propensão ao Bullying?

No entanto, algumas características particulares fazem certas crianças mais propensas a sofrer bullying. Por exemplo, podemos falar de alguém que parece um alvo fácil para as brincadeiras ou simplesmente porque agem diferente da maioria.

Nesse sentido, as vezes o amor dos pais pode nos tornar cegos ou incrédulos sobre a possibilidade de nossos filhos serem objetos dessas “brincadeiras”. Por essa razão devemos estar atentos a essa possibilidade se nossos filhos apresentam algumas das seguintes características:

. Obesidade

. Deficiência física ou mental

. Baixa estatura

. Vestimenta fora da moda

. Falta de habilidades pessoais

. Alto rendimento acadêmico

. Raça étnica diferente

. Prática religiosa pouco comum

. Baixo nível social

. Mostra clara debilidade, como choro excessivo ou medo

Nenhuma dessas características deveria ser motivo para irritar alguém, mas as crianças tendem a reagir a comportamentos diferentes ou estranhos. De maneira que os pais devem estar cientes de que talvez nossos filhos podem estar sendo provocados por essas causas.

Como ajudar o seu filho a enfrentar o bullying?

Como ajudar o seu filho a enfrentar o bullying?

Para ajudar as crianças a enfrentar esse problema é preciso estabelecer uma boa comunicação porque é possível que os sintomas não seja revelados com clareza, ou que as crianças não queiram falar disso. A primeira coisa que devemos fazer é oferecer apoio incondicional ainda que tenhamos certeza se está acontecendo algo.

Outra forma de ajudar é detectando a tempo sinais claros, como evitar ir a escola fingindo estar doente, ou não querer ir a certos lugares. Também é possível que ele mude seu comportamento ou fique triste e comece a tirar notas baixas.

Se já identificamos o problema o melhor é agir imediatamente, antes que o bullying possa chegar a afetá-lo gravemente. Entre as recomendações para ajudá-lo a enfrentar o bullying temos:

1. Falar com a criança e escutá-la. É recomendável incentivá-la a falar sobre como vai a escola e sobre sua relação com as outras crianças. Sempre aconselhando-a a ter confiança de falar com seus pais e professores se algo a incomoda.

2. Acreditar na criança. As vezes não levamos a sério as reclamações dos nossos filhos, podemos chegar até a pensar que são coisas de crianças ou que não é relevante, mas pode ser um caso sério que precisa de ajuda.

3. Incentivar sua autoestima. Ainda que não saibamos o que está acontecendo, sempre é bom alimentar o seu amor próprio, ajudá-lo a se sentir seguro de si mesmo e assim poder superar qualquer dificuldade. Uma autoestima baixa não pode apenas ser um sintoma, mas sim a causa do problema.

4. Estar em contato com a escola. Sempre é aconselhável falar com os professores para saber como o seu filho está progredindo, especialmente se suspeitamos que ele está sofrendo de algum mal. Se afinal temos certeza que ele está sofrendo bullying, é preciso conversar com a diretoria do centro educativo e com os outros pais.

5. Contribua com sua aparência. Ainda que não exista razões para que a aparência seja motivo de bullying, é provável que certos hábitos estejam provocando as intimidações. Nesse caso é possível ajudar a criança a mudar um pouco sua maneira de vestir, ou algum acessório que use. Também podemos ajudá-la a perder peso ou mudar algumas coisas no seu aspecto pessoal, que talvez não a esteja favorecendo.

6. Alimentar uma boa relação com outras crianças. É pouco provável que uma criança que tenha seu próprio grupo de amigos seja irritado, mas geralmente uma das principais fraquezas que as crianças que sofrem bullying apresentam é a solidão. Por esse motivo é importante que o ajudemos a fazer amigos em seu própria escola ou fora dela, algo que também vai melhorar suas habilidades sociais.

  • Armero Pedreira, P., Bernardino Cuesta, B., & Bonet de Luna, C. (2011). Acoso escolar. Pediatria de Atencion Primaria. https://doi.org/10.4321/S1139-76322011000600016
  • Benites, L. (2012). La convivencia escolar: una estrategia de intervención en bullying. En Bullying y convivencia en la escuela. Lima: Observatorio sobre violencia y convivencia en la escuela, pp. 75-104.
  • Carozzo, J., Benites, L., Zapata, L., & Horna, V. (2012). El bullying no es juego. Guía para todos. Lima: Observatorio sobre Violencia y Convivencia en la Escuela. http://bp000695.ferozo.com/wp-content/uploads/2012/11/Guia-de-Bullying-Observatorio.pdf
  • Enríquez Villota, M. F. (2018). El acoso escolar. Saber, Ciencia y Libertad. https://doi.org/10.18041/2382-3240/saber.2015v10n1.983
  • Felix Mateo Vicente, Soriano Ferrer Manuel, Godoy Mesas Carmen, & Sancho Vicente Sonia. (2010). El ciberacoso en la enseñanza obligatoria. Aula Abierta.
  • Serrano, Á. (2006). Acoso y violencia en la escuela. Barcelona. Ariel.