Filho, eu só quero que você se ame

24 Setembro, 2018
Filho, prometa-me que você sempre lutará para ser feliz e estar bem consigo mesmo. Tente nunca se trair e lute até o fim para transformar em realidade cada um de seus sonhos.

Filho, eu só quero que você se ame como a mamãe te amou desde o dia que descobri que você mudaria minha vida. Meu amor pequenino, jure que você vai respeitar a si mesmo e será fiel a suas convicções.

Não deixe que ninguém te imponha pensamentos, nem que te mande fazer o que você não quer. Evite assumir responsabilidades alheias e, especialmente, assuma todas suas conquistas.

Valorize cada um de seus acertos e aprenda de seus erros. Mas, por favor filho, seja sempre fiel a si mesmo. Sinta-se como aquele ser único, especial e maravilhoso que você é. Um ser de luz, cheio de magia e amor para dar. Uma pessoa do bem, exemplar, nobre e capaz.

Meu amorzinho, ame a si mesmo tal como você merece. Pela pureza de sua alma e a riqueza de seu coração. Admita o valor do seu sorriso, abuse da sabedoria que a experiência de vida te presenteou. Meu filho, eu só quero que você se ame para sempre.

Quero que você se ame para que possa amar e ser amado

se ame

Com o passar dos anos, com certeza você vai querer viver intensamente sua vida. Entre o pacote das coisas mais maravilhosas que podem acontecer com você, está o se apaixonar. Perder a razão e o coração por outra pessoa.

No entanto, para poder amar com ardor, é necessário antes ter esse amor-próprio que é tão fundamental.

Por isso mesmo, filho querido, quero que você se ame para que possa amar e sentir esse maravilhoso fogo no peito. Sim, você também deve se amar para assim poder ser amado por aquela pessoa que realmente te merecer. Ame-se para colocar limites sobre sua vida, sobre seu corpo.

Ame-se para respeitar e ser respeitado. Alimente cada dia esse amor-próprio para poder escolher sempre o melhor para si. Nunca menos, sempre mais, e o melhor.

Você merece o que sonha e ainda muito mais. Vá em busca daquilo que tanto deseja. Mas prometa nunca baixar os braços. Faça-o pelo que você vale.

Minha eterna criança, eu só quero que você se ame para que abrace cada nova oportunidade que surgir. Que você se sinta em qualquer ocasião à altura das circunstâncias, da vida.

Ame-se para não fugir do medo, e sim enfrentá-lo para dar vida a cada uma de suas decisões e determinações.

Ame-se para ser responsável por suas escolhas, para amar e agarrar a vida com todas as suas forças. Quero que você se ame para que aproveite tudo o que o destino designou para você. Aceite e seja feliz com o que o mundo deixou preparado esperando por você.

Quero que você se ame do jeitinho que você é

se ame

Eu só te peço um simples favor.  Ame-se profundamente em todo momento. Com suas virtudes sempre expostas e enaltecidas. Com esses defeitos com os quais você aprendeu a conviver a cada segundo. Ame-se para ouvir suas próprias batidas do coração, somente siga seu instinto.

Meu céu mais maravilhoso, abrace a si mesmo para não depender de mais ninguém. Lute por sua independência e autonomia. Conheça o mundo olhando através de seus próprios olhos e, principalmente, desfrute de sua própria companhia.

Aprenda a se conhecer para conhecer e expressar cada necessidade e carência que você sentir.

Quero que você se ame como eu te amo para que você possa aproveitar a intensa luz que irradia do seu belo sorriso. Para sentir a sonoridade de suas gargalhadas sem motivos aparentes. Ame-se para poder se conciliar com o espelho e ser condescendente com sua cabeça.

Minha vida, quero que você me ame. Mas especialmente desejo com toda a força de minha alma que você se ame. Somente assim você poderá escapar de preconceitos, idealizações e frustrações.

Só quero que você se aceite e se ame todos os dias. Sem dúvida, somente dessa maneira você poderá alcançar a felicidade e plenitude que tanto desejo para você, meu eterno amor.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos.