É aconselhável acordar o bebê para alimentá-lo?

· 23 de outubro de 2017

À medida que nos adaptamos às rotinas do recém-nascido, tudo se torna mais fácil. No entanto são muitas as dúvidas nos primeiros dias. Como e quando devo alimentá-lo? É necessário acordar o bebê para alimentá-lo?

A alimentação com leite materno é necessária e benéfica para o bebê por, pelo menos, seis primeiros meses de vida. Mesmo quando ele próprio manifesta suas necessidades, surgem dúvidas em relação à quantidade de mamadas que ele exige. Em certas ocasiões podemos acreditar que se ele estiver dormindo, pode passar muito tempo sem comer. Outras vezes temos medo de que passe o horário estimado de amamentação, se ele continuar dormindo.

Caso você não saiba, lhe informamos que os bebês sabem melhor do que nós a quantidade de leite que necessitam, e quando eles precisam. A alimentação da criança durante sua primeira fase de vida pode estar sujeita unicamente às suas necessidades. Ou seja, produziremos a quantidade de leite que ele precisa, e ele mesmo tomará o que quiser. Nesse sentido, durante seus primeiros meses de vida você não precisará acordá-lo para alimentá-lo.

No entanto, em alguns casos especiais, muitos deles recomendados por nosso médico, será necessário acordar seu bebê para alimentá-lo. Por exemplo, se a criança é prematura, não está completamente saudável, perde peso, ou não ganha o suficiente, talvez seja necessário alimentá-lo com mais frequência. Ou seja, nesses casos, se o bebê estiver dormindo demais, você terá que acordá-lo para alimentá-lo.

Alimentos sob demanda 

É normal que surjam dúvidas quando ficamos muito tempo sem amamentá-lo. Isso ocorre particularmente quando tomamos a iniciativa de alimentar o bebê à cada 4 horas. Se esse tempo passou e o bebê ainda está dormindo, talvez sintamos que algo deve ser feito. Também é comum nos preocuparmos, se alterar o horário que preparamos.

 mãe sentada em uma cadeira amamentando seu bebê

No entanto, algumas mães optam pela alimentação sob demanda. Alimentar seu filho à demanda, significa amamentá-lo quando ele precisa e assim que se manifestar. Ou seja, alimentá-lo de todas as formas, sem se importar com o tempo entre uma refeição e outra. Desta forma, não será necessário acordar o bebê para cada mamada.

Muitos especialistas recomendam a alimentação à demanda, já que todos os bebês têm a capacidade de identificar quando estão com fome e choram para avisar.

Enquanto estamos amamentando sob demanda, o bebê tomará a iniciativa na hora das refeições. No caso dele estar dormindo, acordará sozinho para mamar. Através deste tipo de alimentação, o pequeno comerá sempre que estiver com fome, então suas necessidades sempre estarão cobertas.

Ele procurará o peito, chorará, e sugará para indicar que quer comer. É importante que a mãe o amamente, inclusive quando tiver passado pouco tempo desde a mamada anterior. A princípio, talvez não tenhamos certeza de muitas coisas, mas quando a amamentação estiver totalmente estabelecida, ele despertará no devido tempo.

Quando é necessário acordar o bebê para ele comer?

Como dissemos anteriormente, se o bebê é saudável você não precisará acordá-lo para comer. No entanto, em alguns casos, será necessário alimentá-lo até nas horas em que ele dorme. Sempre que ocorram as seguintes circunstâncias, será aconselhável acordar o bebê para ele comer:

  • Se o bebê precisa ganhar peso, ou o perde, e passa muitas horas dormindo sem comer.
  • Se o bebê ainda não se adaptou a um horário de amamentação. Geralmente ocorre nos primeiros dias de nascimento.
  • Se o bebê é prematuro ou está doente.
recém nascido dormindo em um cesto moisés

Embora estes sejam casos excepcionais, aconselhamos que, sempre que você acordar o bebê, o faça com a maior delicadeza possível. Por exemplo, você deve aproveitar o fato de que ele se mexeu, tossiu ou se virou para oferecer seu peito. Tê-lo próximo, por exemplo, dentro da manta, ou do berço portátil permitirá que você ofereça o peito sem ter que acordá-lo bruscamente. A chave está em tentar não acordá-lo de um sono profundo, mas aproveitar seus movimentos e interações com o meio ambiente.