Crise conjugal com a chegada do bebê

14 de outubro de 2019
Com a chegada de um filho, os casais enfrentam uma grande mudança à qual precisam saber como se adaptar. Vamos compartilhar algumas dicas para superar uma crise conjugal após a chegada de um filho.

Sem dúvida, ter um filho muda tudo. O nascimento de um filho envolve muitas mudanças e adaptações na vida dos pais. Por isso, é comum que aconteça uma crise conjugal com a chegada do bebê.

Já foi demonstrado que, diante da chegada de um filho, principalmente do primogênito, muitos casais ficam desestabilizados. O primeiro ano da vida do bebê é um verdadeiro desafio para a solidez do vínculo conjugal, mesmo para os casais que desejaram e lutaram para ter um filho durante bastante tempo.

Por que a crise conjugal pode ocorrer com a chegada do bebê?

De casal para pais

Uma das principais causas das crises conjugais após o nascimento de um filho é o fato de que ele se torna o centro de tudo. A atenção e o tempo de ambos os pais se tornam quase exclusivamente dedicados aos cuidados com o bebê, e eles não prestam mais tanta atenção um ao outro.

As horas compartilhadas anteriormente para conversar, rir ou ter momentos de intimidade agora ficam sobrecarregadas pelas necessidades da criança e pelas tarefas domésticas.

O casal, quase irremediavelmente, começa a viver no piloto automático para cumprir com as suas novas responsabilidades. A vida conjugal e a manutenção desse vínculo ficam em segundo plano, e parece que o romantismo nunca mais voltará.

Crise conjugal

Período crítico

A chegada de um novo integrante à família pode representar, sem dúvida, um período crítico que requer uma completa reorganização da vida e das rotinas. Diante dessa grande mudança, os pais precisam enfrentar novas despesas, dúvidas, decisões a serem tomadas em conjunto etc.

Cansaço, irritabilidade, a sensação de estar sobrecarregado… Tudo isso pode nos levar a não perceber as coisas claramente e a exagerar as situações. É possível que, sem perceber, nos encontremos agindo na defensiva, exigindo e cobrando o nosso parceiro incessantemente. Percebendo-o como um inimigo, em vez de um aliado.

Baby blues

Durante o primeiro mês de vida do bebê, aproximadamente, é muito comum que a mãe enfrente um estado emocional alterado. Devido a fatores tanto físicos quanto psicológicos, 80% das mães passam pelo chamado baby blues.

Essa síndrome frequente é caracterizada por uma grande sensação de vulnerabilidade, tristeza, angústia e mudanças de humor. Não requer tratamento especializado, mas é necessária uma grande dose de compreensão e de apoio por parte do parceiro.

As emoções à flor da pele podem levar a nova mamãe a interpretar determinadas ações ou palavras de seu parceiro de uma forma incorreta, e ele deve ter a capacidade de se colocar no lugar dela e de acompanhá-la durante essa montanha-russa emocional.

Relações íntimas

A paixão também sofre durante esse período. Assim, ambas as partes do casal podem experimentar uma diminuição do apetite sexual, além da falta de tempo livre e de descanso para ficar com o parceiro. Se isso não for discutido e compartilhado, o ressentimento e os danos à autoestima podem prejudicar o relacionamento.

a Crise conjugal

Dicas para superar uma crise conjugal com a chegada do bebê

  • Aceite que a situação mudou e que será assim durante algum tempo. É necessário que você saiba que está diante de uma fase complicada, mas temporária. A partir do quarto mês, tudo vai melhorar: a mãe recupera a saúde, o pai se sente mais envolvido e os horários do bebê se tornam mais regulares.
  • Seja empático com o seu parceiro. Quando houver algum desentendimento, lembre-se de que é o cansaço que está falando por vocês. Tente entender que também está sendo difícil para o seu parceiro e que, acima de tudo, vocês são um time. Não desrespeitem um ao outro em nenhuma circunstância.
  • Deixe o pai se envolver e criar o próprio vínculo com o bebê. Às vezes, delegar é complicado, mas também será muito benéfico para todos se ambos cuidarem da criança. Dessa forma, você poderá descansar e o pai não se sentirá um estranho diante da própria família.
  • Comuniquem-se, compartilhando medos e sentimentos. Sentem-se juntos para encontrar soluções quando surgir um conflito. E, acima de tudo, lembre-se de que fazer as pazes não significa que você não tem razão, mas sim que valoriza o seu parceiro. 
  • Romero-Gutiérrez, G., Dueñas-de la Rosa, E. M., Regalado-Cedillo, C. A., & Ponce-Ponce de León, A. L. (2010). Prevalencia de tristeza materna y sus factores asociados. Ginecol Obstet Mex78(1), 53-57.
  • Oiberman, A. (1994). La relacion padre-bebe: una revision bibliográfica. Revista Hospital Materno Infantil Ramón Sardá13(2), 66-72.