Amamentação e medicamentos: desmentindo mitos

16 de abril de 2018
Enquanto mãe, com certeza nada deve te deixar mais confusa do que ter que se medicar enquanto está amamentando. Mantenha a calma e lembre-se das informações que apresentaremos a seguir.

Para muitas mães, amamentação e medicamentos são duas palavras que não poderiam estar vinculadas de forma alguma. Sem dúvida, o ideal seria que, durante este longo período, tivéssemos uma saúde excelente e não apresentássemos nenhuma doença.

Mas, infelizmente, nem tudo é perfeito. O que queremos que você saiba é que existem muitos mitos com relação a este assunto, e que é possível tomar medicação enquanto você amamenta. A chave para isso é sempre seguir as instruções do seu pediatra.

Amamentação e medicamentos: desmentindo mitos

O objetivo de nosso artigo é somente o de desmistificar ideias gerais preestabelecidas na cabeça das mães sobre a amamentação. Porém sempre deixando claro que qualquer dúvida que você tenha deve ser sempre esclarecida com o pediatra. Além disso, lembramos que as informações online nunca deve ser considerada a única autoridade no tema.

Segundo diversos estudos, cerca de 80% das mães que estão amamentando precisam tomar algum medicamento, por diversas razões. Muitas delas suspendem a amamentação por medo de efeitos colaterais, baseadas na desinformação e nas falsas crenças que existem em relação a este assunto.

O que muitas mães não sabem é que grande parte dos medicamentos receitados pelos médicos não chegam a penetrar no leite que o bebê tomará. Ou sua presença é tão imperceptível que não chega a representar nenhum risco para a criança.

A quantidade de substâncias químicas no leite materno, produzidas pela ingestão de algum medicamento por via oral, é em quase todos os casos tão pequena que dificilmente poderia ser detectada, até mesmo por algum exame.

A mesma coisa acontece com medicamentos de uso tópico, como os corticoides, por exemplo, ou os colírios para os olhos. Em todo caso, o importante é que o bebê não venha a ter contato direto com o medicamento através do contato com a mãe.

Amamentação e medicamentos

De onde surgem os mitos sobre amamentação e medicamentos?

Estima-se que o problema principal se deve ao fato de que a maioria, ou quase todos os medicamentos existentes no mercado, apresentam a seguinte advertência: “Se você estiver grávida ou amamentando, consulte o seu médico antes de usar este produto”.

Esta informação é absolutamente pertinente, pois é o médico quem deve indicar se o medicamento deve ser utilizado, os horários e as quantidades a serem tomadas. Porém, se prestarmos atenção, veremos que a advertência indica que o médico deve ser “consultado”, não que a utilização esteja proibida.

É uma norma e um dever legal das indústrias farmacêuticas indicar se o produto é contraindicado quando a mãe está amamentando.

Nestes casos, a advertência na bula deve afirmar o seguinte: “Não deve ser administrado se houver suspeita de gravidez ou durante a gestação. Não deve ser utilizado durante a amamentação”. Se houver absoluta indicação para o uso do medicamento, o aleitamento deve ser descontinuado enquanto durar o tratamento.

“Amamentação e medicamentos são dois conceitos que muitas vezes são incompatíveis, mas isso não significa que seja sempre assim”

Nesta segunda advertência, evidentemente há uma proibição. Apesar disso, é esclarecido que a suspensão da amamentação é temporária.

Fazendo uma boa leitura da informação contida nas bulas dos medicamentos, não se deve perder a calma nem presumir que a amamentação deve ser suspensa definitivamente. Muito menos se deve supor que a mãe não possa tratar uma doença que tenha neste momento.

Medicamentos que podem ser tomados durante a amamentação

Muitos medicamentos de uso comum já foram submetidos a todos os testes e foi comprovado que, se usados corretamente, não causam nenhum dano ao bebê nem afetam a produção de leite. Estes medicamentos são:

  • Ibuprofeno
  • Paracetamol
  • Amoxicilina
  • Penicilina
  • Omeprazol
Amamentação e medicamentos: desmentindo mitos

Medicamentos proibidos durante a amamentação

Os medicamentos altamente proibidos durante a amamentação são aqueles destinados ao tratamento do câncer ou da AIDS. Porém, existem também medicamentos que, ainda que sejam seguros para o bebê, devem ser tomados segundo instruções específicas. Pois de outra forma podem apresentar algum tipo de inconveniente.

O paracetamol, por exemplo, que aparece na lista de medicamentos seguros, deve ser tomado após ter dado de mamar ou pelo menos duas horas antes de amamentar, já que se considera que pode causar sonolência no bebê.

O propranolol, usado para a hipertensão, ainda que não prejudique aos nossos filhos, reduz a secreção de leite. As pílulas anticoncepcionais causam o mesmo efeito, não trazendo efeitos colaterais para a saúde do bebê, porém prejudicando a produção de leite.

Entendendo que o problema muitas vezes se trata da leitura incorreta das bulas dos medicamentos, você pode ficar mais tranquila quando tiver que tomar alguma medicação prescrita pelo seu médico. Para concluir, lembramos a importância de nunca se automedicar, por nenhum motivo.