Como se desenvolve a comunicação não verbal nas crianças?

A comunicação não verbal é aquela em que a mensagem é transmitida e enviada por meio de sinais ou gestos e não por palavras. Você quer saber como você pode desenvolvê-la em seu bebê?
Como se desenvolve a comunicação não verbal nas crianças?

Última atualização: 16 abril, 2022

A comunicação não verbal em crianças é a primeira maneira pela qual elas começam a desenvolver um relacionamento com seus pais. Dá-se quando elas ainda não pronunciaram as primeiras palavras ou apenas começaram a fazer isso.

A importância da comunicação não verbal nas crianças

A comunicação não verbal é a forma interativa pela qual as crianças expressam suas emoções sem dizer palavras, enquanto a comunicação verbal é adquirida por meio da interação ativa, ou seja, do desenvolvimento da linguagem e da audição com os pais.

“O tempo dedicado à comunicação entre pais e filhos é um tempo que marca uma etapa transcendental no desenvolvimento do bebê”

Como os bebês não podem falar, a comunicação não verbal é sua única maneira de interagir com um adulto, sendo capazes de distinguir até mesmo em seus pais diferentes tons linguísticos.

Como se desenvolve a comunicação não verbal nas crianças?

As crianças usam a comunicação não verbal como forma de chamar a atenção dos pais, expressando suas emoções e necessidades básicas. É importante observar atentamente os sons e gestos, pois eles revelam o seguinte:

  • O estado de ânimo.
  • Podem alertar sobre distúrbios ou desequilíbrios.
  • Através deles os bebês chamam atenção.
  • Por meio deles os pequenos mantêm contato interpessoal.

Essa capacidade inata é desenvolvida e aperfeiçoada graças à própria experiência pessoal. A aprendizagem e a maturidade permitem a associação de determinadas expressões e palavras, bem como ações e emoções concretas.

A perda da figura de apego pode levar à ansiedade e à depressão.

Expressões faciais

O bebê ou a criança começa a se comunicar através da expressão facial. Esse tipo de comunicação não verbal em crianças é desenvolvido através de:

  • Movimentos oculares.
  • Alguns movimentos faciais.
  • Movimentos labiais.

Cada um desses importantes aspectos passa por um processo de amadurecimento que se organiza até chegar a uma unidade específica. São inúmeros os sinais faciais que os pais devem visualizar bem para entender o que o pequeno quer comunicar.

Observar bem

Observar bem a expressão do rosto é vital para poder interpretar corretamente o que a criança quer transmitir.

Um exemplo disso é que se o bebê quiser expressar surpresa, ele fará isso abrindo os olhos, levantando as sobrancelhas e deixando a boca bem aberta e a pálpebra superior levantada.

Se ele expressa alegria, é fácil observar como as bochechas sobem, os olhos se estreitam e os cantos dos lábios se movem. Alguns exemplos como esses ajudam muito bem a observar o tipo de comunicação não verbal em crianças.

Dicas para criar uma boa comunicação

Não é necessário esperar que o pequeno cresça ou comece a falar para criar uma boa comunicação com ele, uma vez que através da linguagem não verbal isso também pode ser alcançado. Algumas dicas importantes que podem promovê-la são as seguintes:

Olhe o bebê no rosto

A expressão facial é uma forma básica e vital para desenvolver uma boa comunicação entre os pais e a criança. Dessa forma, a relação entre ambos será fortalecida, criando uma espécie de vínculo que será progressivamente reforçado.

Qualquer comunicação da criança com o pai pode ser realizada adequadamente, mesmo que ele não possa falar. Você só precisa ficar na frente do pequeno cara a cara para aproveitar a oportunidade.

Sorriso “interativo”

Ao lidar com a comunicação não verbal em crianças, é importante enfatizar que o sorriso é um fator fundamental. Tentar estimular o sorriso da criança e sorrir constantemente em reação aos seus gestos torna-se um dos principais elementos que promovem uma comunicação perfeita.

Interagir com suas expressões

As expressões do bebê são variáveis, mas não menos intensas. A pedagoga Cristina García explica que “quando um menino ou uma menina passa do riso ao choro ou do choro ao riso, é porque expressou o que estava sentindo em dois momentos diferentes, embora muito próximos no tempo”.

Os pais têm então uma preciosa oportunidade de interagir com gestos de alegria, espanto, tristeza, entusiasmo, aproximando expressivamente seu rosto do bebê. A replicação leva à imitação e da imitação à intenção comunicativa.

Prestar atenção a gestos e palavras

Tudo isso implica em prestar atenção aos gestos e palavras que os pais usam. O bebê é literalmente uma esponja, e sua enorme plasticidade cerebral o dispõe a receber e processar infinitos estímulos. Entre eles, o complexo universo da comunicação humana.

Em um trabalho interessante, a pesquisadora Isabel Santis afirma: “Quando você interage cara a cara com um bebê, são produzidas neurotrofinas, o que favorece a criação de sinapses, a plasticidade sináptica e o desenvolvimento do córtex. Também são produzidas endorfinas que estimulam o comportamento lúdico em ambos”.

Dramatização e teatro, ferramentas de comunicação não verbal

O teatro sem palavras ou pantomima é muito antigo e possui inúmeros recursos universais baseados em gestos, signos, mímica, barulho e silêncio. A imitação também é um instinto humano e os bebês começam a fazer isso a partir do primeiro mês de seu nascimento, para que a encenação junto com a música e a caracterização de personagens preencham o ambiente de significado.

Usar música e cantar

Muitos pais comprovaram que a música e o canto são fatores determinantes na promoção da comunicação não verbal com a criança. Ambos ajudam perfeitamente a maturação do cérebro, que estabelece a base neurológica para a comunicação verbal futura.

Quando o bebê começa a apresentar certas vocalizações, os pais devem reagir e tentar interagir com ele da mesma forma, tentando repetir os sons que o pequeno produz.

O objetivo é que a comunicação se fortaleça cada vez mais até chegar à comunicação verbal ao longo dos meses, criando um relacionamento muito mais afetivo e profundo.

Ouvir música relaxante ajuda as crianças a desenvolver suas habilidades sociais.

Modulação da voz

Quando o pequeno crescer, os pais não devem deixar de usar o sorriso interativo ou parar de olhar para o rosto da criança. Na verdade, é conveniente continuar a fazer isso e, se possível, falar perto do ouvido.

Além disso, usar diferentes tons de voz e ritmo de diferentes lugares (longe, perto, de lado, de frente) ajudará o bebê a desenvolver suas habilidades sensoriais.

Usar chocalhos

Os chocalhos são um dos aliados de maior destaque para os pais, pois desenvolvem a maturação das áreas auditivas do cérebro. Para potencializar esse exercício, os pais podem se posicionar a diferentes distâncias (30 ou 40 cm).

Além disso, usar o chocalho acompanhado de certas expressões faciais é uma ótima maneira de estimular o bebê.

Os pais nunca devem esquecer que a comunicação não verbal nas crianças deve ser estimulada por meio de sistemas multissensoriais que permitam a integração de todos os sentidos, um método de estimulação global do cérebro que promove a maturação verbal.

E acima de tudo, lembre-se de que os pequeninos

“…sabem muito mais sobre emoções do que nós, porque eles principalmente sentem e nós, quando chegamos ao mundo adulto, principalmente pensamos.”

Cristina Garcia

This might interest you...
A comunicação emocional na infância
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
A comunicação emocional na infância

A comunicação emocional tenta transmitir os sentimentos e as emoções do emissor. Pode ser uma frase, um sorriso, o choro ou um grito de raiva.