Crianças de 12 a 14 anos: mudanças e evolução nesta fase do desenvolvimento

Entre os 12 e os 14 anos, ocorrem importantes transformações físicas, emocionais e sociais. Entender o que acontece com seus filhos ajudará você a acompanhá-los da melhor maneira.
Crianças de 12 a 14 anos: mudanças e evolução nesta fase do desenvolvimento

Última atualização: 19 maio, 2022

Todos nós temos noções básicas sobre o que a adolescência implica e as mudanças que ela acarreta. No entanto, é um estágio longo que nem sempre funciona da mesma forma. Crianças entre 12 e 14 anos estão passando pelo início da adolescência, que é um período de enormes mudanças e transformações.

Essa fase começa com a puberdade ou o período de amadurecimento sexual. Dessa forma, os pequenos encontram-se num limbo entre a infância e a juventude. Isso dificulta que eles encontrem seu lugar e lidem com sua evolução física e mental da melhor forma.

Também não é fácil para os pais viverem esse processo com seus filhos e, por isso, hoje vamos oferecer algumas informações e conselhos relevantes a esse respeito. Não deixe de ler!

Principais alterações em crianças de 12 a 14 anos

A evolução que ocorre na adolescência acontece em múltiplos planos, mas nem sempre coincidem no tempo. Portanto, é possível ver uma criança com um corpo maduro, mas com um comportamento ainda infantil. Ou, pelo contrário, crianças muito maduras mentalmente, mas com um desenvolvimento físico atrasado em relação aos seus pares.

De qualquer forma, essas são as principais mudanças que meninos e meninas enfrentam nessa fase. Confira!

Mudanças físicas

As mudanças físicas decorrentes do amadurecimento sexual são as mais evidentes. Tanto em meninos quanto em meninas,ocorre o chamado estirão da puberdade. Isso implica um crescimento em tamanho e peso, que acompanha o desenvolvimento das seguintes características sexuais secundárias:

  • Nas meninas, o bico do seio aparece e o tamanho dos seios e dos quadris aumenta. Mais tarde, ocorre a primeira menstruação.
  • Nos meninos, o tamanho do escroto e dos testículos aumenta, a massa muscular e a força aumentam e as poluções noturnas ocorrem.

Por outro lado, em ambos os sexos ocorre o crescimento de pelos corporais, principalmente nas pernas, nas axilas e no púbis. No caso dos homens, também no peito e no rosto. Além disso, a pele fica mais oleosa e a temida acne juvenil pode aparecer.

Todas essas mudanças são mediadas por processos hormonais, liderados pelo hormônio do crescimento, andrógenos (nos meninos), estrogênios e progesterona (nas meninas).

Adolescente com marcas de acne juvenis.
As alterações no cabelo e na pele são uma das mais perceptíveis nessa fase. E são de especial importância, pois o aspecto físico ganha especial relevância para os adolescentes.

Mudanças cognitivas

As crianças de 12 a 14 anos já se encontram no último estágio do desenvolvimento cognitivo proposto por Jean Piaget: o das operações formais.

A essa altura, elas já são capazes de fazer uso da lógica e da abstração, fazer raciocínios complexos e estabelecer filosofias morais. Além disso, podem traçar um pensamento crítico que as leve a questionar o que está estabelecido e criar sua própria escala de valores.

No entanto, essas habilidades ainda estão em desenvolvimento e não serão totalmente dominadas pelas crianças até o final da adolescência.

Finalmente, é importante notar que durante o início da adolescência o cérebro também continua a se desenvolver. Especificamente, certas regiões, como o córtex pré-frontal, não terminaram de amadurecer, o que se traduz em impulsividade e tendência a correr riscos.

Mudanças emocionais

Se seu filho está no início da adolescência, com certeza você concordará que essa é uma das mudanças mais perceptíveis da fase.

Nessa idade, os eventos são vivenciados com intensidade incomum. Há uma grande labilidade emocional que pode levar os pré-adolescentes da euforia à tristeza sem motivo aparente, e é comum que surjam sentimentos de incompreensão.

O ambiente próximo também pode notar que o jovem costuma estar mais irritável e que tende a se isolar em algumas ocasiões. Essas reações emocionais estão ligadas a alterações hormonais relacionadas à idade e podem ser difíceis de entender, mesmo para a própria criança.

Mudanças sociais

Como se sabe, no início da adolescência o grupo de pares torna-se um refúgio e um ponto de referência. Crianças entre 12 e 14 anos exigem cada vez mais independência e procuram se separar relativamente da família para se conectar com seus pares.

Elas tentarão se encaixar no grupo social, compartilhar códigos e rituais e, finalmente, pertencer. Às vezes, isso pode causar algum estresse e sofrimento e também as levará a tomar más decisões se as emoções não forem gerenciadas adequadamente.

Alguns conselhos para pais de crianças de 12 a 14 anos

Como pais temos que passar por esses processos com nossos filhos e é normal que às vezes não saibamos como agir, vale a pena levar em consideração as seguintes recomendações para melhor acompanhá-los.

Cuide do seu estilo de vida

O estilo de vida de cada pessoa começa a tomar forma na infância, mas se consolida na adolescência.

Agora não podemos mais controlar totalmente o que nossos filhos comem, quanto dormem ou o que fazem durante o dia. Portanto, é fundamental que eles entendam o valor dos bons hábitos e que decidam implementá-los por vontade própria e não por obediência.

É especialmente necessário cuidar das horas de sono, pois a tendência dos adolescentes é ficar acordado até tarde e isso pode levar a privações significativas.

Além disso, a alimentação e a prática de exercícios físicos devem ser vistos como formas de autocuidado e materialização da autoestima. Não como forma de se enquadrar no ideal de beleza estabelecido pelo ambiente, pois isso pode levar a transtornos alimentares.

adolescente acordado de madrugada com telefone
A tendência de ficar acordado até tarde, típica da adolescência, é potencializada pelo uso indevido das telas. Por isso, é fundamental que você intervenha a favor de bons hábitos de higiene e saúde.

Abrace seu crescimento

Para muitas mães e pais é difícil ver como, de um dia para o outro, seus filhos de 12 a 14 anos se transformaram e agora são jovens rabugentos e independentes. É importante não levar seu comportamento para o lado pessoal e fazer um bom trabalho interior para poder acompanhá-los com amor e calma.

Além disso, é preciso oferecer progressivamente a autonomia que as crianças demandam, pois elas estão em um momento evolutivo de construção de sua identidade e consolidação de vínculos com seus pares.

Não deixe de marcar os limites

Por último, não se esqueça de que os adolescentes ainda precisam de limites. Por mais que se oponham a eles, os limites fornecem a orientação, a segurança e a consistência necessárias para voar para longe do ninho.

Obviamente, esses limites devem ser flexíveis e adaptados à idade e maturidade do jovem, mas devem estar presentes em todos os momentos. Respeito, responsabilidade e sinceridade podem ser as máximas que se pedem ao adolescente de casa.

Recomendações finais

Em suma, as crianças entre 12 e 14 anos estão passando por uma das fases mais complicadas do desenvolvimento humano. E, pela mesma razão, pais e filhos precisam estar cientes do que está acontecendo e para entenderem a situação.

Conversar com as crianças sobre as mudanças físicas e emocionais, o que elas podem esperar e as melhores formas de gerenciar essas transformações é uma tarefa muito importante. Essas conversas podem ser estranhas no início, mas é fundamental não adiá-las ou evitá-las.

Fornecer às crianças boas ferramentas no momento certo fará a diferença em suas vidas.

Pode interessar a você...
Como abordar a educação sexual com pré-adolescentes
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Como abordar a educação sexual com pré-adolescentes

Vamos te ajudar a abordar a educação sexual com pré-adolescentes, para que eles aprendam, de uma maneira saudável, que o sexo faz parte da vida.



  • Águila Calero, G., Díaz Quiñones, J., & Díaz Martínez, P. (2017). Adolescencia temprana y parentalidad. Fundamentos teóricos y metodológicos acerca de esta etapa y su manejo. MediSur, 15(5), 694-700.
  • Picó, A. M. (1991). Factores que controlan el aumento de crecimiento durante el estirón puberal (Doctoral dissertation, Universitat d’Alacant-Universidad de Alicante).
  • Triskier, F. J. (2006). Algunas especulaciones respecto a las modificaciones neurobiológicas durante la adolescencia. VERTEX, Revista Argentina de Psiquiatría, 17(70), 424. http://www.editorialpolemos.com.ar/docs/vertex/vertex70.pdf#page=25