6 alternativas educativas em vez de proibir

08 Dezembro, 2020
Às vezes, proibimos os nossos filhos de fazer certas coisas, mas há alternativas muito mais eficazes em vez de proibir. Você quer conhecer quais são essas alternativas?

Cada vez mais tem sido demonstrado que a proibição na educação não tem nenhuma eficácia, principalmente com adolescentes. Quando se proíbe, a resposta dos jovens geralmente consiste em oposição e rebeldia. Por isso, veremos aqui algumas alternativas educativas em vez de proibir.

Se educarmos de forma excessivamente autoritária, as reações das crianças não serão as que esperamos, muito pelo contrário, e isso acabará por agravar a situação. As alternativas educativas mais democráticas são aquelas que mostram que proibir não é a solução.

Você quer saber quais alternativas educativas você pode usar em vez de proibir? Por que proibir não é eficaz? Vamos tentar responder a essas perguntas a seguir.

Algumas alternativas educativas em vez de proibir

Um estilo educativo autoritário leva crianças e adolescentes a fazerem o que é pedido, mas não de forma voluntária, e sim por medo das consequências que o não cumprimento pode ter.

É importante termos um estilo democrático no qual haja equilíbrio na autoridade que exercemos. Para isso, podemos levar as seguintes dicas em consideração.

alternativas educativas ao invés de proibir

Sempre educar com prazer e simpatia

Se a educação dos nossos filhos tiver como base a imposição, não vamos alcançar nada além de oposição e rebeldia das crianças. Por isso, é muito mais saudável e positivo educar com prazer, carinho e amor. Também não se trata de ser excessivamente permissivos, mas sim de ter um equilíbrio.

É importante sempre explicarmos o porquê de tudo, contando com eles para negociar as regras e tentar compreendê-los sempre, para que eles sintam que podem contar conosco em todos os momentos.

Educar com uma mente aberta e flexível, uma das alternativas educativas em vez de proibir

Devemos ter uma mente aberta e compreender que a nossa geração é diferente da dos nossos filhos e que eles estão crescendo em circunstâncias diferentes das nossas. Por isso, é importante que estejamos atualizados em relação a todas as novidades e tendências. Dessa forma, poderemos nos colocar melhor no lugar dos filhos. Nunca devemos desprezar os seus gostos.

Ensinar o autocontrole para as crianças desde cedo

Uma criança ou um adolescente com um bom autocontrole será um adulto de sucesso no futuro. Quando estabelecermos as regras, todos devem estar de acordo. Além disso, sempre devemos explicar o porquê dessa regra para que a criança entenda que isso não tem como objetivo incomodá-la, e sim colocar ordem em sua vida.

Afinal, as regras são formas de criar nas crianças e nos adolescentes hábitos positivos que eles possam manter ao longo do tempo, de forma sejam responsáveis ​​por cumpri-las sem que ninguém precise lembrá-los.

Falar de forma positiva sobre as notas

Falar sobre as notas sempre é um assunto complicado, principalmente quando elas não são boas. Porém, se os nossos filhos tirarem notas ruins, não devemos puni-los fazendo com que estudem por dois meses sem sair da quarto, como faríamos em um modelo autoritário.

De acordo com o modelo democrático, é preciso conversar com eles e analisar os motivos pelos quais não se saíram bem nas provas e, a partir disso, buscar soluções juntos. Se eles não entenderam bem a matéria, podemos levá-los para um curso ou conversar com o professor para ver o que está acontecendo para que isso não se repita na próxima avaliação.

Valorizar mais o esforço do que a capacidade, outra alternativa educativa em vez de proibir

Isso significa que não precisamos dizer aos nossos filhos como eles são inteligentes ou espertos, e sim elogiar o seu esforço. Todos os pais conhecem as habilidades dos filhos, mas, por mais inteligentes que sejam, eles precisam se esforçar para obter resultados.

alternativas educativas ao invés de proibir

Quando um adolescente acredita e sabe que tem muita capacidade, ele deixa de se esforçar e até pode se sair bem em níveis educacionais menos exigentes. No entanto, quando a exigência aumenta, ele fracassa.

Ensinar a se divertir com o processo de aprendizagem

É importante fazer com que as crianças se divirtam enquanto as educamos, pois criar um ambiente agradável facilitará o seu aprendizado. Podemos fazer atividades divertidas com elas e criar um vínculo saudável entre pais e filhos.

Por exemplo, se nossos filhos gostarem de histórias em quadrinhos, podemos ir a uma exposição sobre o assunto ou, se gostarem de arte, podemos levá-los a uma exposição de pintura.

Por que proibir não é eficaz?

Se os nossos filhos receberem proibições continuamente, no final das contas, faremos com que se sintam fracassados ​​porque não fazem nada direito e a sua autoestima será prejudicada.

Proibir fará com que eles se oponham e se rebelem, e façam o que está sendo proibido com ainda mais vontade. É muito melhor dar informações e explicar as coisas em vez de proibir. Assim, eles vão aprender a tomar decisões de uma maneira mais saudável.

Quando se trata de uma criança pequena, não devemos proibi-la de subir no escorregador sozinha, e sim explicar que ela pode cair sozinha e que vamos orientá-la para que ela possa subir sem riscos e com segurança.

Em suma, como você pode ver, o método educativo autoritário não serve para nada, e já foi comprovado que ele não é eficaz. Existem alternativas educativas em vez de proibir que são muito mais eficazes, nas quais é usado um método democrático, no qual a autoridade e a permissividade estão em equilíbrio. Esperamos que essas recomendações para incluir no seu dia a dia com os seus filhos, e evitando as proibições, sejam úteis para você.

  • (1993b) Estilos educativos paternos, en QUINTANACABANAS,J. M.ª (coord.). Pedagogíafamiliar. Madrid, Narcea, 45-58.
  • WINSLER, A.; MADIGAN, A. L. y AQUILINO, S. A. (2005) Correspondence between maternal andpaternal parenting styles in early childhood, Early Childhood Research Quarterly, 20, 1-12.