Como é o processo de dilatação?

· 3 de maio de 2018
Conhecer como se desenvolve o processo de dilatação pode te ajudar a enfrentar o trabalho de parto com mais serenidade.

O processo de dilatação é a primeira fase do parto e, junto com a expulsão e o rompimento da placenta, é uma das três etapas prévias ao nascimento do bebê.

Durante a dilatação, o colo uterino desempenha um papel essencial para a gravidez e o parto. As contrações tornarão possível que o canal do parto se abra, permitindo o nascimento do pequeno.

Devido à influência de contrações muito precoces, existe o risco de que o colo uterino se encurte ou se abra significativamente. Neste caso é aconselhável fazer a internação com a finalidade de deter as contrações e controlar o bem-estar da mãe e da criança.

Em contrapartida, na etapa de gestação o útero fica fechado para manter o feto quente durante todo o seu desenvolvimento e proteger ao bebê.

Outros sintomas prévios ao parto que não vão passar desapercebidos para você, como a expulsão do tampão mucoso, o início das contrações, a ruptura da bolsa e a descida do feto através da pelve materna, anteciparão o período de dilatação.

Quando já estiver totalmente dilatada se realizará a fase da expulsão.

Como acontece o processo de dilatação?

O processo de dilatação pode se dar de duas maneiras:

  • De forma natural. Quando acontece espontaneamente sem precisar de intervenção médica.
  • Através de fármacos. Quando por interesse materno ou fetal se decide realizar o parto através de medicamentos.

Fases da dilatação

O tempo de duração desde que as contrações começam até o momento da expulsão é conhecido como “fase de dilatação”.

Se trata da etapa mais longa do parto e costuma durar entre 8 e 12 horas, no caso de que se trate do primeiro parto. A partir do segundo, se estima que pode durar de 5 a 7 horas.

Em média o colo uterino se expande um centímetro por hora, mas a velocidade de dilatação não é regular. Os primeiros centímetros costumam ser os mais longos. Ainda que isso seja só uma média, já que cada mãe é diferente, assim como cada nascimento.

Estas são as fases por meio das quais se realiza o processo de dilatação:

1.- Fase latente

As contrações acontecem a cada 5 – 30 minutos e duram de 30 a 45 segundos, mas nem sempre são experimentadas como tais pela futura mãe.

Se as contrações são de baixa intensidade, pode sentir dor nas costas e virilha. Porém, estas contrações são efetivas: durante esta fase, a dilatação pode avançar até 3 cm.

2.- Fase de trabalho ativo

As contrações seguintes ocorrem a cada 5 minutos, duram entre 30 e 40 segundos e a dilatação é de 5 centímetros.

Nesta fase, as contrações chegam a ser a cada 2 ou 3 minutos e podem durar até 50 segundos. Chegará a ter uma dilatação do útero de uns 6 centímetros.

3.- Fase de aceleração rápida

Esta é a última etapa de dilatação do colo, que permitirá alcançar os 10 cm. Nesta fase, tudo se acelera: as contrações são mais frequentes (a cada 2-3 minutos) e se prolongam, deixando a mãe com pouca respiração.

Pode ser acompanhada de náuseas, vômitos, ondas de calor ou calafrios e é a fase mais difícil para a mãe.

Tipos de dilatação

Existem dois tipos de dilatação:

Dilatação passiva

A dilatação é de 0 a 3 centímetros e as contrações ocorrem de forma irregular e com uma intensidade média.

É conveniente vivê-la em casa ou um ambiente tranquilo. Até que as contrações não se produzam a cada 5 minutos durante 1 hora, não é preciso ir ao hospital.

Dilatação Ativa

O pescoço do útero se dilata de 3 a 10 centímetros e as contrações serão mais frequentes e intensas.

Ocorrem no centro hospitalar e precedem à expulsão do feto.

Colo uterino: quando a dilatação não avança

Às vezes, a dilatação do colo uterino não se produz o suficientemente rápida ou se estanca.

Um colo uterino anormal, um histórico de cirurgia cervical, um bebê que é muito grande para a pelve da mãe ou o fato de as contrações não serem muito efetivas podem ser algumas das causas.

Porém, isso não significa uma cesárea direta. A equipe médica poderá realizar outras intervenções mais técnicas:

  • A bolsa de água pode perfurar. Esta ação geralmente resulta em contrações mais fortes e um maior apoio da cabeça do bebê no colo uterino.
  • Injeção de oxitocina sintética. Se adicionará à oxitocina natural, um hormônio que gerará contrações uterinas e ajudará a fortalecê-las e torná-las mais frequentes.