Como preparar comida caseira para o bebê?

Aprenda algumas receitas caseiras de comida para bebê e outras dicas úteis para ajudá-lo a se ajustar a uma nova dieta que incorpora alimentos sólidos.
Como preparar comida caseira para o bebê?

Última atualização: 28 fevereiro, 2022

Preparar comida de bebê caseira é mais fácil e conveniente do que você pensa. Além de garantir que seu filho coma alimentos saudáveis, você também economizará muito dinheiro em produtos industrializados. O segredo é escolher ingredientes frescos, limpos e saudáveis.

À medida que seu filho começa a comer sólidos, o preparo suas refeições será mais fácil. Basta fazer purê com as mesmas receitas que você prepara para o resto da família.

Dessa forma, você estará ganhando tempo na adaptação do bebê às rotinas partilhadas com os pais e os irmãos.

Algumas receitas fáceis de comida caseira para o bebê

Purê de ervilha

As ervilhas são repletas de vitaminas A, C, ferro e cálcio, e são uma excelente fonte de proteína. Basta cozinhá-las até ficarem macios e amassá-las até ficarem com uma textura cremosa. Certifique-se de coar bem as cascas para que não causem uma sensação desconfortável na boca do bebê.

“A partir dos 6 meses é necessário complementar o leite materno com a adição de outros alimentos, pois esse leite por si só não é mais suficiente para cobrir as necessidades nutricionais do bebê. Além disso, do ponto de vista psicomotor, é o momento em que eles estão prontos aprender a comer alimentos sólidos”
–Ministério da Saúde da Argentina–

Purê de banana

É considerado o “alimento perfeito” na fase inicial da dieta do bebê. As bananas são ricas em potássio e fibras, e também são leves para o estômago, que ainda não amadureceu. Esse aporte de fibra irá ajudar o bebê a aumentar progressivamente a biodiversidade de sua microbiota intestinal, de acordo com um artigo publicado na revista “Alimentary Pharmacology & Therapeutics”.

Evite exagerar nesse alimento para evitar a prisão de ventre. Descasque a banana, esmague-a com um garfo e, para umedecer um pouco, adicione leite materno ou de fórmula.

A comida caseira oferece muitas vantagens para o bebê

Cereal de arroz

O cereal de arroz para bebês é um dos alimentos mais recomendados por não ser alergênico. Também será fácil de digerir e sua textura macia facilita a transição entre dietas líquidas e sólidas.

Para seu preparo, você precisará de três colheres de sopa de arroz integral e uma xícara de água. Primeiro, você deve colocar o arroz cru em um liquidificador ou processador de alimentos até obter um pó fino. Em seguida, misture com a água em um recipiente e leve ao fogo até ferver.

No final do processo, a mistura deve adquirir uma consistência cremosa. Você pode adicionar mais água ou mais arroz, dependendo da idade do bebê.

Purê de abacate

O abacate é considerado uma fonte saudável de gordura que contribui para o desenvolvimento físico e cerebral do bebê. Contém folato, fibra, potássio, vitamina C e ferro.

Para fazer isso, amasse um abacate com um garfo ou em um processador de alimentos e adicione água ou leite materno até que fique perfeito para o seu filho.

Purê de cenoura

A cenoura fornece antioxidantes e vitaminas, especialmente vitamina A. Para preparar esse prato, descasque as cenouras, corte-as em pedaços e cozinhe-as em água ou em caldo de galinha sem sal.

Espere até que estejam lisas e macias, deixe esfriar e amasse. A quantidade de líquido a ser adicionado dependerá da consistência desejada.

Você pode acelerar a transição para dietas sólidas se decidir preparar comida caseira para bebês.

Recomendações para servir e armazenar

  • Ao preparar comida caseira para o bebê, certifique-se sempre de que não esteja mais quente que a temperatura do corpo.
  • Se você for cozinhar comida no micro-ondas, verifique se não há áreas mais quentes do que outras. Para evitar inconvenientes, deixe a comida esfriar um pouco antes de consumi-la ou oferecê-la ao bebê.
  • Coloque no prato apenas pequenas quantidades de comida, o que você achar que o bebê vai consumir. Restos de comida são propensos ao acúmulo de bactérias devido ao contato com a saliva.
  • Evite adicionar adoçantes aos alimentos que você prepara para o seu bebê. Os pequenos não precisam de quantidades adicionais de açúcar. Também não use mel para evitar o aparecimento de bactérias como as que causam o botulismo.
  • Os ingredientes que você não usou ao cozinhar sua receita podem ser congelados e armazenados por alguns dias. Frutas e vegetais podem durar meses se você os armazenar corretamente.
  • Lembre-se de esperar até que o bebê tenha 4 a 6 meses antes de oferecer sólidos. Durante essa fase, aparecem sinais de desenvolvimento fisiológico que indicam que o bebê está pronto para variar sua dieta.
  • Outra opção é deixar seu filho lidar sozinho com alimentos sólidos para que ele se acostume com sua textura e sabor. Essa técnica ajuda a reduzir as rejeições de alimentos no futuro, de acordo com um estudo publicado em 2018.

Alimentação complementar, um passo importante no desenvolvimento

Como você pode ver, as papinhas caseiras são muito fáceis de preparar e mais seguras do que comprar comidas prontas. Dessa forma, você também terá total certeza da qualidade de todos os nutrientes que está fornecendo ao seu bebê.

Lembre-se de oferecer ao seu filho uma grande variedade de alimentos. Uma boa educação alimentar nas fases iniciais da vida reduz a rejeição nas fases posteriores. Além disso, a diversidade em termos de exposição alimentar diminui o risco de desenvolver doenças autoimunes.

Pode interessar a você...
As primeiras refeições do bebê: como incorporar alimentos sólidos em sua dieta?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
As primeiras refeições do bebê: como incorporar alimentos sólidos em sua dieta?

A melhor alimentação durante os primeiros 6 meses de vida é o leite materno. Mas depois dessa idade o bebê fará que serão suas primeiras refeições.



  • Simpson HL., Campbell BJ., Review article: dietary fibre – microbiota interactions. Aliment Pharmacol Ther, 2015. 42 (2): 158-79.
  • Andries Arantes AL., Silva Neves F., Lombelo Campos AA., Pereira Netto M., The baby led weaning method in the context of complementary feeding: a review. Rev Paul Pediatr, 2018. 36 (3): 353-363.