A evolução técnica da cesárea

· 28 de dezembro de 2017

A cesárea é um dos procedimentos cirúrgicos mais frequentes da atualidade. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, as cesáreas representam de 11 a 15% dos partos.

A evolução técnica da cesárea teve um grande impacto tanto no âmbito social quanto no âmbito evolutivo. Como se sabe, a cesárea, como modo cirúrgico de trazer um bebê ao mundo, se tornou a técnica mais utilizada nos últimos tempos.

Na sociedade atual, a cesárea já não é vista como um procedimento cirúrgico de risco, pelo contrário, ela se tornou rotineira a tal ponto que, causa pouca ou nenhuma preocupação. Mas qual foi a evolução dessa técnica e como revolucionou o nascimento? Como chegou a ser tão comum? Descubra a seguir.

O que é a cesárea?

Trata-se de uma técnica em que, mediante uma intervenção cirúrgica, se extrai o feto do útero materno. É uma das operações mais comuns na atualidade. Além disso, graças aos avanços da medicina, pode se considerar uma técnica que oferece garantia de segurança.

Visto a frequência com que ela é praticada, a cesárea se tornou cada vez mais popular. Entre outras coisas, porque os avanços científicos permitem que se minimizem os riscos, tanto para a mãe quanto para o bebê. A decisão de praticar uma cesárea pode ser devido a várias razões:

  • Porque na hora do parto existe uma situação que coloca em perigo a vida do bebê ou da mãe.
  • Por uma decisão acordada entre médico e paciente. Esse é mais um fator psicológico, associado à ideia da dor e à preferência por “programar” o nascimento.
  • Pela evolução da espécie humana. Esse ponto está respaldado por estudos científicos. Neles, se fala da mudança na estrutura óssea das mulheres ao longo do tempo. Alterações que deixaram a pélvis mais estreita.

A evolução técnica da cesárea

O mito popular relaciona muitas vezes essa técnica com o nascimento do Imperador Julio César. O que é bastante improvável, principalmente pelos escassos conhecimentos médicos naquela época. Bem, o nome se deve à palavra latina caedere, cujo significado é cortar. Cortar o ventre materno para extrair o feto.

Até o surgimento da anestesia e dos antibióticos, qualquer intervenção cirúrgica supunha um risco considerável. Por esses riscos, até a segunda metade do século XX, recorrer a uma cesárea era uma decisão de última instância. Era tomada nos casos de risco extremo para a mãe ou bebê e a técnica não apresentava muitas garantias de sucesso.

A primeira cesárea documentada, foi a praticada no ano de 1794 nos Estados Unidos. Jesse Bennett, o médico que a fez, a realizou em sua esposa. Ela, juntamente com a criança se recuperaram satisfatoriamente, marcando um precedente importante dentro da historia da medicina.

La evolución técnica de la cesárea ha permitido que millones de bebés nazcan.

A cesárea e a evolução humana

O desenvolvimento da ciência e da medicina em particular tem permitido atingir uma melhor qualidade de vida. Além de aumentar os anos de existência do ser humano. O que é interessante saber é que esse desenvolvimento técnico tem gerado mudanças evolutivas. O corpo da mulher foi se adaptando a essas técnicas.

Tipos de cesárea

A cesárea é classificada de acordo com a região corporal onde se faz o corte. Dessa forma, temos a cesárea corporal e a segmentar. A cesárea corporal implica em riscos, pelo que seu uso é pouco frequente.

Entre as muitas classificações da cesárea, uma delas a divide em dois grupos. O critério utilizado para a escolha é o momento em que se decide por sua realização:

  • Cesárea eletiva. Também chamada programada, sua realização se efetua antes de começar o parto.
  • Cesárea intraparto. Ocorre geralmente por complicações no processo do parto, durante o decorrer do mesmo.
  • Cesárea segmentar. Esta modalidade, a mais frequente, é feita na área do segmento inferior do útero. Os motivos de ser a mais realizada é que é feita em local que afeta o menor numero de fibras musculares e a cicatrização é muito mais rápida. 
  • A cesárea segmentar pode ser feita com um corte na vertical (pouco recomendada), transversal (a mais usada), ou na forma de T. Essa última é uma opção para quando se apresentam complicações com o feto durante o parto.

Tendências

A evolução técnica da cesárea tem permitido grande quantidade de nascimentos. Com isso, ela se tornou um dos procedimentos mais habituais. Na Espanha, cerca de 25 % das crianças nasce mediante essa técnica. Superando a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que aconselha não ultrapassar os 15%.

Sem dúvida, a evolução dessa técnica é uma realização do ser humano. Mas o ideal é realizá-la quando for estritamente necessária, para a mamãe e para o bebê.