Desenvolvimento emocional dos 6 meses ao primeiro ano de vida

O desenvolvimento emocional é fundamental para o crescimento saudável dos bebês. Você quer saber como é a evolução dos 6 meses ao primeiro ano de vida? Descubra a seguir!
Desenvolvimento emocional dos 6 meses ao primeiro ano de vida

Última atualização: 31 Janeiro, 2021

O desenvolvimento emocional começa no momento em que os bebês nascem e evolui progressivamente conforme eles vão crescendo e interagindo com o mundo. Assim, os primeiros laços afetivos que as crianças estabelecem vão determinar a forma como elas expressam e interpretam as suas próprias emoções e as dos outros.

Durante os primeiros meses de vida, os bebês são capazes de expressar emoções básicas, tais como prazer e desprazer. A partir dos 6 meses de idade, eles começam a sentir emoções cada vez mais complexas e é aí que podem ser percebidas as mudanças mais significativas no seu desenvolvimento emocional.

A seguir, vamos falar sobre as diferentes fases pelas quais os bebês passam dos 6 meses ao primeiro ano de vida.

“Todas as nossas vidas começam com o afeto humano como primeiro suporte. As crianças que crescem com afeto sorriem mais e são mais gentis. Geralmente, elas são mais equilibradas”.

– Dalai Lama –

Desenvolvimento emocional

Desenvolvimento emocional dos 6 meses ao primeiro ano de vida

É preciso ter em mente que cada criança é diferente das outras e evolui no seu próprio ritmo. Contudo, quando falamos em desenvolvimento emocional, é possível mencionar as diversas fases pelas quais as crianças costumam passar em determinadas idades.

Ao longo das linhas a seguir, vamos descrever cada um dos estágios emocionais pelos quais os bebês passam dos 6 aos 12 meses.

Desenvolvimento emocional dos 6 aos 7 meses

Entre os 6 e os 7 meses, os bebês começam a formar o sistema de apego e mostram preferência por pessoas familiares, principalmente pelos cuidadores principais, e rejeição por aquelas que são consideradas estranhas.

É então que começam a reagir com medo, tensão e ansiedade diante do desconhecido ou em situações em que passam algum tempo longe de suas figuras de apego (mães, pais etc.).

Dos 8 aos 10 meses

A partir dos 8 meses, aproximadamente, as crianças apresentam uma clara intenção comunicativa. Elas precisam se relacionar com as outras pessoas e se sentir parte do mundo social ao seu redor.

Isso faz com que desenvolvam a capacidade de identificar, interpretar e responder às expressões e emoções dos outros, especialmente de suas figuras de referência, de forma que regulam suas reações e seus comportamentos a partir do que essas figuras transmitem em determinadas situações.

Além disso, entre os 9 e os 10 meses, já são capazes de expressar alegria, repulsa, ira e raiva com facilidade.

Dos 10 aos 12 meses

Dos 10 aos 12 meses de vida é possível observar como os pequenos regulam e expressam melhor os seus sentimentos. Os bebês se tornam mais conscientes das suas emoções que são manifestadas por meio de gestos, atitudes, contato visual e diferentes tons de voz.

Inclusive, no final do primeiro ano, algumas crianças já são capazes de expressar em palavras alguns dos estados emocionais que vivenciam.

Assim, os bebês conseguem chamar a atenção do seu entorno e estabelecer relações comunicativas e afetivas mais ricas e intensas com as pessoas que o compõem.

Sobre o desenvolvimento emocional dos bebês

Desde o nascimento, os bebês têm a necessidade de criar laços afetivos lhes permitam explorar o entorno físico e social de uma forma segura. Isso contribui para que desenvolvam, plenamente e de forma gradual, a sua inteligência emocional.

Desenvolvimento emocional

Assim, conforme afirma o psicólogo, jornalista e escritor americano Daniel Goleman:

“A inteligência emocional começa a se desenvolver nos primeiros anos. Todas as trocas que as crianças pequenas têm com os pais, professores e outras pessoas carregam mensagens emocionais”.

Portanto, mães, pais ou outros adultos que atuam como cuidadores principais dos bebês devem se esforçar para estabelecer com eles uma comunicação enriquecedora e estimulante que ocorra em um clima onde seja promovido o amor e o respeito mútuo.

Dessa forma, a criança pode adquirir habilidades emocionais com mais facilidade, enfrentar as diversas situações sociais adequadamente, construir a sua identidade, cultivar uma autoestima positiva e desenvolver a segurança e a confiança em si mesma, tornando-se cada vez mais autônoma e independente.

Em suma, trabalhar as emoções desde os primeiros meses de vida é muito importante para o desenvolvimento integral e equilibrado dos bebês.

Pode interessar a você...
Como o sono dos bebês evolui?
Sou MamãeLeia em Sou Mamãe
Como o sono dos bebês evolui?

O sono dos bebês é evolutivo e muda conforme eles vão crescendo. Um recém-nascido não dorme a mesma quantidade de horas que uma criança de 6 anos.



  • Enesco, I. (Coord.) (2003). El desarrollo del bebé. Cognición, emoción y afectividad. Madrid: Alianza.
  • Ibarrola, B. (2014). La educación emocional en la etapa 0-3. 21 Jornada de la Crianza como base de la salud mental.