É bom ou ruim deixar o bebê chorar?

9 de abril de 2019
O choro é o único meio que um bebê tem para comunicar suas necessidades. No entanto, nosso pequeno pode ser afetado de alguma forma se o deixarmos chorar excessivamente?

Fome, frio, necessidade de contato ou até mesmo algum desconforto são algumas das razões pelas quais o bebê chora. Com essa ação, fica claro para nós que a criança está comunicando suas intenções. Mas, então, é bom ou ruim deixar o bebê chorar?

Esse questionamento é controverso, pois ambos os posicionamentos coexistem: tanto o que afirma que é algo absolutamente negativo, quanto o de outros especialistas que afirmam que, ao contrário, o bebê pode aprender sobre esperar e controlar seu comportamento.

Para não deixar nenhuma das posições fora do debate, gostaríamos de apresentar os dois lados da moeda e quais são os prós e contras de deixar ou não o bebê chorar.

É bom ou ruim deixar o bebê chorar?

Como discutimos anteriormente, existem duas posições sobre esse assunto. Por um lado, afirma-se que deixar o bebê chorar por muito tempo pode desencadear uma situação de estresse tão alto na criança que poderia levá-la a sofrer problemas neurológicos.

Por outro lado, um grupo diferente de pediatras afirma que não há estudos que realmente certifiquem que o choro prolongado afeta os bebês de alguma forma. De fato, eles acreditam que deixá-los chorar permite que eles se abram ao mundo, sejam mais independentes e aprendam a ser pacientes.

É claro que essa teoria leva em consideração o fato de que a criança não chora por uma necessidade, mas por capricho.

Para melhor ilustrar as duas posições, a seguir dividiremos os aparentes benefícios e as contraindicações sobre o que fazer quanto ao choro do bebê.

O lado negativo

Sobre o método de deixar o bebê chorar, existem muitas posturas negativas. Embora não existam estudos concretos que possam realmente mostrar que a criança pode sofrer danos, a verdade é que vários fatores irão influenciar para poder afirmar que essa ação é negativa.

Baseia-se na ideia de que não é a mesma coisa para um recém-nascido ou para uma criança com menos de seis meses de idade chorar por um período prolongado, do que uma criança de dois anos chorar por um capricho.

Assim, a idade e o motivo do choro serão, em parte, o fator decisivo para fazer julgamentos de valor em relação a essa questão.

Especificamente, os argumentos contra deixar um bebê chorar mostram que o bebê pode sofrer os seguintes danos:

  • A criança pode se tornar menos inteligente.
  • Pode ficar nervosa ou sofrer de ansiedade.
  • Pode ter dificuldade ao se relacionar com outras pessoas.
  • Pode se tornar uma criança insegura.
  • No campo da medicina psicossomática, afirma-se que a criança pode sofrer problemas psicológicos.
  • A criança pode se sentir abandonada e enraizar esse sentimento em sua mente.
  • Crianças que choram e não são cuidadas podem desenvolver rejeição ao apego.

Um argumento final afirma que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, se a criança é atendida rapidamente, seu choro para. Enquanto se lhe for permitido chorar, a criança intensificará mais os seus gritos e frustrações.

“A idade e o motivo do choro serão, em parte, o fator decisivo para fazer julgamentos de valor em relação a essa questão.”

Posturas neutras

Devemos começar essa seção explicando que os especialistas que adotam uma posição neutra não veem um grande problema no fato de os pais deixarem o bebê chorar em ausências curtas, por exemplo, se tiverem que ir ao banheiro ou se estiverem preparando a mamadeira.

Isso não significa que eles sejam a favor de deixar a criança chorando por muito tempo ou que ela seja intencionalmente negligenciada. Essa posição está mais ligada ao apego à ciência e seus adeptos acreditam que não há provas conclusivas que sirvam como um argumento válido para chegar a conclusões definitivas.

Por outro lado, sustentam que não agradar imediatamente uma atitude caprichosa da criança a tornará mais paciente e tolerante na convivência e comunicação com seus pais. A essa ideia, também são adicionados os seguintes fatores:

  • Se um choro por birra ou capricho for atendido imediatamente, a criança terá o poder de manipular seus pais.
  • Crianças com mais de seis meses que não sentem dor, fome ou sono podem chorar por alguns instantes sem que haja problema.
  • É normal que qualquer criança chore, mas essa situação nunca deve exceder cinco minutos.

Para concluir, é importante explicar que cada situação de choro é particular. Não é a mesma coisa o bebê que chora porque não gosta do assento especial do carro e não podemos colocá-lo em outra posição do que aquele bebê que chora por causa da fome ou porque precisa de uma troca de fralda e não é atendido.

Em qualquer caso, você deve sempre priorizar o bom senso, a paciência e o amor para com o pequeno.