Diferenças entre reforço positivo e negativo

08 Janeiro, 2020
O reforço é uma técnica de modificação do comportamento muito útil e eficaz, especialmente quando usada para educar as crianças. Neste artigo, vamos explicar como colocá-la em prática e quais são as diferenças entre reforço positivo e negativo.

O reforço é um bom método educacional para corrigir o comportamento das crianças. Como o próprio nome indica, essa técnica se concentra em reforçar, de alguma forma, os comportamentos desejáveis, ​​para incentivar que eles aconteçam com frequência. Assim, ao mesmo tempo, o aparecimento de comportamentos inadequados será evitado. Mas, para aplicar esse recurso psicopedagógico corretamente, é necessário conhecer as diferenças entre reforço positivo e negativo.

Essa técnica de modificação do comportamento é baseada na teoria do condicionamento operante, criada pelo psicólogo Burrhus Frederic Skinner.

Assim, de acordo com esse autor, o comportamento é determinado pelas consequências obtidas com tais atos, de modo que os comportamentos seguidos de uma recompensa tendem a se repetir e os que fornecem resultados prejudiciais não se repetem.

Diferenças entre reforço positivo e negativo

A aprendizagem associativa é um processo que consiste em criar relações de causa e efeito entre comportamentos e estímulos, o que é muito útil para mudar os comportamentos das crianças e intervir com elas.

Uma maneira de implementar esse tipo de aprendizado é por meio do reforço positivo ou negativo. A seguir, vamos explicar as diferenças entre esses dois tipos de reforço.

Diferenças entre reforço positivo e negativo

Reforço positivo

O reforço positivo consiste em apresentar um estímulo agradável imediatamente após a realização de um bom comportamentoOu seja, quando a criança se comporta bem ou tem um comportamento desejado, é conveniente recompensá-la ou premiá-la para aumentar a probabilidade de que tal ato seja repetido no futuro. 

Assim, alguns estímulos que geralmente são usados ​​como reforços positivos são:

  • Elogios.
  • Abraços.
  • Beijos.
  • Carícias.
  • Demonstrações de atenção.
  • Adesivos.
  • Selos.
  • Obtenção de certos privilégios.
  • Reconhecimento e a boa avaliação.
  • Comidas.
  • Passeios, viagens ou atividades especiais.
  • Obtenção de pontos para ganhar um prêmio físico, como um brinquedo, por exemplo.

“A maneira como o reforço positivo é feito é mais importante do que a quantidade.”

-Skinner-

Reforço negativo

Por outro lado, o reforço negativo consiste em remover um estímulo desagradável para aumentar a frequência de ocorrência de um comportamento desejado. Portanto, assim como no caso anterior, o reforço deve ser aplicado imediatamente, logo após a criança agir corretamente.

Alguns estímulos aversivos que geralmente são usados ​​como reforçadores negativos, por meio da sua retirada ou eliminação, são:

  • Luzes brilhantes.
  • Barulhos altos.
  • Críticas
  • Punições.
  • Censuras. 

Benefícios do uso do reforço positivo e negativo

Tanto o reforço positivo quanto o negativo são muito eficazes e benéficos para o desenvolvimento da criança, uma vez que esse método educacional se concentra em estimular e aprimorar os bons hábitos, sem a necessidade de penalizar e punir os maus comportamentos.

Diferenças entre reforço positivo e negativo

Ou seja, graças ao fato de reforçar os comportamentos desejáveis, o aparecimento de comportamentos indesejáveis ​​é evitado. Assim, os pequenos aprendem que, por meio do bom comportamento, é possível alcançar certa satisfação pessoal.

Além disso, o uso de reforço também implica os seguintes benefícios para a criança:

  • Aumenta a motivação para fazer o que é certo. 
  • Melhora a autoestima e o autoconceito.
  • Promove uma comunicação positiva.
  • Estimula o estabelecimento de relações sociais saudáveis ​​e equilibradas.
  • Promove a receptividade. 
  • Incentiva a importância do esforço.

Mas, para que isso aconteça, é preciso ter em mente que, ao aplicar um reforço, tanto positivo quanto negativo, é fundamental explicar o motivo da recompensa.

Ou seja, é necessário que a criança entenda qual foi o comportamento que lhe permitiu obter uma consequência agradável. Dessa maneira, ela vai compreender e assimilar a relação de causa e efeito que ocorre em uma determinada situação.

“O que as pessoas sentem é tão importante quanto o que elas fazem.”

-Skinner-