Complicações na gravidez: técnicas inovadoras

· 8 de fevereiro de 2017

Qualquer gravidez mesmo que se desenvolva normalmente requer atenção médica para acompanhar o processo e garantir um final feliz. Entretanto, em alguns casos podem acontecer complicações que exigem a intervenção de especialistas, os quais, com a ajuda de técnicas inovadoras, ajudam a identificar, corrigir e prevenir problemas.

Há alguns anos, muitos dos procedimentos destinados a avaliar as condições pré-natais nem se quer existiam. Mas, atualmente, há muitos métodos sofisticados que conseguem, inclusive, determinar alguma complicação como, por exemplo, a síndrome de Down, uma anomalia cromossômica.

É absolutamente necessário que as futuras mamães consultem regularmente o médico que escolheram. Apesar dessa recomendação, cada mulher tem o direito de cuidar da sua gravidez do jeito que quiser. Algumas mães acreditam que também podem conseguir bons resultados naturalmente.

Sabe-se que a maioria das gravidezes não exige cuidado médico urgente. Por outro lado, o desenvolvimento de exames pré-natais aumentou e se diversificou em muitos aspectos, os quais são importantes conhecer.

Exames pré-natais para descobrir complicações

Esses exames são procedimentos que os especialistas realizam nas grávidas para saber se há algum problema com a mãe ou o bebê. Eles permitem saber se é preciso realizar algum diagnóstico porque os exames em si não mostram o que está acontecendo. Eles mostram somente se é necessário investigar melhor algum aspecto.

complicacoes2

Você não deve ficar preocupada ao realizar algum exame para detectar problemas, pois eles são feitos regularmente, mesmo quando não existem motivos aparentes. Entretanto, são úteis para identificar prontamente uma possível anormalidade. Os exames servem para detectar problemas na mãe ou no feto, ou ainda para detectar defeitos de nascimento.

Os tipos de exame para a detecção de problemas variam de acordo com a etapa da gestação, alguns são apropriados para o primeiro trimestre de gravidez e outros para o segundo. Os exames são essenciais em casos de ameaça de aborto, presença de alta quantidade de líquido amniótico (ou poli-hidrâmnios) patologias médicas, como a anemia, ou também para identificar defeitos congênitos.

Técnicas inovadoras para identificar complicações

complicacoes3

Como já dissemos, os exames para detecção de problemas na gestação são aconselháveis mesmo quando não há complicações. Eles são de fato muito úteis na descoberta de problemas inesperados, pois em qualquer etapa da gravidez podem existir riscos. Alguns exames podem, também, deixar algumas mães temerosas devido aos procedimentos aplicados.

Neste artigo vamos descrever brevemente em que consistem esses procedimentos e enfatizamos que cada um é livre para decidir se os aprova ou não.

Ecografia ou Ultrassonografia:

É uma técnica bastante comum que serve tanto para detectar problemas como para obter a primeira imagem do seu bebê. Essa técnica ajuda a descobrir o sexo do neném e também permite o primeiro contato com possíveis anomalias, como defeitos no coração ou alterações cromossômicas.

A ecografia de segundo nível é um tipo de exame recomendado para observar mais de perto possíveis defeitos no feto. São indicados para quando os exames de detecção prévios  já indicaram alguma anomalia.

Essa técnica não é invasiva e é aplicada por meio de um aparelho que cria uma imagem através de ondas sonoras. Permite a observação intrauterina sem causar qualquer incômodo ao bebê.

Biópsia das vilosidades coriônicas:

Esse exame inovador é indicado para pacientes nas quais foram identificadas anomalias durante os testes de rotina no primeiro trimestre e também para gravidez de alto risco.

Consiste em analisar uma amostra das vilosidades coriônicas, ou seja, do tecido placentário.

Para obter essa amostra, existem duas formas possíveis: transcervical ou transabdominal. O exame pode ser realizado por meio de uma das duas formas dependendo das características da gravidez. Essa técnica possui alguns riscos que podem deixar as mães receosas, mas ao mesmo tempo pode determinar todas as complicações genéticas e cromossômicas que podem acometer o feto. Inclusive a fibrose cística, a síndrome de Down e a síndrome de Turner.

Exame de sangue:

Mesmo que comum, essa técnica apresenta, dentre suas novidades, o fato de poder determinar diversas alterações cromossômicas ou defeitos gerais por meio da medição de algumas proteínas do sangue da mãe.

A chave desse procedimento está na análise especializada em identificar níveis baixos ou altos da proteína plasmática A e da gonadotrofina coriônica humana. Dependendo dos níveis encontrados, é possível fazer associações com determinados defeitos.

É uma técnica de detecção precoce, não invasiva e simples de realizar. Mas a análise dos resultados exige métodos avançados.

Amniocentese:

Por meio dessa técnica é possível detectar problemas relacionados à alterações cromossômicas e genéticas. Mais concretamente aquelas que originam defeitos congênitos caracterizados por uma abertura no tubo neural.

Esse exame é aplicado de preferência durante o primeiro trimestre e consiste na extração de pequenas quantidades de líquido amniótico. A análise se baseia na medição de proteínas como a alfa fetoproteína e a acetilcolinesterase.

De acordo com os níveis dessas substâncias é possível identificar possíveis complicações como a espinha bífida, a gastrósquise, a anencefalia ou a síndrome de Down.