Como funciona a memória dos bebês?

18 de julho de 2017

O bebê nasce com uma estrutura cognitiva que lhe permite receber os estímulos e guardá-los na memória. Os neurônios, que são os encarregados de armazenar grande parte da aprendizagem, se desenvolvem no terceiro trimestre da gestação. Durante o tempo e o espaço, a memória ajuda a criar hábitos relacionando-o com os demais, o qual é uma aprendizagem muito rápida.

O principal elemento que ajuda a melhorar o processo que envolve a memorização são os sentidos. Estes são um canal de entrada para os estímulos da criança. No começo é bastante direto, por exemplo, o cheiro da mãe e do leite materno.

Mais adiante, se desenvolvem conexões que permitem ao bebê o reconhecimento de vozes e rostos. Igualmente pode perceber mediante o tato, o qual permite um reconhecimento posterior do que tocou.

Tudo isso lembra, porém, a memória é inconsciente. No entanto, podem entender a rotina, como por exemplo, saber quando tem que dormir ou comer, quando é de noite ou de dia.

A memória do bebê conforme cada etapa

● Aos 3 meses identifica brinquedos

Com 6 meses se familiariza adequadamente com as pessoas próximas, mãe, pai, avôs, irmãos. Sabem como é a rotina diária com cada uma das coisas que se faz em seu entorno. Sabem que sairão quando, por exemplo, o colocam no carro, se tiram a roupa dele sabem que o banharão.

Quando tem 9 meses pode saber em que parte da casa deixa seus brinquedos e pode buscá-los sem nenhum problema.

Com um ano, a memória se desenvolve lentamente, a informação que recebe provoca sensações. Começam a ter uma linguagem ou sons mais eficazes para apontar e mostrar o que quer. Pode fazer onomatopeia relacionando com os sons que conhece.

Já com 2 anos, a linguagem se desenvolve, lembram nomes, rostos conhecidos, objetos, formas, cores; lembram histórias que lhe contaram várias vezes. O mais importante é que expressam muito bem seus sentimentos básicos relacionando-os com as situações. Começam a desenvolver uma memória a longo prazo.

● Aos 3 anos, a memória da criança é consciente e desenvolvida até a idade adulta.

A lembrança no bebê

A criança menor de 5 anos é capaz de memorizar rotinas, a memória está vinculada à aquisição de conhecimentos arquivando-os sem parar. No entanto, a lembrança é mais eficaz à medida que se utilizem algumas estratégias para reter informação.

Normalmente, a repetição é a principal técnica de memorização no bebê. Logo compreenderão e implementarão a organização da informação que recebem, ao mesmo tempo que poderão categorizá-la. É por isso que devemos melhorar sua compreensão, adequando a mensagem que queremos transmitir-lhes.

Cada criança é muito diferente, especialmente sua memória é particular já que todos não têm a mesma capacidade nem memorizam da mesma forma. Cada aprendizagem pode melhorar dependendo do sentido mais agudo em cada caso.

O que é a amnésia infantil?

Esta se conhece como a incapacidade que se tem na idade adulta para recordar os episódios da infância. Especialmente é difícil lembrar fatos que ocorrem entre os 3 e 4 anos idade. É por isso que são muito poucos os adultos que lembram de acontecimentos pessoais ocorridos antes dos 3 anos.

Entende-se que esta incapacidade se produz porque nos primeiros anos não se têm as orientações necessárias para armazenar as experiências e, assim, processá-las. Algumas investigações deduzem que durante essa etapa o cérebro ocupa todas suas capacidades na criação de neurônios. Por esta razão, não se lembra fatos vividos na primeira etapa de vida. Os neurônios fortalecem as capacidades da criança depois dos 4 anos de idade.

Se a memória é importante, o esquecimento também é

Muitas pessoas tentam buscar na infância momentos vividos que já não se lembram. Acredita-se que inclusive se pode sonhar algumas coisas que ficam no subconsciente. No entanto, esquecer também é necessário. Esquecer é um mecanismo que se adapta e é vital para o crescimento de cada uma das pessoas. Porque por meio deste processo é suprimida aquela informação que não é necessária ter na mente.

O que ocorre com os bebês é que enquanto os níveis de neurogênese são altos, se acrescenta a tarefa de esquecer. As lembranças duram menos, dando espaço ao desenvolvimento de uma memória muito mais forte.