Chantagem emocional com crianças e suas consequências

5 de agosto de 2019
Quando a comunicação entre pais e filhos não é eficaz e a pressa para impor demandas prevalece, surge a chantagem emocional. Sobre o que é essa relação?

A chantagem emocional com crianças para fazê-las obedecer é um dos recursos mais cruéis e, a longo prazo, afeta a psique da criança.

Dizer a uma criança que não a amamos, que ela é ruim ou que vamos abandoná-la se não parar de chorar são algumas das estratégias mais rápidas que os pais utilizam para obter respostas imediatas. Mas, na verdade, é uma ação absolutamente errada.

O pior da chantagem é que desencadeia um círculo vicioso no qual a criança também começa a manipular os pais em resposta a uma cópia de suas ações. Por fim, a comunicação e as demandas entre pais e filhos deixam de ser respeitosas. Saiba todas as considerações sobre esse delicado assunto.

Considerações sobre chantagem emocional

A chantagem é, sem dúvida, uma forma de dominação. É usar um poder ou uma superioridade contra um indivíduo que está em desvantagem. É um jogo de poder do fraco contra o forte e daquele que tem muito a perder e deve ceder imediatamente à demanda.

No entanto, um dos aspectos mais notórios da chantagem emocional é que a pessoa que a recebe, neste caso a criança, deve responder com tanta prontidão à demanda que não pode sequer racionalizar o objetivo do que é pedido e por que deve obedecer. Apenas o faz, cheia de medo de perder algo precioso.

A necessidade de obedecer a uma ordem baseada em inconformidade, medo e pressa sem racionalizar, é claro, criará no pequeno apenas chateação, medo, ressentimento e desrespeito em relação às figuras de autoridade.

Chantagem emocional dos pais

Por que pais e filhos recorrem à chantagem emocional?

O indivíduo que exerce chantagem emocional sabe que está tentando impor uma posição e, além disso, está mentindo para alcançá-la. É claro que os pais não abandonarão seus filhos se eles não pararem de chorar ou se não deixarem de se comportar mal.

Por outro lado, também é notório que até mesmo crianças de apenas um ano e meio de idade fingem chorar apenas para obter atenção e conseguir o que querem.

É claro que a chantagem, embora baseada em uma mentira e com uma conotação moral negativa, é exercida sem uma consciência real das consequências a longo prazo. Os pais, quando ameaçam seus filhos, não estão cientes do mau exemplo que incutem neles, dos medos ou ressentimentos que podem despertar no inconsciente da criança.

Por sua vez, a criança não percebe que, ao chantagear os pais, faz com que eles percam credibilidade diante das exigências de suas necessidades.

Como estatística geral, é importante esclarecer que as famílias nas quais há muito mais casos de chantagem emocional são aquelas que estão passando por um divórcio ou uma crise por parte dos pais.

Nesses casos, por exemplo, as crianças chantageiam comparando o imediatismo da resposta de seus pais às suas demandas. Os adultos respondem com o mesmo ciclo vicioso, condicionando o amor ao comportamento da criança.

“A chantagem emocional é um jogo de poder do fraco contra o forte e do que tem muito a perder e deve ceder imediatamente à demanda.”

Como a chantagem emocional pode ser evitada?

Devemos esclarecer que a chantagem emocional não é apenas aprendida em resposta à repetição do comportamento dos pais, mas também foi identificada como uma inclinação quase instintiva no ser humano. No entanto, uma das melhores opções para combater essa ação é a comunicação constante e assertiva com a criança.

Chantagem emocional com crianças

Não há saídas simples. É óbvio que crianças de pouca idade não compreenderão desde o início as ordens dos pais e por que devem cumpri-las. No entanto, a repetição, o exemplo e o ato de incutir respeito podem ser muito úteis.

Também é importante identificar se você ou seu filho pequeno podem estar sendo vítimas de chantagem emocional. Algumas das características dos indivíduos que podem se enquadrar nessas circunstâncias são:

  • Precisam de aprovação constante.
  • Têm medo de incomodar as pessoas mais próximas a eles.
  • Estão passando por situações em que precisam se sentir calmos imediatamente.
  • Sempre se entregam rapidamente às necessidades dos outros.

Por fim, lembre-se de que estabelecer limites e padrões com amor e respeito, juntamente com um diálogo constante e saudável entre pais e filhos são as melhores ferramentas para garantir que esse comportamento inaceitável não seja utilizado.