Como tratar feridas na boca do bebê?

A dor e o desconforto das feridas bucais podem deixar seu filho muito irritado. Aqui vamos contar por que elas aparecem e como ajudar seu pequeno a se sentir melhor.
Como tratar feridas na boca do bebê?

Última atualização: 23 Novembro, 2021

O desconforto causado pelas feridas na boca do bebê costuma ser um motivo de preocupação para os pais.

Neste artigo, vamos contar o aspecto que elas têm, por que aparecem e o que fazer para ajudar seu filho a se sentir melhor. Não perca!

Como são as feridas na boca do bebê?

As feridas são pequenas lesões inflamatórias que causam machucados dolorosos ou úlceras na boca. Essa situação é bastante comum na infância e seus motivos são diversos.

Quando falamos sobre feridas, estamos na verdade nos referindo a aftas bucais. Devido à semelhança com essas lesões, as infecções virais e fúngicas da boca também são frequentemente chamadas assim.

As aftas aparecem como manchas esbranquiçadas ou amareladas, circundadas por um halo avermelhado. Seu tamanho é variável e podem aparecer isoladas ou em grupos.

Embora estejam localizadas em qualquer parte da mucosa oral, os locais mais comuns são nas bochechas, acima das gengivas ou sob a língua. Um aspecto que as diferencia das lesões virais é que as aftas aparecem nos lábios e no palato mole.

Crianças que apresentam feridas na boca costumam ficar irritadas, apresentar mau hálito, ter dificuldade para comer e até mesmo dormir. Em alguns casos, elas podem ter febre e ficar com as glândulas do pescoço inchadas.

Essas lesões geralmente desaparecem por conta própria em 1 a 2 semanas. Em qualquer caso, é sempre aconselhável consultar um odontopediatra para determinar a causa e receber as devidas indicações.

Criança com feridas na boca

Causas de feridas na boca do bebê

Como já mencionamos, é bastante comum chamar de feridas várias das lesões dolorosas que aparecem na boca do bebê. A seguir, mencionaremos as causas mais comuns que originam esses processos.

Infecções

As infecções virais são as causas mais comuns de aftas na boca do bebê. No entanto, algumas infecções fúngicas e bacterianas também podem provocá-las.

Entre todos os vírus que causam essas lesões, a família dos herpes simplex é a mais comum e pode desencadear as seguintes condições:

  • Herpangina: doença que se manifesta com múltiplas úlceras dolorosas no palato, nos lábios e nas bochechas. Além disso, pode causar febre e muita irritabilidade na criança. É muito contagioso e se resolve sozinho após uma semana.
  • Gengivoestomatite herpética: ao contrário da anterior, essa doença se manifesta por meio de múltiplas vesículas de conteúdo líquido localizadas na mucosa oral. Às vezes, elas se rompem e deixam úlceras com sangue. Estão associadas a febre, glândulas inchadas, dor de garganta e dificuldade para engolir. Normalmente, os pequenos que sofrem com isso ficam irritados, doloridos, rejeitam os alimentos, não descansam bem e choram com frequência.

As infecções por Candida albicans também podem provocar feridas na boca do bebê. Mas, nesse caso, parecem manchas brancas com base eritematosa (vermelha), localizadas nos cantos dos lábios, no palato e na língua.

Traumatismos

Durante a mastigação, a escovação dos dentes ou as brincadeiras, podem ocorrer lesões na mucosa oral, e as feridas resultantes se manifestam como úlceras dolorosas.

Outras causas de feridas na boca do bebê

Muitas vezes, as feridas na boca do bebê aparecem sem causa aparente. Outras vezes, elas podem estar associadas a alguns dos seguintes fatores:

  • Estresse ou ansiedade.
  • Alergias alimentares ou medicamentosas.
  • Doenças sistêmicas.
  • Falta de ferro, vitamina B12 ou ácido fólico.

Descobrir o que causa essas lesões ajuda a resolver o problema subjacente e a melhorar a condição. Além disso, favorece a prevenção de novos episódios no futuro.

Tratamentos para as feridas na boca do bebê

Na maioria dos casos, as aftas desaparecem espontaneamente em 7 a 10 dias. Portanto, os tratamentos curativos geralmente não são necessários.

Em qualquer caso, os sintomas são muito incômodos e interferem em algumas atividades básicas, como comer e descansar. Nessa linha, pode ser necessário o uso de anti-inflamatórios ou analgésicos para aliviar o desconforto da criança. Principalmente quando o quadro é acompanhado de febre.

Caso as lesões sejam causadas por bactérias ou fungos, pode ser necessário recorrer a antibióticos ou antifúngicos. No entanto, isso fica a critério do médico e a criança nunca deve ser automedicada.

Por tudo isso, quando aparecem feridas na boca do bebê, é importante consultar um odontopediatra ou pediatra para detectar a causa e ajudar o pequeno a se sentir melhor.

Como acalmar um bebê com feridas na boca

Como mencionamos, na maioria das vezes as lesões cicatrizam por conta própria. Ainda assim, você pode dar alívio ao seu filho usando as seguintes estratégias:

  • Ofereça uma dieta mole e fria: alimentos apimentados, cítricos, ácidos ou muito quentes agravam a dor. Portanto, é preferível evitá-los. O mesmo acontece com aqueles que exigem muita mastigação. Nesses dias, é aconselhável fazer uma alimentação fria, macia e leve.
  • Garanta hidratação suficiente: a criança pode rejeitar alimentos e ficar sem apetite devido à dor. Ofereça muitos líquidos para prevenir a desidratação. Experimente xícaras ou colheradas se ele rejeitar o mamilo nesses dias.
  • Evite analgésicos tópicos: existem medicamentos de uso local para aliviar o desconforto causado pelas feridas, embora seu uso não seja tão recomendado em crianças. Eles só devem ser usados se recomendados por um profissional de saúde.
  • Use remédios caseiros com cautela: existem alternativas naturais para aliviar a dor, como água salgada, gelo ou bicarbonato de sódio. Em qualquer caso, quando se trata da boca de uma criança, o uso desses produtos deve ser feito com consciência e responsabilidade.
Sorvete de frutas

Quando ir ao medico

Se as feridas na boca do bebê forem numerosas (4 ou 5), durarem mais de 2 semanas ou aparecerem em outras áreas do corpo (como pálpebras ou genitais) é necessário recorrer ao pediatra.

Além disso, também é importante procurar assistência médica quando a criança apresenta febre (acima de 38° C), não bebe líquidos suficientes ou seu estado geral piora.

Acompanhar a criança

O aparecimento de feridas na boca do bebê é uma situação desconfortável para a criança e desesperadora para os adultos. Ter paciência para poder acompanhar o pequeno durante o quadro é fundamental.

Em geral, as lesões se resolvem espontaneamente com o passar dos dias e não apresentam complicações. Buscar ajuda profissional e acompanhar a criança com cuidado responsável e amoroso vai ajudá-la a ficar melhor nesse momento.

Pode interessar a você...
Enxaguante bucal para crianças: tudo o que você precisa saber
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Enxaguante bucal para crianças: tudo o que você precisa saber

O enxaguante bucal para crianças é um complemento para o cuidado da saúde bucal dos pequenos. A seguir, vamos falar sobre os seus benefícios.



  • Alvarez Herrera, B. A. (2019). Prevalencia de lesiones orales de tejidos blandos en niños de 5 a 10 años (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología).
  • Carpio, E. (2010). Tratamiento de la estomatitis a osa recidivante. Piel (Barc., Ed. impr.), 25(8), 463-469.
  • Gutiérrez, R., & Albarrán, R. (2020). Uso de plantas medicinales como terapia coadyuvante en el tratamiento periodontal. Revista Odontología de Los Andes, 15(1), 102-105.
  • Funes, J. A. R. (2010). Remedios caseros para acné, abscesos y aftas. Revista Vinculando.
  • Parent, D., & Vaillant, L. (2008). Aftas, aftosis, enfermedad de Behçet. EMC-Dermatología, 42(2), 1-20.
  • Córdoba, M. B. (2018). Aftas recurrentes en niños y adolescentes. Revista Sociedad de Odontología. La Plata, 19-22.
  • Ybarra, P. M., Homeópata, D. M., & Vitalis, A. F. M. H. ESTOMATITIS y AFTAS: Actualización Clínica y Revisión de Rúbricas Repertoriales.
  • Franco, J. F. (2011). Patología bucal. Pediatría Integral, 15(1), 33.
  • Zurro, A. M., Pérez, J. F. C., & Badia, J. G. (Eds.). (2019). Atención primaria. Problemas de salud en la consulta de medicina de familia. Elsevier Health Sciences.