Crianças hiperativas: como e quando o TDAH é detectado

· 7 de maio de 2018
A hiperatividade é um distúrbio de comportamento das crianças. As crianças hiperativas desenvolvem uma intensa atividade motora, o que faz com que se mexam continuamente sem motivo. Isso faz com que se movimentem rapidamente para executar uma tarefa, mas que muitas vezes a deixem inacabada porque preferem fazer outra coisa, para também a abandonar mais tarde.

Quando as crianças estão junto com outras pessoas, a hiperatividade aumenta, especialmente com aquelas que não têm um relacionamento frequente ou não conhecem. Quando estão sozinhas, pelo contrário, esse comportamento diminui.

Geralmente, junto com a hiperatividade, elas desenvolvem problemas para se concentrar e prestar atenção, conhecido como Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Não é um distúrbio simples de diagnosticar, mas podemos estudar as atitudes da criança e determinar se devemos realizar o diagnóstico.

Como as crianças hiperativas agem

Uma das características mais marcantes das crianças hiperativas é a dificuldade que apresentam para conseguir se concentrar e focar sua atenção. A seguir apresentamos algumas das principais atitudes que uma criança hiperativa pode ter:

  • São especialmente problemáticas, destrutivas, insensíveis às punições, inquietas e nervosas.
  • Difíceis de educar.
  • São impulsivas e desobedientes.
  • Têm um limite baixo para tolerar frustrações.
  • Permanecem inquietas em qualquer atividade que realizam.
  • Apresentam dificuldades para se concentrar.
  • Presença de comportamentos interruptivos.
  • Impulsividade cognitiva

Causas da hiperatividade

A hiperatividade infantil é muito mais comum do que parece. De acordo com alguns estudos, afeta 3 por cento das crianças com menos de 7 anos e é mais comum em meninos do que em meninas.

Em 1914, foi determinado que as causas se devem a uma disfunção cerebral mínima, uma encefalite letárgica, pela qual a área do comportamento é afetada, por isso ocorrem a consequente hipercinesia compensatória, a explosividade na atividade voluntária, a impulsividade orgânica e a incapacidade de ficar parado.

Então, em 1937, foram descobertos os efeitos terapêuticos das anfetaminas em crianças hiperativas, e com base na teoria de 1914, foram administrados medicamentos estimulantes do cérebro, como a benzedrina, sendo observada uma notável melhora nos pacientes.

Indicadores de hiperatividade de acordo com a idade

À medida que a criança cresce, ela desenvolve diferentes tipos de comportamento que a tornam uma criança hiperativa. Esse comportamento é muito simples de reconhecer porque suas ações são muito evidentes. Mas devemos levar em consideração esses sinais desde cedo para determinar se a criança sofre de hiperatividade.

De 0 a 2 anos

Apresentam descargas clônicas durante o sono e problemas para manter o ritmo ao se alimentar. Têm períodos de sono curtos e muitas vezes acordam assustadas. Também mostram resistência aos cuidados habituais, alta reatividade aos estímulos auditivos e irritabilidade.

De 2 a 3 anos

Falta de maturidade na linguagem expressiva, atividade motora excessiva, baixa consciência do perigo e propensão a sofrer vários acidentes porque não reconhecem quando algo é realmente perigoso.

De 4 a 5 anos

Apresentam grandes dificuldades para se relacionar com outras crianças, desobediência e incapacidade de seguir as regras. É difícil fazer com que prestem atenção às observações dos adultos sobre seu comportamento.

A partir dos 6 anos

Algumas das características das crianças hiperativas a partir dos 6 anos é que elas são impulsivas, têm notas ruins na escola, o déficit de atenção se torna mais evidente e as dificuldades para estabelecer relações sociais aumentam.

Sintomas de uma criança com TDAH

Quando a criança também apresenta déficit de atenção e impulsividade, acompanhados de sua hiperatividade, estamos falando diretamente de um Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), que deve ser determinado com uma avaliação médica. Como mencionamos anteriormente, os três principais sinais que a criança com TDAH deve apresentar são:

  • Falta de atenção.
  • Hiperatividade.
  • Impulsividade.

Nem tudo que parece é TDAH

Alguns comportamentos das crianças podem ser muito parecidos com este transtorno, mas isso não significa que sofram desse distúrbio. Na infância, as crianças podem ser inquietas, apresentar problemas para se concentrar e impulsividade. No entanto, estes são comportamentos normais, desde que não excedam certos limites.

Para que se possa considerar um possível diagnóstico de TDAH, devem ser cumpridos os seguintes critérios pelo DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, quinta edição):

  1. A criança manifesta esses comportamentos de forma excessiva em comparação com outras crianças.
  2. Aparece antes dos 12 anos.
  3. Afeta a criança na escola, em seu ambiente familiar e no âmbito social.
  4. Prejudica sua qualidade de vida.
  5. Não é causado por um problema médico, tóxico ou outro problema psiquiátrico.

Tratamento

Os tratamentos farmacológicos mais utilizados são os estimulantes que ajudam a criança a se concentrar melhor e os calmantes caso a criança apresente traços psicóticos. Por sua parte, o tratamento psicoterapêutico está destinado a melhorar o ambiente familiar e escolar, ajudando a criança a ter uma melhor integração.

Por fim, o tratamento cognitivo se baseia na abordagem da realização de tarefas, situações em que a criança planeja suas ações e melhora sua linguagem interna.

Se em algum momento você notar algumas dessas características em seu filho, é importante fazer um acompanhamento para que se possa determinar se ele sofre de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) ou se simplesmente é uma hiperatividade normal da infância.

Analisar o comportamento do seu filho será vital para identificar qualquer comportamento que não seja normal.