Dicas psicológicas para ajudar as crianças a comer bem

28 de novembro de 2019
A preocupação excessiva com a alimentação dos nossos filhos pode ser contraproducente. A refeição deve ser um momento agradável para a família, não um campo de batalha focado no mau comportamento da criança.

A alimentação dos filhos é uma das principais preocupações de todos os pais. Mas, às vezes, na ânsia de ajudar as crianças a comer bem, os adultos cometem alguns erros que podem produzir o efeito contrário do desejado.

Às vezes, surgem problemas por causa do desconhecimento e da preocupação excessiva. Como pais, todos gostaríamos que os nossos filhos comessem de tudo, sem esforço. No entanto, é comum que as crianças se recusem a experimentar certos alimentos ou não comam a quantidade que os pais consideram necessária.

Na maioria das vezes, as dificuldades com a alimentação surgem entre o primeiro e o terceiro ano de vida. Devemos ter em mente que, nessa fase, o estômago das crianças tem uma capacidade reduzida. Portanto, não podemos pretender que elas consumam uma quantidade semelhante à de um adulto.

É a partir dos ​​cinco anos de idade que o gasto energético e as necessidades alimentares aumentam. Além disso, é preciso lembrar que a alimentação é um hábito adquirido e ensinado.

Isso requer um tempo de adaptação e, por isso, temos que ser pacientes, já que as texturas, os cheiros e os sabores dos alimentos são uma grande novidade para os pequenos.

Apesar disso, existem algumas estratégias que podemos implementar para ajudar as crianças a comer bem.

Como os pais devem agir para ajudar as crianças a comer bem?

  • Não faça com que a criança perceba a comida como algo indesejável. Se você insistir demais em um alimento específico, isso fará com que ela suspeite que ele não seja tão gostoso quanto você diz.
    • Também não ofereça uma recompensa em troca de experimentar determinado alimento. Dessa forma, você estaria confirmando antecipadamente que ele não é gostoso por si mesmo.
Chaves psicológicas para ajudar as crianças a comer bem

A refeição deve ser um momento agradável para a família, não um campo de batalha.

  • Concentre-se nos comportamentos positivos, reforçando positivamente quando a criança come bem e ignorando os seus comportamentos negativos. Diante da falta de atenção, ela vai parar de repeti-los.
  • Não pressione, mas também não ceda. Queremos que a criança veja o ato de se alimentar como algo natural e agradável. Ofereça a comida e, após um tempo razoável, retire-a. Não pressione nem brigue para que ela coma, mas também não ceda preparando algo de que ela goste mais.
  • Leve a sua opinião em consideração, deixando que ela decida de quais vegetais mais gosta. Também deixe que ela escolha um alimento específico que pode deixar de comer.

Hora de comer

Tempo prudente

As refeições devem durar entre 20 e 40 minutos. Um tempo mais curto pode levar a criança a comer muito rapidamente, dificultando, assim, a digestão e produzindo sensações desagradáveis.

Por outro lado, um período mais longo implicaria uma interrupção do dia a dia da criança e, certamente, geraria discussões diante do desespero dos pais pela demora.

Assim, uma vez passados os 40 minutos, se a criança não tiver terminado, basta simplesmente retirar o prato e aguardar a próxima refeição. Não devemos oferecer outros alimentos ou guloseimas, pois estamos tentando estabelecer o hábito de comer na hora certa.

Refeição em família

O momento da refeição deve ser um evento agradável e tranquilo. A criança não deve ser observada ou criticada pela sua maneira de comer. Ou seja, não devemos fazer disso o centro das atenções. Conversar descontraidamente com a família enquanto apreciamos os alimentos é uma opção muito melhor.

ajudar as crianças a comer bem

Também é importante oferecer a mesma comida servida para os demais. Isto é, todos devem comer o que estiver na mesa. Dessa forma, a criança terá a oportunidade de observar as expressões dos outros em relação à comida e de comentar as suas próprias sensações.

A atitude em relação à comida sempre será mais positiva se for percebida como um momento compartilhado do que se o pai ou a mãe se sentar apenas para dar de comer à criança.

Como oferecer alimentos novos para ajudar as crianças a comer bem?

  1. Escolha um momento do dia em que a criança esteja calma, feliz e com fome. Isso vai aumentar a sua disposição em relação aos novos alimentos.
  2. Ofereça uma pequena porção do alimento novo, acompanhado de outros alimentos que ela já conheça.
  3. autonomia para que ela explore o alimento com as próprias mãos e então decida a quantidade que será levada à boca. Se ela for mais velha, faça com que experimente com o próprio garfo e no seu próprio ritmo. Permitir isso aumenta as chances de que a criança aceite o alimento de boa vontade.
  • Moreno Villares, J. M., Galiano Segovia, M. J., & Dalmau Serra, J. (2013). Alimentación complementaria dirigida por el bebé («baby-led weaning»).¿ Es una aproximación válida a la introducción de nuevos alimentos en el lactante?. Acta Pediátrica Española71(4).
  • Brizuela, D. N., Márquez, J. C., Cavada, I. C., & Santiago, R. (2013). Alimentación complementaria en niños sanos de 6 a 24 meses. Archivos venezolanos de puericultura y pediatría76(3), 128-135.