Como o cansaço mental afeta as crianças

Você sabe o que é o cansaço mental, como ele afeta as crianças e como isso pode ser evitado? Descubra as respostas para todas essas perguntas a seguir.
Como o cansaço mental afeta as crianças

Última atualização: 30 Janeiro, 2021

Você certamente já ouviu falar do fenômeno da síndrome de burnout, um problema comum entre os adultos que se caracteriza por sensações de exaustão, fadiga e frustração causadas ​​por uma sobrecarga de trabalho. Mas você sabia que as crianças também podem sofrer com esse cansaço mental?

Isso pode acontecer quando os pequenos são submetidos a níveis muito elevados de estresse ou quando têm tarefas, responsabilidades ou obrigações excessivas para realizar no dia a dia, sem que o período evolutivo em que se encontram seja levado em consideração.

As crianças precisam de tempo para o lazer e a diversão, caso contrário o cansaço mental vai se tornar evidente e afetar o desenvolvimento de sua vida diária de forma significativa. Você quer saber mais sobre esse assunto? Então preste atenção ao que vamos dizer nas próximas linhas!

o cansaço mental

O que é o cansaço mental e como ele afeta as crianças?

O cansaço mental é um estado de esgotamento psicológico contínuo e intenso que pode se manifestar nas crianças de diferentes maneiras. Alguns dos sintomas mais comuns são:

Normalmente, o cansaço mental das crianças está relacionado ao ambiente acadêmico, pois é o contexto em que elas podem sentir mais pressões e demandas, tanto dos professores quanto da própria família. Entretanto, como era de se esperar, os sintomas causados ​​pelo cansaço mental têm um efeito muito negativo no desempenho escolar das crianças.

Além disso, esse cansaço também pode afetar o desenvolvimento social, uma vez que os pequenos podem não ter forças, vontade ou tempo para interagir com seus pares.

Quais crianças são mais propensas a desenvolver esse problema?

Existem crianças que têm maior probabilidade de sofrer de cansaço mental por causa de uma série de fatores ou características que as tornam mais vulneráveis. Nesse sentido, é possível citar as crianças que:

  • São ansiosas.
  • Têm dificuldades de aprendizagem. 

Como evitar o cansaço mental durante a infância?

Para evitar o cansaço mental durante a infância, é necessário que os adultos se comprometam a dar responsabilidades às crianças de uma forma equilibrada e que esteja de acordo com a idade e o estágio de desenvolvimento maturacional em que elas se encontram.

o cansaço mental

Ou seja, na hora de atribuir tarefas, seja em casa ou na escola, é preciso levar em consideração o nível de exigência que representam para os pequenos. É bom que as crianças precisem se esforçar para cumprir as suas obrigações, mas sempre estabelecendo limites e garantindo que isso não ocupe praticamente todo o tempo livre que têm.

Afinal, crianças são crianças e, como mães, pais ou educadores, precisamos permitir que elas vivam uma infância plena e feliz na qual possam brincar, ter um hobby, descansar, passar tempo com os amigos, etc.

De fato, como afirma a psicóloga clínica e escritora americana Kay Redfield Jamison:

“As crianças precisam de liberdade e tempo para brincar. Brincar não é um luxo. Brincar é uma necessidade”.

No entanto, parece que isso foi esquecido na sociedade atual, pois há muitas crianças que dia após dia enfrentam uma infinidade de tarefas e atividades extracurriculares, sem que tenham um momento de paz e tranquilidade para fazer o que quiserem e, assim, descansar a mente.

Por esse motivo, antes de tomar decisões relacionadas à forma de ocupar o tempo dos filhos, é interessante ter em mente a seguinte frase de Frederick Douglas:

“É mais fácil construir crianças fortes do que consertar homens quebrados”.

Pode interessar a você...
A síndrome de Burnout
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
A síndrome de Burnout

A síndrome de Burnout afeta muitas mães no momento da criação da criança. É causada pelo estresse e fadiga que acompanham a responsabilidade



  • Garcés de Los Fayos, E. J. (1995). Bornout en niños y adolescentes: un nuevo síndrome en psicopatología infantil. Psicothema7(1), 33-40.