Atenção! Você sabe o que é cyberbullying, sexting e grooming?

Atenção! Você sabe o que é cyberbullying, sexting e grooming?

Última atualização: 22 Março, 2021

As novas tecnologias são como as moedas, têm dois lados bem diferentes. Elas podem ser viciantes e levar a novas formas de praticar o assédio com os mais vulneráveis. Nesse caso, as crianças e os adolescentes são os mais afetados. O assédio de jovens on-line é uma tendência para a qual devemos ficar muito atentas.

Pode se pensar que é o meio que corrompe, no entanto, é o mau uso das ferramentas disponíveis que causa danos. O bom gerenciamento dos conteúdos na internet é o segredo. As principais ameaças contra os jovens no ambiente on-line estão relacionadas ao uso excessivo.

O bullying foi transferido da sala de aula para a web. O anonimato com que o agressor pode agir aumenta a possibilidade de perseguição. Por esse motivo, as novas tecnologias são consideradas uma arma muito perigosa para o bullying escolar.

No ambiente on-line, os jovens se insultam, zombam uns dos outros e espalham boatos. Ou, o que é mais grave, publicam conteúdos ofensivos sobre a própria vítima ou sua família.

Há um problema quando observamos que a criança muda de comportamento devido ao uso da tecnologia. Por exemplo, nesses casos, percebe-se o seguinte:

  • A criança para de fazer outras atividades para ficar usando o aparelho eletrônico o dia todo.
  • Uma vida social ativa não é mais observada. Tudo é substituído pela tecnologia. A criança tem amigos virtuais e realiza atividades virtuais com frequência.
  • Ela se sente sobrecarregada e incompleta quando o mundo virtual fica fora de alcance.

O que é cyberbullying, sexting e grooming?

As novas tecnologias deram origem a diversas atividades. A partir delas, também nasceram diferentes termos relacionados a essas novas atividades. O que fazemos na internet tem uma definição própria, mas pode ser explicado socialmente.

‘Cyberbullying’, ‘sexting’ e ‘grooming’ são termos que definem certas formas de se relacionar on-line. Infelizmente, para todos esses tipos de relações, também existem inimigos.

Cyberbullying

O cyberbullying, por exemplo, é uma forma virtual de perseguição. É algo semelhante ao bullying, mas às vezes mais grave. As crianças têm dificuldade em se defender, ficando vulneráveis a tudo que não sabem como resolver.

Portanto, uma criança pode ser intimidada na internet com coisas simples. Elas podem ser facilmente assustadas por pessoas desconhecidas. Às vezes, as informações reveladas podem ser usadas contra elas mesmas.

Grooming

O grooming começa quando uma pessoa adulta mantém contato constante com uma criança. Considera-se que há um planejamento deliberado, sem a necessidade de ser com intuito sexual. Às vezes, o que o suposto agressor deseja é dominar psicologicamente a criança.

O contato pode ocorrer por SMS, e-mail ou bate-papo on-line. A ideia é exercer algum controle sobre as emoções da criança. Quando o medo ou o desejo pelo encontro pessoal começa a ficar evidente, pode se tornar algo perigoso.

Às vezes, é uma preparação para um sequestro ou abuso sexual. Na maioria dos casos, o adulto ganha a confiança da criança. Em outros casos, a abordagem é feita por meio de chantagem ou ameaça. A mentira ocorre de acordo com as necessidades da criança. Talvez um grupo de fãs, opções para ganhar dinheiro ou jogos importantes para ela.

Sexting

Por alguma razão, as pessoas tentam se relacionar sexualmente por todos os meios. Isso significa que crianças e jovens têm acesso a esse tipo de conteúdo. Uma vez que as crianças estão envolvidas em publicações sexuais, elas se tornam mais vulneráveis.

O sexting consiste na divulgação ou publicação por meio de dispositivo tecnológico de fotos ou vídeos com informações sexuais. Na maioria dos casos, esses dados foram enviados voluntariamente. Não são só os menores de idade que fazem isso, a maioria das pessoas o faz. Os adultos, por sua vez, se arriscam, pois têm consciência do que estão fazendo.

No entanto, as crianças não sabem até que ponto isso pode ser comprometedor para elas. Existem duas maneiras de praticar sexting:

  • Sexting ativo. Quando a pessoa tira de si mesma fotos insinuantes. Esse tipo de comportamento não deveria ser perigoso, mas as informações ficam armazenadas e podem ser vistas por outras pessoas. Por ter esse tipo de imagem em posse de outros, a vítima se torna um alvo fácil. Se essas informações caírem nas mãos erradas, pode haver cyberbullying.
  • Sexting passivo. É um comportamento que leva a pessoa a esperar o envio de fotos ou vídeos com conteúdo sexual. Essas pessoas não expõem a si mesmas, mas solicitam esse tipo de conteúdo. Elas nem sempre trocam esses dados com pessoas que conhecem ou em quem confiam.

Em todos os casos, esse comportamento é arriscado, pois revela informações que ninguém deseja expor. É uma ameaça constante à privacidade, o que pode ter consequências. Chantagem, cyberbullying ou grooming podem ocorrer a partir dessas ações.

A orientação é importante

Dada a extrema gravidade das consequências, os pais devem orientar seus filhos sobre esses perigos. Os riscos de enviar fotos e vídeos provocantes ou com conteúdo de determinado nível sexual, é um erro. Mesmo para adultos, essa prática é arriscada.

Todo mundo sabe que existem muitos perigos nas ruas. São muitos riscos os de ficar vulnerável a qualquer pessoa que possa nos causar danos. Com as novas tecnologias, crianças e jovens têm uma grande janela de exposição. No entanto, nem sempre é correto o que eles fazem nesse espaço.

Pode interessar a você...
Dependência de crianças à tecnologia
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Dependência de crianças à tecnologia

A dependência de tecnologia pode se tornar um problema sério em crianças. Na verdade, chega a se transformar em doença inclusive em adultos.



  • Fajardo Caldera, M. I., Gordillo Hernández, M., & Regalado Cuenca, A. B. (2013). Sexting: Nuevos usos de la tecnología y la sexualidad en adolescentes. International Journal of Developmental and Educational Psychology. http://dehesa.unex.es/handle/10662/958
  • Garaigordobil, Maite. (2011). Prevalencia y consecuencias del cyberbullying: una revisión. International Journal of Psychology and Psychological Therapy, 11 (Junio-Sin mes). https://www.redalyc.org/html/560/56019292003/
  • Kowalski, R. (2018). Cyberbullying. In The Routledge International Handbook of Human Aggression: Current Issues and Perspectives. https://doi.org/10.4324/9781315618777
  • Lenhart, A. (2009). Teens and sexting. Pew internet & American life project, 1, 1-26. http://ncdsv.org/images/PewInternet_TeensAndSexting_12-2009.pdf
  • Ortega Ruiz, R., Calmaestra Villén, J. y Mora Merchán, J.A. (2008). Cyberbullying. International Journal of Psychology and Psychological Therapy, 8 (2), 183-192.