Formas de se unir ao seu bebê

3 de janeiro de 2019
O bebê, apesar de estar protegido no útero, desperta primeiro para as sensações proporcionadas pelo corpo da mãe e, mais tarde, pelo exterior.

Ao nascer, o bebê sabe muito bem o que o agrada e o que o desagrada, se movimenta, chora, ri e se assusta em resposta aos estímulos. É por isso, que esta etapa te dá a opção de se unir ao seu bebê.

Te daremos então 5 ideias de como você pode realizar essa tarefa. Algumas vão ser familiares para você, e você já terá feito. Entretanto, pode aprender outras técnicas que nem imaginava e que serão importantes para você se unir ao seu bebê.

1. Conversar e cantar

Fale e cante com seu filho. Os bebês gostam de ouvir vozes doces e músicas com uma linda melodia, como a música clássica. Você pode tentar inventar pequenas melodias e recitá-las por meio de entonações com sua voz.

Tenha confiança, conte para o seu bebê as novidades do seu dia e as rotinas familiares. Descreva para ele o que você está fazendo e o que você quer fazer. Nessa atividade, não é bom que você transmita emoções negativas para o seu filho.

Você pode comentar um problema, mas sendo otimista e sempre transmitindo bons sentimentos sempre que falar.

2. O contato e as carícias te ajudam a se unir ao seu bebê

se unir ao seu bebê

O recém-nascido precisa de carícias e de se sentir bem protegido fisicamente para estar seguro. Perceba que ele passou de um espaço acolhedor do útero da mãe, bem alimentado e confortável para o exterior.

Antes não tinha de chamar a atenção para fazer as suas necessidades, nem se esforçar para obter o que precisava para crescer.

Além disso, não sentia frio, fome nem medo de ficar sozinho. Portanto, faça muitos carinhos e mimos: faça-o se sentir amado.

Alguns médicos recomendam beijar seus pés, por exemplo, ou fazer massagens leves que construam o apego, acalmem a irritabilidade, relaxem o pequeno e aumentam a autoconfiança.

3. Olhe para o seu bebê enquanto estiver amamentando

Alimentá-lo olhando-o nos olhos de maneira prolongada cria uma grande intimidade que, em conjunto com o calor de estar no seu colo completamente protegido, desenvolve o senso de identidade do bebê.

Quando você o troca de lado para que ele consuma o leite de ambos os seios, oferece uma visão diferente do ambiente. Com isso, estará aumentando o desenvolvimento de ambos os lados de seu cérebro e de seu corpo.

4. Esteja presente quando o bebê acordar

Isso não quer dizer que você terá que configurar um alarme para que ambos acordem ao mesmo tempo e para poder estar presente.

Se você já sabe o horário que o seu filho acorda depois de um cochilo, você pode ter o hábito de se aproximar alguns minutos antes da hora e recebê-lo em seus braços.

Isto é muito vantajoso porque, assim, você evita que a criança acorde chorando e com medo. Ele saberá que você está perto para aliviar qualquer sentimento negativo.

5. Aprenda os sinais do bebês e responda rapidamente

se unir ao seu bebê

Cada bebê é único e tem seus próprios sinais, mas a maioria são universais. Com o tempo, você vai aprender qual som seu filho faz quando está com fome, quando está com medo, se precisa de uma troca de fraldas ou se quer dormir.

É importante que você aprenda isso para que possa agir rapidamente para suas necessidades se quiser se unir ao seu bebê.

Você sabe quando seu melhor amigo está triste, a comida favorita de seu parceiro ou quando uma pessoa que você conhece bem se sente desconfortável. Acontece a mesma coisa com seu filho.

Responder a esses sinais sem deixar passar muito tempo vai construir confiança e uma sensação de segurança, levando a reduzir e eliminar a ansiedade e o estresse.

Tome medidas para se unir ao seu bebê

Como em qualquer relacionamento, a base do fortalecimento dos laços afetivos está no encontro de um terreno comum.

Com os recém-nascidos, estes laços começam em uma vertente mais física, especialmente nos primeiros dias de nascimento, e são reforçados ao longo do tempo.

Antes do nascimento, ocorre a conexão emocional ligada a aspectos físicos e psicológicos. Os pais devem reforçar esta conexão pelo bem-estar mental e emocional da criança ao longo de todo o seu crescimento.