Como identificar a alienação parental

Envolver as crianças nos conflitos do casal é uma forma cruel de prejudicar o outro cônjuge. E também é uma forma sorrateira de maltratar os pequenos.
Como identificar a alienação parental

Última atualização: 09 maio, 2022

Quando os pais se separam, é importante identificar a existência de alienação parental. Esse problema surge frequentemente após separações conflituosas e explicaria o fato de os filhos rejeitarem um dos pais.

Essa síndrome não aparece da noite para o dia devido ao divórcio, e sim quando um dos dois cônjuges inclui os menores na disputa. Por exemplo, falar mal do outro ou diretamente, por meio de insultos e desqualificações.

Dessa forma, as crianças aceitam essas crenças como suas e negam influências externas na concepção que têm de seu pai ou mãe. Como consequência, elas rejeitam a possibilidade de passar tempo com o progenitor “alienado”.

A seguir, vamos contar tudo sobre isso para que você possa detectar essa situação a tempo.

O que é a alienação parental?

A síndrome da alienação parental é um termo cunhado pelo psiquiatra Richard Gardner em 1985 e refere-se à rejeição que uma criança sente em relação a um de seus pais, em decorrência da manipulação exercida pelo outro. O objetivo dessa ação é influenciar os pensamentos e as crenças dos pequenos para prejudicar a imagem do cônjuge com quem estão em disputa.

Não podemos esquecer que o cérebro de uma criança é como uma folha de papel em branco, e alguns adultos usam isso a seu favor para semear ódio injustificado em relação ao outro progenitor. Nesse problema, quem realmente é prejudicado é a criança, tanto psicológica quanto fisicamente.

Os conflitos de relacionamento são de responsabilidade exclusiva do casal, não dos filhos. Para eles, ambos são seus pais e nenhum deve prejudicar a imagem do outro. Nesse ponto, é importante diferenciar entre alienação parental e distanciamento.

O distanciamento é uma separação, seja por distância ou por perda, que é realista e consistente com as circunstâncias. Em contraste, a alienação é a separação dos filhos de um dos progenitores, induzida pelas atitudes e comportamentos voluntários do outro progenitor.

Separações e divórcios provocam um estranhamento realista que exige uma reestruturação da dinâmica familiar. Mas a alienação parental vai além disso.

Como identificar a alienação parental

No estudo Reliability and validity of the four-factor model of parental alienation (Confiabilidade e validade do modelo de quatro fatores de alienação parental, em tradução livre), Amy JL Baker quis demonstrar a validade e confiabilidade do modelo de quatro fatores para determinar a presença de alienação parental. Dessa forma, os profissionais poderiam ser ajudados a detectá-la precocemente.
A seguir, mencionaremos as quatro condições fundamentais que definem essa condição.

1. Existência de um relacionamento positivo entre a criança e o progenitor rejeitado antes do conflito conjugal

Esse fator impede que pais ausentes se apresentem como vítimas de alienação parental. Para isso, deve-se provar que antes do início da rejeição o progenitor em questão mantinha um vínculo amoroso e próximo com o filho.

2. Ausência de situações de abuso por parte do progenitor rejeitado

Se não houver histórico de abuso ou má parentalidade da criança pelo progenitor rejeitado, podemos considerar a alienação parental.

Também é importante deixar claro, por razões terapêuticas e legais, que a criança foi exposta a comportamentos e atitudes negativas por parte do progenitor alienador.

3. Persistência de comportamentos alienantes por parte do progenitor beneficiário

O progenitor beneficiário tenta condicionar as crenças e percepções de seu filho sobre o outro progenitor, sem levar em consideração as experiências reais da criança com ele.

Baker identificou alguns dos comportamentos negativos mais usados para alienar o pai rejeitado:

  • Restringir o contato e interferir nas visitas com o outro pai.
  • Criticar o outro pai na frente das crianças.
  • Dizer à criança que você não a ama, pois ela demonstra amor ao progenitor alienado.
  • Rasgar as fotos em que o outro cônjuge aparece.
  • Dizer à criança que o outro pai não a ama.
  • Forçar a criança a escolher entre seus pais.
  • Usar um nome depreciativo para se referir ao outro pai.
  • Pedir à criança para observar o outro adulto.
  • Criar a fantasia na criança de que o outro pai é perigoso.
  • Conversar com a criança sobre algum comportamento desagradável do outro progenitor.
  • Impor à criança a rejeição em relação ao outro progenitor.
  • Dizer à criança para chamar seu padrasto ou madrasta de “pai” ou “mamãe”.
  • Negar o outro genitor nos documentos da criança (informações médicas, acadêmicas, entre outros).

Os adultos afetados podem salvar mensagens, e-mails ou qualquer outro documento que ateste que são vítimas de alienação parental por parte de seu ex-companheiro e apresentá-lo em juízo como meio de prova para sustentar tal informação.

4. Existência de comportamentos e atitudes de alienação e rejeição da criança em relação ao progenitor afetado

As crianças que vivenciam a alienação parental têm comportamentos e atitudes muito diferentes das crianças que estão verdadeiramente afastadas de um dos pais. Alguns desses comportamentos são os seguintes:

  • Difamação do pai objetivo.
  • Uso de frases ou palavras tiradas diretamente da boca do progenitor favorecido.
  • Ausência de remorso pelo tratamento prejudicial do outro progenitor.
  • Uso de razões absurdas e infundadas para rejeitar o pai ou a mãe.
  • Determinação de papéis nos pais como “bons” e “maus”.
  • Negação sobre influências externas para alienar um de seus pais.
Adolescente ignorando o pai na rua
A rejeição de um dos progenitores após o conflito conjugal pode ser consequência da alienação parental.

Sobre a identificação da alienação parental podemos dizer que…

Diante dos conflitos em casais com filhos, é importante identificar a presença da alienação parental. As crianças são as mais afetadas nessa situação e devemos cuidar delas acima de tudo.

Neste artigo, falamos um pouco sobre essa síndrome e como identificá-la precocemente. Da mesma forma, é crucial saber se essa criança sente rejeição porque foi vítima de abuso ou porque seu pai nunca esteve presente. Isso ajudará a traçar as linhas entre as diferentes questões que afetam o bem-estar dos pequenos.

This might interest you...
Síndrome da alienação parental
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Síndrome da alienação parental

Quando a alienação parental acontece, a criança contribui na campanha para desmoralizar o pai ou a mãe, dependendo de quem for objeto da alienação.



  • Segura, C., Gil, M. J., & Sepúlveda, M. A. (2006). El síndrome de alienación parental: una forma de maltrato infantil. Cuadernos de medicina Forense, (43-44), 117-128. En internet: https://journals.copmadrid.org/apj/archivos/102994.pdf
  • Linares, J. L. (2015). Prácticas alienadoras familiares: el “Síndrome de Alienación Parental” reformulado (Vol. 141636). Editorial Gedisa.
  • Baker, A. (2018). Reliability and validity of the four-factor model of parental alienation. Journal of Family Therapy. Disponible en: https://doi.org/10.1111/1467-6427.12253