Consumo de álcool por adolescentes

Embora o consumo de álcool por adolescentes seja um hábito aceito, ele apresenta riscos para o seu desenvolvimento.
Consumo de álcool por adolescentes

Última atualização: 12 Fevereiro, 2021

Você sabia que o álcool é a substância mais consumida pelos adolescentes de 14 a 18 anos? Além disso, eles estão iniciando esse consumo cada vez mais cedo, com a média ficando entre os 12 e os 13 anos. Embora os seus riscos para a saúde sejam conhecidos, o consumo de álcool por adolescentes é normalizado por motivos de lazer e para estabelecer relações sociais.

Inclusive, 30% dos jovens praticam o binge drinkingque consiste em consumir mais de 4-5 doses em um período de 2 horas, de acordo com o Instituto Nacional Americano sobre o Abuso de Álcool e Alcoolismo.

É importante que isso seja levado em consideração, pois isso pode favorecer o desenvolvimento do alcoolismo na vida adulta. Além disso, também pode levar ao coma alcoólico e colocar em risco a sua capacidade respiratória, com risco de morte se não houver ações rápidas.

Mas, primeiramente, é preciso saber que o álcool é um composto solúvel em gordura, cuja absorção ocorre no estômago e no intestino e que é metabolizado no fígado. Ele também atravessa a barreira hematoencefálica e, por isso, os sintomas neurológicos são os mais comuns.

Falta de memória, o efeito a longo prazo do uso de álcool por adolescentes

A adolescência é uma fase em que a função cerebral ainda está em desenvolvimento e, por isso, como o álcool é neurotóxico, ele é desencorajado. O que ele faz é prejudicar a funcionalidade do hipocampo, uma área relacionada à memória e à aprendizagem. Por essa razão, as memórias de curto prazo são perdidas e se torna mais difícil se concentrar, pois o número de neurônios é reduzido.

Além disso, há evidências sobre o papel do álcool no surgimento do Alzheimer, uma vez que é uma substância que atua como um agente inflamatório, promovendo a formação de depósitos da proteína beta-amiloide.

Inclusive, é possível observar uma perda de coordenação e a lentidão nos movimentos enquanto os seus níveis permanecem elevados no sangue.

Como o consumo de álcool afeta o estado de humor?

Outro dos efeitos do álcool é a sensação de euforia produzida pela liberação de endorfinas, ainda que a curto prazo. Além disso, a área do cérebro relacionada ao prazer é ativada, pois a dopamina é secretada. Como consequência, surge a dependência de continuar a consumi-lo, deixando várias sequelas como as que vamos mencionar na próxima seção.

Da mesma forma, foi descoberto que o álcool predispõe ao risco de sofrer de depressão devido ao seu uso abusivo, embora não se saiba qual dos dois distúrbios apareça primeiro.

Como consequência, há um maior risco de suicídio e uma maior irritabilidade, o que prejudica o bom relacionamento social entre familiares e amigos.

As sequelas posteriores do consumo de álcool por adolescentes

Mas nem tudo acaba no momento em que o álcool é consumido, já que, no dia seguinte, aparecem as dores de cabeça e o cansaço. O principal motivo é que demora várias horas para que ele seja eliminado do corpo e é responsável pelo bloqueio da enzima DAO (diamina oxidase).

Essa enzima é responsável pela eliminação da histamina, que facilita a transmissão neuronal, a secreção gástrica e os movimentos intestinais. No entanto, o acúmulo excessivo é prejudicial e causa enxaquecas. Também é responsável por regular o ritmo de sono e, portanto, afeta o descanso.

Ao mesmo tempo, produz desconfortos digestivos, tais como náuseas e vômitos, de forma proporcional à quantidade ingerida, ao tempo e à ingestão simultânea de alimentos. A longo prazo, a parede estomacal fica irritada, o que pode causar úlceras e gastrite.

Esses sintomas mostram a relação com o risco de sofrer de qualquer tipo de câncer digestivo, como, por exemplo, câncer de esôfago, de cólon, de estômago, de faringe e de pâncreas.

Como evitar que isso aconteça?

Em resumo, é preciso lembrar que não existe uma dose segura para o consumo de álcool por adolescentes por causa de todos os riscos já mencionados. É importante conversar com eles e ser um exemplo a ser seguido para que os jovens se conscientizem e deixem de enxergar o álcool como um hábito normal em suas vidas. Embora possa não parecer, é uma droga que gera dependência facilmente e da qual é difícil se livrar.

Além disso, como pais, vocês podem ensinar que os adolescentes podem recusar os convites dos amigos e optar por outras bebidas, sem se importar com o que os outros poderão pensar. Afinal, também existem várias formas de se divertir sem que o álcool esteja presente.

Pode interessar a você...
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Sinais de que o seu filho adolescente está consumindo álcool

Mãe, se você está preocupada, confira quais são alguns dos sinais que podem confirmar se o seu filho adolescente está consumindo álcool.



  • F Garcia, O; Serra, E; Zacares, JJ; Calafat, A; Garcia, F (2020) Alcohol use and abuse and motivations for drinking and non-drinking among Spanish adolescents: do we know enough when we know parenting style? Psychol health, 35(6): 645-64.
  • W. Zeigler, D; C. Wang, C; M.D., A. Yoast, R; D. Dickinson, B; McCaffree, M A; B. Robinowitz, C (2005) The neurocognitive effects of alcohol on adolescents and college students. El Sevier, 40: 23-32.
  • M Silveri, M; D Dager, A; E Cohen-Gilbert, J; T Sneider, J (2016) Neurobiological signatures associated with alcohol and drug use in the human adolescent brain. Neurosci Biobehav Rev, 70: 244-59.
  • Tapia-Rojas, C; G Mira, R; K Torres, A; Jara, C; Pérez, MJ; H Vergara, E et al (2017) Alcohol consumption during adolescence: A link between mitochondrial damage and ethanol brain intoxication. Birth Defects Res, 109(20): 1623-39.
  • Leung, J; Chiu, V; P Connor, J; Peacock, A; B Kelly,A ; Hall, W et al (2019) Alcohol consumption and consequences in adolescents in 68 low and middle-income countries – a multi-country comparison of risks by sex. Drug Alcohol Depend, 205. 
  • PUIGCORBÉ, S., BRUGAL, M. T., TEIXIDÓ-COMPAÑÓ, E. S. T. E. R., BOSQUE-PROUS, M. A. R. I. N. A., ESPELT, A., SORDO, L., … & BARRIO, G. (2019). Individual and contextual factors related to binge drinking among adolescents in Spain: a multilevel approach. Adicciones31(1). https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29353297/
  • Venkataraman, A., Kalk, N., Sewell, G., Ritchie, C. W., & Lingford-Hughes, A. (2017). Alcohol and Alzheimer’s Disease—Does Alcohol Dependence Contribute to Beta-Amyloid Deposition, Neuroinflammation and Neurodegeneration in Alzheimer’s Disease?. Alcohol and Alcoholism52(2), 151-158. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27915236/
  • Deady, M., Mills, K. L., Teesson, M., & Kay-Lambkin, F. (2016). An online intervention for co-occurring depression and problematic alcohol use in young people: primary outcomes from a randomized controlled trial. Journal of medical Internet research18(3), e71. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27009465/
  • Manzotti, G., Breda, D., Di Gioacchino, M., & Burastero, S. E. (2016). Serum diamine oxidase activity in patients with histamine intolerance. International journal of immunopathology and pharmacology29(1), 105-111. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26574488/