Bebês descalços: mais felizes e inteligentes?

· 8 de janeiro de 2017

Seu filhinho tirou os sapatos e aí está você outra vez reprovando essa atitude que é uma das preocupações e irritações mais frequentes das mães. Entretanto, a ciência afirma que esse seu pesadelo limita o crescimento da criança. Mas, o que se sabe sobre o fato de deixar os bebês descalços?

A princípio temos três elementos básicos: liberdade, felicidade e inteligência. Desse modo, esse polêmico estudo que deu a volta ao mundo combate a tendência de calçar precocemente as crianças. Além disso, contesta mitos como o resfriado, a educação e as consequências físicas.

A pesquisa intitulada “Podologia preventiva: bebês descalços, igual a crianças mais inteligentes” foi promovida pela Universidade Complutense de Madrid, Espanha. Os bebês se sentem confortáveis e felizes e podem explorar e se desenvolver corretamente. Assim, por que não deixar os pequenos descalços?

O que diz a ciência?

“O movimento físico e o estímulo sensorial do bebê por meio dos pés descalços é um fator que acelera a maturidade do desenvolvimento proprioceptivo e o desenvolvimento intelectual da criança”, afirma Isabel Gentil García no início da pesquisa.

Também, ao longo dessa pesquisa são criticadas a venda e a publicidade de calçados para “pré-andantes”. Da mesma forma, a pesquisa reprova a excessiva recomendação pediátrica de calçar os bebês, um ato aparentemente necessário somente para cobrir os pés.

Gentil García adverte que ao cobrir os pés dos pequenos privamos o bebê de toda a informação tátil, assim como da percepção de posição e movimento do corpo em relação ao espaço. Segundo a especialista, nos bebês descalços a maturidade motora chega mais cedo. Além de beneficiar a coordenação visual e manual.

Assim, por meio de uma perspectiva multidisciplinar, enfatiza a importância de deixar os bebês descalços. A pesquisa defende também que os pés representam um canal de informação para o bebê sobre o mundo exterior. Dessa maneira, ele é capaz de ter contato por meio dos pés com diferentes superfícies e texturas.

bebês descalços

O papel dos pés nos bebês descalços

A perspectiva neurológica indica que até os dez meses os pés dos bebês são mais sensíveis ao tato que as mãos. Por isso, durante esses primeiros meses de vida os pés cumprem uma função essencial: experiência e conhecimento do bebê por meio do contato tátil.

Por isso mesmo, o artigo da Universidade madrilena defende com insistência o costume de deixar os bebês descalços. Pois, ao calçá-los, privamos os pequenos de uma informação perceptiva útil, capaz de assumir um papel de destaque no sistema nervoso central.

De acordo com as fases do desenvolvimento da inteligência, desenvolvidas por Piaget, no estágio sensório-motor é importante a manipulação, o movimento e a organização da informação sensorial. Esses elementos oferecem uma primeira noção do eu, do espaço, do tempo e da causalidade ao bebê.

Por esse motivo os pés são vistos como os verdadeiros receptores privilegiados, que contribuem a um melhor desenvolvimento da inteligência do bebê. A inteligência é fruto de uma complexa interação entre o ambiente e o organismo enquanto um dos fatores ambientais mais ativos é o autoconhecimento do próprio corpo.

Além disso, os bebês descalços que apoiam seus pés em diferentes tipos de superfícies – inclusive aquelas irregulares – desfrutam de um melhor desenvolvimento muscular. Isso ocorre pois não carregam um peso adicional no corpo e possuem movimentos livres que garantem um maior controle do próprio corpo.

Bebês descalços, para quê?

Todas as crianças gostam de andar descalças, assim como ficar peladas, independentemente das consequências que esses fatos podem causar na saúde delas. Essa é a principal preocupação dos pais. Entretanto, esse costume não só contribui para a comodidade da criança como também oferece muitos benefícios:

  • Aumenta o autoconhecimento por meio da observação dos movimentos dos dedos, do tato e do olfato da planta dos pés.
  • Contribui para a formação do arco da planta do pé, evitando o pé plano.
  • Facilita e estimula o caminhar das crianças.
  • Oferece experiências sensoriais ao pequeno.
  • Evita as bactérias e a transpiração, por isso afasta os fungos, os calos e o mau cheiro nos pés.
bebês descalços

Bebês descalços, crianças mais livres, inteligentes e felizes

Os adultos costumam ficar nervosos quando veem bebês descalços, mesmo que as crianças amem ficar sem qualquer tipo de amarras. Precisamente, esse estudo promove maior tranquilidade em relação a essa preocupação ao demonstrar que os pequenos que ficam descalços são mais felizes, andando livres pela vida.

A pesquisa afirma que os bebês descalços têm um contato mais profundo com o ambiente à sua volta e percebem o mundo de outra forma. Ao mesmo tempo, essas crianças descobrem o próprio corpo e o conhecem de uma forma diferente enquanto o utilizam para sentir o mundo exterior.

“No momento inicial do desenvolvimento da inteligência não existe uma diferença entre o eu e o mundo externo. É tudo um bloco único”, afirmam os especialistas. Mas, nesse “bloco”, o pré-andante deve explorar e sentir diretamente as texturas como parte do seu aprendizado.

E você, conhecia a importância de permitir que seu filho fique descalço? Sabendo dessa informação, vai deixar de lado esses bonitos sapatinhos que pensava em colocar no seu filho com tão pouco tempo de vida? Qual é a sua opinião sobre esse estudo científico?