A aventura de ser mãe

25 de outubro de 2017

Os pequenos de hoje em dia serão os adultos de amanhã. Portanto, ser mãe hoje em dia, significa uma grande responsabilidade que não pode ser menosprezada. A maneira como cuidamos e educamos nossos filhos e as boas ou as más decisões que tomaremos a respeito, também vai repercutir em nós mesmos no dia de amanhã. A sociedade na qual vivemos tem diferentes opiniões sobre a maternidade. Qual é a sua? Bem-vinda à aventura de ser mãe!

Não exija demais de si mesma na aventura de ser mãe

Ao ser mãe pela primeira vez talvez você exija a perfeição, e estar à altura de tudo, mas sem perceber estará depositando uma carga emocional e física em si mesma, que com o tempo vai cobrar seu preço.

“Que todo mundo saiba o quanto são sensatos”

-Citação bíblica-

“Eu alimentava grandes expectativas quando meu primeiro filho nasceu”, disse Janet Penley, escritora e mãe.  “Eu tinha a intenção de ser a melhor mãe que já existiu. Li todos os livros e escutei todos os especialistas, mas em vez de me sentir satisfeita e competente, acabei me sentindo incapaz e estressada”.

Ela relata que “tentar estar à altura das expectativas alheias, e tentar se moldar a um protótipo ‘ideal’ desanima, gera insegurança, e sentimentos de culpa”.

Ser mãe significa mudanças

Certamente você vai trabalhar fora e dentro de casa, o que vai gerar ainda mais estresse na sua vida. Tente fazer mudanças positivas e que ajudem você a se sentir menos estressada. Talvez você possa trabalhar menos horas ou mais perto de casa, mas nunca se esqueça de que você vai continuar sendo uma boa mãe, mesmo que não consiga fazer tudo da maneira que gostaria.

mãe deitada sobre a cama amamentando o seu bebê

Simplifique a sua vida

Ser mãe às vezes  vai exigir analisar o tipo de vida que levamos e que queremos de verdade. Podemos analisar se realmente precisamos de tudo o que temos, ou se podemos nos conformar com menos e dedicar mais tempo ao que realmente é importante, com a nossa família e nós mesmas.

Não tenha receio de pedir ajuda

Muitas mães pensam que precisam fazer tudo sozinhas, sem ajuda de ninguém, pois se pedirem ajuda pensam que não estão à altura do que significa ser mãe. Nada poderia ser mais distante da realidade! O mais sensato é pedir apoio à família e aos amigos de confiança, para que deem uma mãozinha.

Se você tem um companheiro, certamente a colaboração mútua vai ser essencial na hora de cuidar do bebê, ou dos bebês, nas tarefas da casa, nas compras, nas idas ao médico, e em qualquer coisa que for necessária. A ajuda de quem puder contribuir será muito valorizada e importante.

Separe um tempo de qualidade para você

Embora, como já dissemos, ser mãe signifique uma aventura para o resto da sua vida, e inúmeras tarefas e correrias, você nunca deve se esquecer do quanto você é importante, e que a primeira pessoa que precisa ser convencida disso é exclusivamente você mesma. Por isso é essencial separar um tempo de qualidade para você. Isso significa realizar atividades que você fazia antes de ser mãe, e que faziam você se sentir feliz.

“O tempo é ouro, mas não existe ouro suficiente para comprar o tempo”

– Anônimo-

Tente encontrar tempo para sair com as suas amigas para tomar um café, fazer compras, dormir mais, ou qualquer outra atividade que faça você se sentir renovada. Pratique esportes para esvaziar sua mente e para se sentir bem consigo mesma. Se você tem um companheiro, separe um tempo para vocês ficarem sozinhos e fazerem coisas juntos, isso poderá uni-los mais ainda e fortalecer o amor que já existe.

mãe e filha sorrindo e fazendo carinho

Embora seja verdade que ser mãe é uma aventura que envolve grandes mudanças em tudo: no nosso corpo, no tempo, nas amizades, na vida do casal e, definitivamente, em quase todos os aspectos da nossa vida, também é verdade que é uma experiência que ajuda a crescer como mulher e a valorizar o que realmente importa na vida.

Assim, a pergunta que fica para todas as mulheres é: você quer viver a aventura de ser mãe?

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.