Como reconhecer, tratar e prevenir a mastite

· 29 de agosto de 2018
A mastite é uma inflamação na mama que pode resultar em uma infecção.

A mastite é um problema comum durante a amamentação materna. Ainda que o mais provável é que apareça durante as seis primeiras semanas da amamentação, o certo é que pode surgir inclusive depois de muitos meses de amamentação.

Entre as causas principais da mastite está a obstrução dos canais por onde passa o leite, a contaminação bacteriana de alguma rachadura no mamilo e o congestionamento das glândulas mamárias.

Entre os principais sintomas da mastite encontramos os seguintes:

  • Dor intensa na mama
  • Inflamação e aumento da temperatura da mama
  • Enrijecimento na região do inchaço
  • Febre
  • Sintomas parecidos com os de resfriados e gripes
  • Dor generalizada em todo o corpo
  • Náuseas

Causas da mastite

Uma mastite pode ser o resultado de uma infecção provocada por bactérias e outros micro-organismos que podem entrar no corpo através de rachaduras nos mamilos ou qualquer rachadura na pele. Uma vez que as bactérias conseguem se instalar, podem causar uma infecção.

Outra maneira pela qual a mastite pode se desenvolver é a presença de resíduos de leite das mamas regularmente. Ao não poder sair, o leite acumulado pode causar a mastite. O leite materno pode ficar acumulado nas mamas por diversos motivos. Como por exemplo, quando o bebê não mama adequadamente ou não mama com frequência e tempo suficientes em cada sessão. Ou, ainda, se o bebê tiver sido desmamado muito rápido, entre outras razões.

O congestionamento das mamas e dos canais lácteos obstruídos são outras das preocupações comuns da amamentação que podem provocar mastite.

Além disso, a mastite também pode ser causada por um sutiã inadequado (apertado, com armação, ou que não se ajuste adequadamente), pela realização de exercício extenuante de alto impacto, por estresse, por cansaço e por uma alimentação deficiente.

a mastite

Como tratar a mastite

A mastite deve ser diagnosticada por um médico. Se o diagnóstico confirmar a mastite, o especialista receitará alguns antibióticos que permitam à mãe continuar amamentando seu filho.

Além de antibióticos, é fundamental que a mãe descanse suficientemente e que seja ativa na hora de eliminar o leite acumulado em seus seios. Com antibióticos, descanso e esvaziando os seios, a mãe poderá começar a se sentir melhor após, aproximadamente, 48 horas.

Amamentação e mastite

Ter mastite não implica que não se possa amamentar o bebê. Existem antibióticos perfeitamente compatíveis com a amamentação. Além disso, a sucção ajuda a melhorar o problema, visto que facilita a eliminação do leite acumulado.

É interessante adotar posturas de amamentação que facilitem a saída do leite (por exemplo, aquelas em que a mama fique direcionada para baixo) e massagear o peito enquanto se amamenta.

Em qualquer caso, se por algum motivo não seja possível, o leite deve ser tirado com um extrator e, você deve massagear os seios em intervalos de algumas horas para facilitar a saída e não deixar acumular leite.

Mastite e leite materno

É completamente seguro amamentar quando você está com mastite, posto que a infecção não vai passar para o bebê. Isso ocorre porque o leite materno se altera durante a mastite. Há um aumento nos níveis da lactoferrina e anticorpos. Dessa forma, essas substâncias os protegem enquanto durar a infecção na mãe.

Os níveis de sódio e de cloreto também aumentam, o que pode fazer com que o leite materno tenha um sabor salgado. Alguns bebês não gostam da mudança de sabor do leite, por isso podem evitar mamar no seio afetado pela mastite. Nesse caso, será preciso esvaziar esse peito de forma manual.

a mastite

Como prevenir a mastite

Não se pode prevenir a mastite por completo. Mas existem formas de diminuir o risco de desenvolvê-la. Veja algumas delas:

  • Utilizar uma técnica de amamentação adequada. Posicionando o bebê corretamente será menos provável que cause problemas nos mamilos da mãe.
  • Tentar posturas de amamentação alternativas. Assim, facilita-se o esvaziamento do peito desde todos os ângulos e se reduz o risco de acumulo e obstrução.
  • Mudar os protetores de seios regularmente. Se você usa protetores para os seios, troque-os com frequência para evitar a proliferação de bactérias
  • Não use sutiãs apertados, nem com armação.
  • Desmame seu filho de forma gradual para que a quantidade de leite vá diminuindo de forma natural
  • Cuide de você mesma para estar bem alimentada e hidratada e para evitar o cansaço e o estresse.