A colestase na gravidez

· 22 de outubro de 2017

A colestase na gravidez, também conhecida como colestase obstétrica, gestacional ou intra-hepática, pode causar coceira intensa especialmente nas mãos e nos pés. Costuma ocorrer durante o último trimestre da gravidez e algumas mulheres não associam os sintomas à essa patologia. Geralmente é o médico quem desconfia da colestase e pode confirmar suas suspeitas por meio de um exame de sangue.

Esta condição geralmente não representa um risco grave para a saúde a longo prazo para a mãe. No entanto é muito importante ter sob controle, pois pode causar complicações mais graves para o bebê. O termo “colestase” vem das palavras gregas “chole” que significam “bile” e “estase” que significa “parado”. A colestase ocorre quando o fígado não pode excretar bile apropriadamente. A bile é um líquido que ajuda o corpo a processar a gordura.

Sintomas da colestase na gravidez

Existem alguns sintomas característicos da colestase na gravidez que você deve saber identificar. A coceira é mais comum durante o terceiro trimestre de gravidez, especialmente nas mãos e nos pés por causa da possível retenção de líquidos. Também é possível que os sintomas apareçam mais cedo.

O incômodo pode piorar à medida que o nascimento da criança se aproxima. Uma vez que o seu bebê nasce, a coceira costuma a desaparecer dentro de alguns dias.

Fique atenta aos seguintes sinais e sintomas que podem se manifestar em casos de colestase na gravidez:

Mulher no computador com sintoma de colestase na gravidez

  • Coceira intensa, especialmente nas palmas das mãos e na planta dos pés
  • Urina escura
  • Fezes de cor clara
  • Cor amarelada da pele
  • Coceira como o único sintoma e piora durante a noite.
  • Náusea
  • Perda de apetite

Uma mulher grávida que tenha quaisquer dos sinais ou sintomas mencionados acima deve informar a um profissional de saúde o mais rápido possível , pois pode indicar um grave risco para o feto. Esta doença pode causar sofrimento fetal, parto prematuro ou morte do feto no útero (ácidos biliares passam para a placenta e intoxicam o bebê). Além disso, a mulher pode vir a sofrer uma hemorragia interna.

Causas da colestase

Não é claro o que causa colestases na gravidez, talvez seja uma patologia genética. Ou ainda é possível que os hormônios da gravidez desempenhem um papel importante para esta condição.

É possível que o aumento dos hormônios da gravidez diminua o fluxo normal da bile para fora do fígado.

A bile é um fluido produzido no fígado que ajuda o sistema digestivo a quebrar as gorduras. A possível acumulação de bile no fígado permite que os ácidos biliares entrem na corrente sanguínea. Os ácidos biliares depositados nos tecidos da mãe podem causar coceira.

A bile é um líquido amarelo-esverdeado que consiste principalmente em colesterol, sais biliares e bilirrubina. É produzida pelo fígado e armazenado na vesícula biliar. Da vesícula biliar passa pelos dutos biliares e segue para o duodeno.

Às vezes uma obstrução fora do fígado evita que a bile saia dele, levando à uma condição conhecida como colestase extra-hepática. A colestase intra-hepática ocorre quando existe um problema com a eliminação de sais biliares do fígado. Este é o tipo de colestase que ocorre durante a gravidez. Acredita-se que os hormônios da gravidez, e especialmente o estrogênio extra no corpo, podem afetar o funcionamento adequado da vesícula biliar e do fígado.

Fatores de risco

Mulher com náusea um sintoma da colestase na gravidez

Os fatores de risco que aumentam as probabilidades de desenvolver a colestase na gravidez são:

  • Um histórico pessoal ou familiar de colestases na gravidez. Verifique se já aconteceu com alguém da sua família.
  • Antecedentes de doenças hepáticas.
  • Uma gravidez de gêmeos, trigêmeos ou mais.
  • Fecundação in vitro.

Alguns desses fatores estão relacionados com a genética, e provavelmente todos estão relacionados com o aumento dos níveis de hormônios durante a gravidez.

Se você já apresentou colestase na gravidez alguma vez, o risco de desenvolver durante outra gravidez posterior é maior. Por isso é importante que você fique atente aos sinais do seu corpo e tenha os controles médicos em dia para evitar complicações. Quase dois terços das mulheres grávidas podem apresentar colestase na gravidez.

Durante a consulta o médico pode fazer perguntas sobre os sintomas que você apresenta assim como sobre o seu histórico familiar. Será necessário um exame de sangue para medir os níveis da bile e revelar se o seu fígado funciona adequadamente.

As ecografias podem detectar anormalidades no fígado da mãe, mas não no feto. Não há necessidade de um tratamento específico se a colestase for leve, e geralmente tem como objetivo aliviar os sintomas e prevenir quaisquer complicações.