Ensine ao seu filho que a motivação é algo que se constrói

28 Setembro, 2020
É humanamente impossível acordar eufórico e totalmente motivado todos os dias. Mas isso não deve impedir os pequenos de continuar a aproveitar o dia e trabalhar por seus objetivos.

Todos nós, em múltiplas ocasiões, temos dificuldade para encontrar a motivação necessária para cumprir com nossas tarefas. Quando estamos desanimados, qualquer atividade parece impossível. Dessa forma, não é nenhuma surpresa que o mesmo aconteça com os mais jovens. É por isso que é importante ensiná-los, desde os primeiros anos, que a motivação é algo que se constrói.

A infância é um terreno fértil ideal para transmitir aos pequenos as ideias que vão guiar seu mundo interior e seu comportamento futuro. Torna-se necessário, então, falar com eles sobre perseverança, organização e responsabilidade. Valores que vão ajudá-los a perseguir suas metas e alcançar seus objetivos.

Mas, da mesma forma, também temos que explicar a eles o que fazer quando o desejo de seguir em frente parece ter desaparecido. Mesmo a pessoa mais responsável e mesmo a criança mais aplicada e obediente pode enfrentar a apatia em algum momento. Dar à criança os recursos para entender o que está acontecendo e como ela pode mudar seu estado será um grande presente.

Assumir o controle das emoções

A maioria de nós age de acordo com o estado de espírito que temos a cada momento. Assim, nos dias em que acordamos animados e cheios de energia, realizamos mil atividades e somos muito produtivos. Ao contrário, quando estamos apáticos, abatidos ou desanimados, evitamos fazer qualquer tipo de tarefa.

Ensine o seu filho que a motivação é algo que se constrói

Nas crianças, essa tendência pode ficar ainda mais evidente, visto que elas são dominadas, em maior medida, pelo princípio do prazer. Elas procuram satisfazer seus desejos e evitar o desconforto a todo custo.

Isolar-se e descansar em momentos pontuais pode ser saudável, pois é necessário ouvir o nosso corpo. No entanto, não devemos cair na armadilha de permitir que o nosso humor determine a nossa vida.

Não podemos sentar e esperar que a vontade surja ou que a inspiração e a energia apareçam porque a motivação não é algo que encontramos, e sim algo que se constrói. Trata-se de uma tarefa de responsabilidade consigo mesmo.

Um compromisso consigo mesmo

É altamente recomendável ensinarmos os jovens a se comprometerem consigo mesmos como uma forma de lidar com o desânimo. Comprometer-se consigo mesmo e com seus próprios objetivos implica assumir o controle e agir, mesmo quando não temos vontade naquele momento específico.

Por exemplo, uma criança pode querer estar no time de basquete da escola e gostar muito desse esporte. No entanto, é provável que haja dias em que ela não queira ir ao treino porque está cansada ou teve um dia ruim.

Porém, se ela se lembrar do seu compromisso, vai encontrar um motivo para superar a preguiça e comparecer. E ela não vai fazer isso por ter sido obrigada pelos seus pais ou professores. Sua decisão terá como base a convicção de que é algo que ela mesma deseja.

Da mesma forma, talvez ela queira fazer amigos, mas tenha medo de ir para um acampamento de verão. Mesmo que a motivação se veja enfraquecida, o amor-próprio e o pacto estabelecido consigo mesma vão fazer com que ela tenha o impulso para ir.

Durante a adolescência, é muito provável que os jovens tenham dificuldade para cumprir com as tarefas escolares, esforçar-se e estudar para obter notas altas. É humanamente impossível acordar eufórico e totalmente motivado todos os dias. É nesses casos que os jovens devem se lembrar de que são eles que estão no controle, e não suas emoções.

Ensine o seu filho que a motivação é algo que se constrói

Assim, , por exemplo, o jovem poderá encontrar no seu desejo de seguir a carreira médica o impulso necessário para estudar todos os dias, mesmo que esteja cansado, distraído ou sem vontade.

A motivação é algo que se constrói

Paradoxalmente, crianças e jovens podem descobrir que, conforme vão agindo, a motivação inexistente começa a aparecer diante de seus olhosUma vez que estiver imersa no treino de basquete, a criança vai recuperar as energias e acabará aproveitando uma tarde agradável com os amigos.

O pequeno que tinha medo de ir para o acampamento vai observar como, a cada dia, seu entusiasmo e a vontade de ficar lá vão aumentando. Da mesma forma, o jovem que não queria estudar acabará se sentindo orgulhoso da sua façanha e da produtividade das suas horas de estudo.

Se sucumbirmos diante da desmotivação, ela só vai aumentar. Se nos sentarmos para esperar que a vontade apareça, só vamos paralisar as nossas vidas e alimentar esse estado de apatia. Portanto, incentive seus filhos a agir todos os dias, mesmo que eles estiverem tristes, com preguiça, com medo ou desanimados.

Basta um pouco por dia para colocar em funcionamento a máquina para construir a motivação que estavam procurando.