Meu filho quer ficar o tempo todo no colo

· 27 de outubro de 2018
Neste texto, ajudaremos você a entender de onde vem essa paixão e vamos oferecer alguns conselhos que podem ser úteis para você.

Ficar no colo da mamãe, do papai ou de qualquer outro adulto da família pelo qual sinta apego é um dos “passatempos” preferidos de um bebê.

De onde vem o hábito de querer ficar no colo?

O hábito de querer ficar sempre no colo vem da própria natureza humana. Nós somos seres que precisam de afeto para crescer.

Por isso, como se fosse um fertilizante, buscamos desde o nascimento o amor para conseguir nos desenvolver e ser felizes.

Também é preciso saber que, naturalmente, o bebê possui certa preferência pela mãe. Afinal, ele ficou durante 40 semanas ou mais dentro da barriga dela.

Ela é a fornecedora do alimento tão valioso. Ela é quem, em geral, canta, troca as fraldas, dá banho, coloca para dormir.

Então, não é de se estranhar que o bebê se sinta melhor com a mamãe que com qualquer outra pessoa.

Por outro lado, os bebês não gostam de ficar sozinhos. A solidão provoca a sensação de que estão desprotegidos.

Assim, a companhia constante e ficar sempre no colo acalmam e proporcionam a sensação de segurança.

Um bebê precisa contar com esse apoio afetivo para crescer no plano emocional e, desde os primeiros meses de vida, formar sua autoestima.

Apesar de muitos pais considerarem que o bebê que pede colo aos adultos está mal acostumado, é preciso saber que o carinho e o contato pele com pele é mais necessário no começo da vida que em qualquer outro momento.

Em que momento essa necessidade se torna prejudicial?

no colo

Apesar de termos afirmado que carregar as crianças no colo é vital para um desenvolvimento saudável, existem casos em que essa prática chega a ser prejudicial tanto para a mãe quanto para o filho.

Existem bebês que querem ficar apenas no colo da mamãe e choram desconsoladamente quando são colocados no berço ou são carregados por outra pessoa.

Essa vontade, mais que benéfica, chega a prejudicar o bebê porque o torna totalmente dependente do colo da sua progenitora.

A criança se torna incapaz de fazer as coisas sozinha ou, pelo menos, de tentar fazê-las.

Para a mamãe, que tanto precisa de descanso, essa tarefa constante estressa, deprime e faz chorar.

O que fazer quando a situação se torna insustentável?

Nenhum bebê deve ser privado de afeto. Apesar disso, o hábito de ficar todo o tempo no colo pode acabar fazendo mal ao pequeno.

A criança que se encaixa nesse caso, à medida que cresce, não avança no desenvolvimento da sua autonomia. Para ela, é a mamãe quem deve fazer tudo.

Se, por exemplo, ela não consegue segurar a mamadeira enquanto toma o leite, é a mamãe quem tem que fazer isso. Caso contrário, a criança vai parar de se alimentar e começar a chorar.

Ou quando sua chupeta cai e ela não quer pegar, é a mãe quem precisa colocá-la de volta na boca dessa criança que, indiscutivelmente, precisa cortar o cordão umbilical que ainda a prende à mamãe.

Como agir nesses casos?

no colo

Salientamos, de novo, que o bebê nunca deve ser privado de carinho. É preciso pegar no colo, colocar para dormir, beijar, fazer carinhos, brincar e atender todas as necessidades dele.

Mas nos casos em que o apego com a mamãe se torna “crônico”, essa mãe e o resto da família devem agir em prol do bem-estar do bebê.

A seguir, daremos dois bons conselhos para auxiliar você nessa questão.

Aproveitar momentos agradáveis com outras pessoas

A mamãe precisa deixar de ser o centro do mundo. O bebê consegue começar a entender isso quando passa momentos agradáveis com outras pessoas, sejam membros da família ou amigos.

Se é o vovô que brinca com ele de manhã, o tio que o leva para passear a tarde e a prima quem dá a papinha à noite, pouco a pouco, a mamãe vai começar a perder seu protagonismo.

Estimular o desenvolvimento

Sem dúvida, os bebês sempre querem aprender coisas novas.

Colocar no chão para fortalecer o corpinho, dar novos brinquedos ou objetos com os quais pode fazer coisas novas ou ajudar a engatinhar são atitudes que vão servir para desprender o pequeno do colo, que até então era imprescindível.

Como sempre, esse tipo de atividade deve ser realizado alternando entre a mamãe e outros membros da casa.