5 brincadeiras para trabalhar a empatia nas crianças

A capacidade de entender a realidade de outra pessoa e de se colocar no lugar dela torna as crianças mais tolerantes. E se eles aprenderem brincando?
5 brincadeiras para trabalhar a empatia nas crianças

Última atualização: 25 maio, 2022

As brincadeiras para trabalhar a empatia nas crianças são um recurso muito valioso para apoiar o desenvolvimento da inteligência emocional e social delas.

“O que é empatia? É uma habilidade que nos permite compreender e compartilhar os sentimentos dos outros, sua maneira de pensar sem julgá-los ou concordar com eles.”

-UNICEF-

Abaixo, apresentamos uma série de atividades lúdicas e simples que tornam visíveis situações comuns para que as crianças entendam melhor o que é ter empatia.

Vamos brincar?

Brincadeiras divertidas para fazer em casa ou na escola

Apresentamos aqui várias opções em que as crianças são protagonistas da sua aprendizagem em valores. Tome nota!

1. O novelo de lã e a teia de aranha

Essa é uma brincadeira muito divertida e uma ferramenta ideal para se apresentar a um novo grupo. A dinâmica é muito fácil e você só precisa de um novelo de lã.

Para começar, as crianças sentam-se em círculo e a pessoa que conduz o jogo pega o novelo de lã. Ela se apresenta pela primeira vez e conta a todos sobre algo que gosta de fazer, como: “Meu nome é Lucia e adoro andar de bicicleta”.

Em seguida, ela pega uma ponta do fio e passa o novelo para que outra criança se apresente da mesma forma. Isso se repete com os demais participantes até que se forme uma teia de lã dentro do círculo que os inclui, conectando a todos.

Menina com rostos amarelos desenhados representando emoções.
Identificar o que os diferentes gestos faciais representam é uma boa maneira de fomentar a inteligência emocional nos pequenos.

2. Qual é a emoção?

Os emoticons estão na moda e as crianças os amam. Portanto, uma ótima ideia é usá-los para ensinar as emoções.

A atividade consiste em apresentar as carinhas para as crianças dizerem qual emoção elas representam e para cada uma dizer em qual situação cotidiana teria aquela expressão no rosto. No final você tem que nomear cada uma delas.

Por exemplo, quando um rosto sorridente é apresentado, você lembra de uma tarde em que sua mãe fez sua sobremesa favorita. Nesse caso, a emoção é a alegria.

3. No seu lugar

Essa é uma das brincadeiras mais simples para trabalhar a empatia, mas também uma das mais eficazes. Por envolver um aspecto sensorial, permite que as crianças entendam rapidamente como é “estar no seu lugar”.

A dinâmica é a seguinte: as crianças sentam em círculo e tiram os sapatos, depois os passam para o parceiro sentado à sua direita.

Quando o pequeno calça o sapato de outra pessoa, o moderador deve perguntar “Qual cor e modelo de sapato é o seu favorito?” E a criança deve responder de acordo com o que pensa o verdadeiro dono dos sapatos.

Com essa atividade, os pequenos percebem que existe uma grande diversidade de gostos e que todos são respeitáveis.

4. Os inquilinos

Essa brincadeira é um exercício ideal para mostrar como uma pessoa se sente quando é excluída de um grupo ou de uma atividade.

Você tem que dividir as crianças em grupos de 3 e deixar um par de crianças sem um grupo designado. As duas primeiras crianças dão as mãos e formam uma casa, enquanto a terceira fica no meio e brinca de ser o inquilino.

Ao som de “terremoto” as casas são desmontadas e devem ser remontadas com outro inquilino dentro. Quando isso acontecer, sempre haverá duas crianças sozinhas por motivos alheios ao seu controle e o debate se abrirá em torno de saber o que os excluídos sentem ou pensam.

Qual é o sentimento dos pequenos quando são excluídos de um grupo? O que essas crianças pensam quando isso acontece com elas? O que fazer quando presenciamos essa situação?

5. A Ilha dos Náufragos

Essa brincadeira de grupo é perfeita para crianças com mais de 10 anos, pois a ideia é que elas concordem e que cada uma colabore com a habilidade que melhor souber realizar.

Forme grupos de 4 ou 5 crianças e diga que elas estão em uma ilha deserta, aonde chegaram depois de um naufrágio. Diga que elas precisam encontrar uma solução para sair de lá juntas e dê a elas uma lista dos materiais que têm disponível.

Graças a essa atividade, as crianças poderão ver no outro uma habilidade especial e compreender que somos todos diferentes. No entanto, cada aspecto que nos diferencia pode ser muito valioso para a sociedade que todos nós formamos e compartilhamos.

Crianças na varanda da casa brincando de caça ao tesouro.
O trabalho em equipe nos permite descobrir que cada aspecto que nos diferencia é uma virtude que nos permite complementar uns aos outros.

Por que usar brincadeiras para trabalhar a empatia nas crianças?

Está comprovado que as crianças aprendem melhor e mais rápido quando o fazem por meio de atividades lúdicas. As brincadeiras criam ambientes descontraídos nos quais os pequenos podem expressar mais facilmente as suas emoções.

Por outro lado, as situações fictícias criadas em um jogo ajudam os pequenos a entender como os outros podem se sentir em determinadas circunstâncias.

Com o foco em trabalhar a empatia, a brincadeira se torna uma ferramenta poderosa para facilitar a convivência, incentivar a inclusão e abandonar o preconceito, em prol da integração plena e real. Sem discriminação de qualquer tipo.

Em suma, conforme expresso no Guia do UNICEF para Promover a Empatia :

A empatia ajuda a melhorar as relações sociais e a aceitar que somos todos diferentes, e que são essas diferenças que nos enriquecem”.

Pode interessar a você...
4 dicas para gerar empatia entre adolescentes
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
4 dicas para gerar empatia entre adolescentes

Você sabe por que é importante gerar empatia entre os adolescentes? Aqui vamos contar por que e quais são as dicas para fazer isso.