Efeitos da cafeína durante a gravidez

23 de dezembro de 2019
O consumo excessivo de cafeína durante a gravidez tem efeitos prejudiciais. No entanto, o consumo moderado pode até mesmo ser benéfico.

A cafeína é uma substância de consumo habitual na nossa sociedade. Ela está presente não só no café, mas também em refrigerantes, no chocolate ou no chá, por exemplo. Por isso, o consumo de cafeína durante a gravidez é uma questão controversa. Vamos nos aprofundar neste assunto.

O que é a cafeína?

Falamos sobre a cafeína frequentemente, mas realmente sabemos o que ela é? Quimicamente, é um alcaloide que pertence ao grupo das metilxantinas. No nosso corpo, ela atua no sistema nervoso central como um psicoestimulante.

É uma antagonista competitiva dos receptores de adenosina A1 e A2a. Esses receptores são responsáveis ​​por inibir a liberação de muitos neurotransmissores. Portanto, o efeito da cafeína é a sua liberação. Ela estimula, entre outras coisas, a ação da dopamina.

A cafeína também é considerada uma droga por causa das suas propriedades energéticas e estimulantes. O consumo excessivo de forma habitual causa tolerância e pode levar a sintomas de abstinência quando ela é suprimida de uma vez.

Também é usada por causa das suas propriedades farmacológicas. Mais especificamente, ela é usada frequentemente como coadjuvante no tratamento analgésico da dor. Também faz parte da composição de muitos medicamentos contra a gripe e a enxaqueca, entre outros.

a cafeína durante a gravidez

Quais são as suas propriedades?

Como já dissemos, a cafeína é uma substância psicoestimulante e psicoativa para o sistema nervoso central. Isso significa que ela ativa o nosso cérebro, “acordando-o” e mantendo-o alerta.

Além disso, ela também tem outros efeitos no nosso corpo, tais como:

  • É antioxidante e ataca os radicais livres.
  • Aumenta a pressão arterial.
  • Aumenta o ritmo cardíaco.
  • Tem propriedades diuréticas.
  • Favorece a circulação sanguínea.
  • Pode causar certa desidratação.
  • Pode causar dor de cabeça, embora também ajude a eliminá-la.
  • Melhora a função respiratória ao aumentar a contração do diafragma.
  • Produz vasodilatação ao nível muscular.

Efeitos da cafeína durante a gravidez

Às vezes, a cafeína é considerada um fator de risco para a fertilidade, da mesma forma que o tabaco ou outras drogas. Em doses baixas, parece não haver risco, no entanto, isso é algo que devemos ter em mente para não abusar dela se estivermos buscando uma gravidez.

Efeitos da cafeína durante a gravidez

O consumo moderado de cafeína durante a gravidez não tem efeitos prejudiciais. No entanto, altos níveis de cafeína durante a gravidez podem causar abortos espontâneos, bem como retardar o crescimento do feto.

Efeitos colaterais 

Por que esses efeitos ocorrem? A cafeína atravessa a placenta, de modo que a quantidade presente no sangue da mãe pode passar livremente para o líquido amniótico e o feto. Na placenta, não há como metabolizar essa cafeína, e o feto também não possui as enzimas necessárias para isso no seu fígado até os 8 meses de gestação.

Dessa forma, por causa das propriedades da cafeína, pode haver vasoconstrição uterina e fetal, diminuindo, assim, a quantidade de sangue que chega ao feto e, como consequência, o oxigênio e os nutrientes necessários. Portanto, um consumo elevado de cafeína pode alterar o crescimento do feto.

Outras complicações mais graves que a cafeína pode causar durante a gravidez são, conforme já dissemos, o risco de aborto, especialmente no primeiro trimestre, ou o aparecimento de pré-eclâmpsia ou hipertensão.

A pressão arterial e a frequência cardíaca são fatores que devem ser controlados durante a gravidez. Por isso, é necessário evitar o uso de substâncias que as alterem, a fim de evitar complicações indesejadas, tanto para a mãe quanto para o feto.

Além disso, durante a amamentação, a cafeína também passa para o leite materno. O consumo excessivo de cafeína pela mãe que está amamentando pode causar irritabilidade e alterações no sono do recém-nascido. O consumo moderado, no entanto, não apresenta nenhum risco.

Ainda há muito para ser investigado nesse campo. Sem dúvida, o consumo excessivo de cafeína só tem efeitos prejudiciais, principalmente durante a gravidez, tanto para a mãe quanto para o feto. No entanto, o consumo moderado pode até mesmo ser benéfico.

  • Pardo Lozano, R., Alvarez García, Y., Barral Tafalla, D., & Farré Albaladejo, M. (2007). Cafeína: un nutriente, un fármaco, o una droga de abuso. Adicciones: Revista de socidrogalcohol19(3), 0225-238.
  • Valenzuela, A. (2010). El café y sus efectos en la salud cardiovascular y en la salud materna. Revista chilena de nutrición37(4), 514-523.
  • Barreda-Abascal, R., Molina, L., Haro-Valencia, R., Alford, C., & Verster, J. C. (2012). Actualización sobre los efectos de la cafeína y su perfil de seguridad en alimentos y bebidas. Revista Médica del Hospital General de México75(1), 60-67.