O que é a crise da amamentação?

· 5 de julho de 2017

Se conhece como a crise da amamentação, um fenômeno que se produz quando o bebê não está satisfeito com a oferta de leite. Durante a etapa de amamentação a produção de leite se autorregula de acordo com a demanda do bebê. Ou seja, quanto maior a demanda, maior a produção de leite e vice-versa; no entanto, as vezes não ocorre assim.

Por diversas razões o bebê pode mostrar-se insatisfeito durante a amamentação. Talvez se mostrem desconfortáveis, ou pouco atraídos pelo produto. Este tipo de comportamento é incompreendido, por isso gera muita angústia na mãe. Infelizmente, por erro, nos aventuramos a mudar drasticamente nossa maneira de alimentá-los.

É comum que muitas mães optem por interromper a amamentação ou acabar definitivamente com ela. Por exemplo, se o bebê não parece estar interessado no peito materno, decidimos começar a alimentá-lo com fórmula. Acontece que, enquanto se mantenha a crise da amamentação, o pequeno manterá sua posição. Em relação a este assunto em particular, os especialistas explicam o seguinte.

A crise da amamentação é um comportamento totalmente identificado

Os especialistas chamam também a este processo de degraus, ou surtos de crescimento. Determinou-se que esta crise ocorre em idades específicas. A principal razão para que ocorra este fenômeno, é que o bebê está ajustando a produção de leite. Trata-se de um instinto básico do pequeno, pois ninguém lhe ensinou como fazer isto. Pelo visto, nem sua própria mãe sabe.

Em geral, a crise da amamentação se produz em idades semelhantes. Pode aparecer desde os primeiros dias após o nascimento, por isso, tende a ocorrer que alguns bebês simplesmente nunca são amamentados. Ou seja, tiveram esta crise a poucos dias de nascidos e suas mães decidiram mudar a modalidade de amamentar.

Na maioria dos casos ocorre da seguinte forma:

Entre os 17 e 20 dias de nascidos

Durantes esta etapa o bebê que apresenta a crise abandona repentinamente sua aparente regularidade. Geralmente, em seus primeiros dias os pequenos comeram e dormiram normalmente. No entanto, passadas as três primeiras semanas seu comportamento se modifica. Não somente ocorre que deixam de mamar, mas também que podem aumentar a dose.

É possível que comecem a mamar sem trégua em espaços de 30 minutos aproximadamente. Isto traz como consequência que se produzam regurgitações contínuas, ainda assim, vão quer continuar mamando.

Isto ocorre porque o bebê necessita aumentar a produção de leite. Se comportarão desta forma por uns três dias. Se conseguem seu objetivo sem contratempo, voltarão á sua mamada normal.

Bebês de 7 a 8 semanas

Quando chega esta etapa, pode ocorrer a segunda crise, talvez a primeira se não houver ocorrido a anterior. Com um mês e meio de idade o pequeno precisa de outro ajuste no volume de leite irá consumir. Então começará a mamar com mais frequência e sua crise se complementa com choro intenso, arqueamento das costas, tensão das pernas, e puxões no peito.

Dessa vez a crise pode terminar com medidas mais drásticas, porque é possível que a criança fique com nojo do sabor do leite. Nesta etapa muda a composição do leite, o qual o modifica a ponto de ficar mais salgado. Talvez o pequeno não goste do novo sabor e por isso o rejeita. Isto pode provocar que ao fim de uma semana, tenhamos tomado uma decisão sobre este fato.

A crise dos 3 meses

Entende-se que esta é a etapa mais difícil quanto à crise da amamentação. Quando ocorre aos 3 meses, pode significar uma mudança para o bebê e para a mãe; especialmente porque pode demorar um mês para remeter. A complexidade do processo ocorre pelo seguinte:

  • É comum que o bebê comece a rejeitar o peito, não queira comer com muita frequência, ou simplesmente não coma. Diante desta situação a mãe não sabe como interpretar o que acontece com seu filho. Se não é capaz de prestar suficiente atenção, o pequeno pode passar fome, porque pareceria que não sente apetite, então não lhe dão de comer.
  • Começa a tomar o peito por muito menos tempo do que fazia há uns dias atrás, quando pareceria estar encantado com isso.
  • O peito da mãe fica mole, por isso a criança a acreditar que não está produzindo leite suficiente.
  • As mamadas são caóticas, com choro, distrações e inquietação.

As mudanças ocorrem no cérebro do bebê à medida que cresce, e geram as principais causas da crise da amamentação. É por isso que aos três meses é mais complexa, o que faz com que, muitas vezes, se suspenda a amamentação e a substitua pela mamadeira.