Meu bebê não larga o seu bichinho de pelúcia

22 de março de 2019
Quando damos ao nosso filho um ursinho de pelúcia, ficamos cheios de ternura e entusiasmo ao vê-lo brincar com ele. No entanto, o que significa quando depois a criança não quer se separar do brinquedo por nada?

É bastante comum observar crianças entre os seis meses e os cinco anos de idade que estão apegadas a certos objetos. Pode ser desde um cobertor ou um pequeno travesseiro até um brinquedo. Por essa razão, muitas mães frequentemente se perguntam: “O que fazer se meu bebê não largar o bichinho de pelúcia?”.

Essa situação ocorre, aparentemente, devido à necessidade que as crianças têm de se sentirem protegidas e de estar em contato com um objeto que lhes proporcione a sensação de amor, a companhia e o conforto que sentem com a mãe.

Se você está passando por essa situação com o seu filho, este artigo pode te ajudar. Vamos verificar todos os detalhes desse comportamento interessante.

O que são brinquedos afetivos?

Os brinquedos afetivos são instrumentos lúdicos para crianças que se caracterizam por serem suaves ao toque e terem características e cores harmoniosas. Além disso, suas formas podem variar desde a imagem de um bebê até a representação de animais meigos e com olhos grandes, como os ursos.

Esse tipo de brinquedo afetivo geralmente é muito reconfortante para as crianças, pois vai ajudá-las a não sentir medo e a dormir melhor à noite, além de proporcionar uma agradável sensação de conforto e segurança.

No entanto, isso não é tudo. Estima-se que os chamados brinquedos afetivos, tais como bonecas de pano ou ursos de pelúcia, despertem sentimentos de amor e proteção nas crianças, que desenvolvem um sentimento de pertencimento bem enraizado com eles.

Meu bebê não larga o seu bichinho de pelúcia

Embora seja possível que nos seus primeiros anos de vida uma criança fique apegada com um objeto como um travesseiro ou um cobertor, os casos nos quais a criança geralmente manifesta um desejo mais radical de estar em posse constante de um objeto ocorrem com os brinquedos afetivos.

Isso acontece porque, a princípio, os pais geralmente colocam esses ursos ou bonecas de pano no berço ou na cama da criança. Lá, a criança não só faz contato visual com muita frequência, mas também pode estar em contato contínuo com eles, o que faz com que se sinta reconfortada na hora de dormir.

Vantagens e desvantagens da criança ter um bichinho de pelúcia

Além da familiaridade visual e constante com o objeto, outra razão muito importante para que uma criança não largue o seu bichinho de pelúcia é a questão do toque. De fato, isso pode até mesmo passar por cima do aspecto físico.

Muitas vezes, uma criança pode mostrar um apego enraizado por seu velho bichinho de pelúcia. Ele pode até mesmo ter perdido um olho ou estar descosturado, mas se for macio ao toque para a criança, sem dúvida ela vai querer estar em contato com ele.

Vantagens e desvantagens de a criança ter um bichinho de pelúcia

Embora alguns pais achem exagerado o fato de o filho passar muitas horas com o bichinho de pelúcia, a verdade é que esse brinquedo afetivo pode oferecer muitas vantagens. Além daquelas geralmente conhecidas, tais como conforto, segurança ou uma sensação agradável ao toque, outras delas são:

Expressar e canalizar emoções

As crianças também usam seus bichinhos de pelúcia como um canal para expressar suas emoções. Isso pode ir desde a vontade de amar, abraçar ou proteger o seu amado ursinho de pelúcia até servir como uma forma de lidar com situações que causaram desconforto ou dor.

É por isso que, em muitas ocasiões, quando os pais repreendem a criança por seu comportamento, ela então brinca com o bichinho. Assumindo a posição dos pais, a criança repete para o brinquedo as mesmas palavras que ouviu deles.

Com essa ação, as crianças aprendem a assimilar as experiências que, para elas, são negativas, recriando-as a partir de outro ponto de vista. Essa atividade também permite que elas entendam o próprio comportamento.

Os bichos de pelúcia despertam sentimentos de amor e proteção nas crianças, que desenvolvem um sentimento de pertencimento bem enraizado com eles.

Vínculo versus dependência

Há boas razões para considerar que o vínculo afetivo da criança com o bichinho de pelúcia pode ser reconfortante e educativo para o seu desenvolvimento emocional.

No entanto, vale a pena ressaltar que, se uma criança de cinco anos ou mais cria uma dependência total de seu bichinho de pelúcia, a ponto de não querer fazer nenhuma atividade sem ele, é aconselhável que ela seja avaliada por um profissional de psicologia.

Esses brinquedos afetivos devem funcionar como pontos de transição no controle das emoções e dos sentimentos. Mas, por sua vez, a criança deve ser capaz de lidar com o apego de uma maneira saudável.

Como uma recomendação final, lembre-se de que a higiene de todos os objetos dos seus filhos é muito importante, ainda mais quando se trata daqueles que são feitos de tecido. Por isso, lembre-se de higienizá-los regularmente para evitar alergias.

  • Murillo, M. (1996). La metodología lúdico creativa: una alternativa de educación no formal. In Congreso de Cartagena de Indias.
  • Reina, M. del C. M., & Cea, M. V. (2009). Actitud en niños y adultos sobre los estereotipos de género en juguetes infantiles. CIENCIA Ergo-Sum.
  • Damián Díaz, M. (2007). LA IMPORTANCIA DEL JUEGO EN EL DESARROLLO PSICOLÓGICO INFANTIL. Psicología Educativa.