Guia da alimentação complementar

· 1 de dezembro de 2018
Parece que alimentar um bebê é fácil, mas a realidade não é bem assim. No início a sua alimentação é baseada somente em leite, e você só precisa decidir se deseja dar leite materno ou de fórmula.

Geralmente, a alimentação complementar do bebê começa após os seis meses. Nesta fase, podem começar a surgir preocupações sobre como melhorar a alimentação do bebê.

Além disso, há outras questões, como a introdução de água na dieta e a percepção de possíveis alergias alimentares.

Alimentação complementar

Os bebês precisam de leite materno ou leite de fórmula durante o primeiro ano de vida para se desenvolver e crescer.

O leite materno é a principal fonte de alimentação até os seis meses de vida do bebê e, depois disso, pode ser suplementado com a alimentação complementar.

A alimentação complementar deve ser iniciada após os 6 meses e nunca antes dos 4 meses. Como o próprio nome sugere, o objetivo não é substituir o leite materno, mas complementar a alimentação.

O peito ainda é importante. Mas, para fazer o seu pequeno começar a experimentar novos sabores, você deve ter muita paciência, oferecer a nova comida quantas vezes for necessário e não perder a motivação se ele rejeitar no início.

Ele precisa aprender a se acostumar aos novos sabores, às novas texturas, a mover a boca para mastigar, etc…

alimentação complementar

Se uma criança se recusa a comer um novo alimento seja por causa do seu sabor ou textura, não se preocupe nem se desespere, pois caso contrário você irá prejudicar a relação do seu filho com a comida.

Se ele não quiser comer, remova o prato calmamente e alimente-o como de costume. No dia seguinte, tente oferecer de novo e continue assim até que ele aceite. Com paciência, você se surpreenderá com os resultados.

Como deve ser a alimentação complementar

Aos 6 meses, os bebês ainda não têm capacidade de mastigar. Por isso, é preciso introduzir os novos sabores através de papinhas e mingaus.

Nesse momento, você também pode começar a introduzir as papinhas semissólidas para que eles comecem a entender o movimento da boca, e não apenas engolir sem mastigar.

Pouco a pouco, à medida que o bebê se sentir mais seguro, você pode começar a incluir pedacinhos de comida macia.

“Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”
-Hipócrates-

Cada criança é diferente. Por isso, você precisa conhecer bem o seu próprio bebê para saber como ele come melhor. Nem todos os bebês aceitam os pedaços nas papinhas. Alguns se recusam a comer, simplesmente cospem, ou se engasgam correndo um perigo maior.

Então, se você perceber que seu filho não está preparado para os alimentos semissólidos, não se preocupe e continue com os mingaus. O que importa é que ele esteja bem alimentado. Logo, logo ele aprenderá a mastigar naturalmente.

Para começar a alimentação complementar, é importante que você também comece a introduzir o uso da colher. Dar papinhas ou mingaus na mamadeira não é uma boa ideia porque dessa forma você estará impedindo que seu filho aprenda a comer com colher.

É recomendável que você dê somente líquidos na mamadeira, como, por exemplo, leite ou vitaminas. Qualquer outro alimento complementar é melhor que você dê com colher.

alimentação complementar

Começar com a alimentação complementar

Os alimentos devem ser oferecidos um de cada vez. O seu pediatra será responsável por indicar as melhores opções para esta fase.

Não é recomendável dar mais de um tipo de comida ao mesmo tempo. Isso porque, além expor a criança a muitos sabores de uma vez só, é mais difícil de detectar a causa em caso de alergia ou intolerância.

É provável que, no começo, seu filho não aceite as novas comidas. Por isso, é bom sempre acompanhar e experimentar com ele.

Depois de introduzir uma nova comida em sua alimentação, você terá de observar como são as suas fezes, se ele vomita, se há alterações na pele ou se apresenta qualquer outro sintoma fora do normal.

Quando você oferecer outro alimento diferente do anterior, deve seguir o mesmo procedimento para verificar se ele se sente bem e se não apresenta reações estranhas em seu corpo.

No caso de isso acontecer, você deve recorrer ao pediatra o mais rápido possível. Além disso, é preciso retirar esse alimento da dieta do seu bebê.

O estômago do bebê ainda é muito delicado. Por isso, é necessário respeitar uma ordem rigorosa dos tipos de alimentos que serão introduzidos.

Não deixe de consultar seu pediatra para tirar qualquer dúvida sobre a melhor ordem para introduzir os novos alimentos. Além disso, você pode perguntar quais são as melhores opções nessa fase e quais devem esperar até que o bebê tenha mais idade.