5 verdades sobre a alimentação com fórmula

· 9 de julho de 2017

A alimentação do recém-nascido não deveria ter maiores complicações. Entende-se que o leite materno é o alimento exclusivo durante os primeiros seis meses do bebê. No entanto, isto não é algo que se pode fazer todo o tempo. Muitas mulheres decidem não amamentar seus bebês, e outras simplesmente não podem fazê-lo.

Além disso, nem todos os bebês são iguais e também os nascimentos não são iguais. Portanto, às vezes a alimentação a base de fórmula láctea, torna-se a primeira opção. No entanto, isto é algo que causa polêmica, temor, e inclusive culpa.

Sabemos que o leite materno é inigualável e insubstituível, mas é tão ruim a alimentação com fórmula? O que devemos saber antes de tomar esta decisão? Existe alguma verdade entre tantos mitos sobre este assunto?

 Principais mitos e verdades sobre a fórmula

A alimentação com fórmula tem aspectos distintos a considerar. Primeiro tem a questão moral, que é um vínculo insubstituível entre mãe e filho. Muitos afirmam que não o amamos porque não o amamentamos. Logo vem a preocupação pelo alimento que deixamos de dar-lhe, suas propriedades, tudo o que se perde. Mais adiante teremos que ponderar se o bico da mamadeira lhe fará mal ou se a fórmula é perigosa.

Enfim, é um assunto inundado de considerações de distintos aspectos. No entanto, é importante ter em mente que de alguma maneira ou outra, a criança deve alimentar-se. Ainda que os pediatras estejam de acordo, eles sempre vão escolher que as crianças comam.

Durante as primeiras horas de nascido o bebê precisa receber a energia necessária para não sofrer complicações. Por esse motivo, as vezes este deve ser alimentado com fórmula quando a mão não pode amamentá-lo. Seja qual for o caso, não podemos descartar totalmente a ideia de utilizar este tipo de alimentação. Apesar dos mitos, algumas verdades se destacam, por exemplo as seguintes:

Nem sempre o problema é da fórmula

Se tentamos dar-lhe a fórmula, mas parece que ele a rejeita, nem sempre se trata de um problema com o leite. Às vezes o inconveniente do bebê é com a mamadeira ou o bico dela. Prove diferentes mamadeiras até que ele se adapte, pois ele necessita de conforto.

Mesmo se descobrimos que ele não gosta desse tipo de fórmula é possível trocá-la e continuar tentando. Lembre-se de consultar o pediatra sobre qual é a opção mais conveniente para seu bebê.

Não prejudica seu desenvolvimento intelectual

Os bebês que se alimentam com fórmula são tão inteligentes como qualquer outro. Sabemos que os benefícios do leite materno são incontáveis. No entanto, o desenvolvimento intelectual da criança não deve ver-se afetado porque lhe faltem esses nutrientes.

As fórmulas lácteas para bebês são desenvolvidas à base de nutrientes necessários para favorecer o sistema imunológico. Além disso, contêm probióticos e ácidos graxos que contribuem com o desenvolvimento cerebral e o sistema visual.

Pode-se combinar o tipo de alimentação

Acreditamos que a alimentação do bebê deve ser estritamente de uma modalidade. No entanto, não é ruim combinar a amamentação com a mamadeira. Durante os primeiros meses pode-se começar com a alimentação combinada, sempre e quando o pediatra tenha aprovado. Algumas mães acreditam que isso inclusive as ajudou a melhorar sua produção de leite.

Podemos manter a capacidade de produzir leite

Se você alterna a maneira de alimentar o bebê, ou seja, o amamenta e lhe dá fórmula, você não perde sua capacidade de amamentação. Alguns mitos falam sobre a diminuição da produção de leite quando começamos a dar fórmula para o bebê. No entanto, este sistema se adapta às necessidades do pequeno. Portanto, se o bebê está consumindo regularmente o leite materno, nosso corpo produzirá a quantidade que ele precise.

Em contrapartida, quando lhe damos menos leite materno, o corpo produzirá essa quantidade que ele está consumindo. De modo que, é um erro acreditar que deixaremos de produzir leite de uma hora para outra, ou que perderemos nossa capacidade.

O laço entre mãe e filho é inquebrável

É fato que o vínculo que se cria entre uma mãe e seu filho durante a amamentação é único. No entanto, alimentá-lo com fórmula pode ser uma demonstração de amor tão grande como qualquer outra. Como o bebê sabe que você o está alimentando com o peito? Ele pode sentir você próxima, seu abraço, seu olhar e seu amor.

A profundidade na relação é algo que não podemos evitar de nenhuma maneira. Além disso, estamos no direito de alimentá-lo conforme escolhermos. Ainda que exista temor e opiniões contrárias ninguém pode negar que o laço afetivo com nossos filhos é inquebrável.