Em qual idade os dentes nascem?

Aqui você vai descobrir em qual idade os dentes nascem, para poder antecipar esse momento tão importante no desenvolvimento oral das crianças.
Em qual idade os dentes nascem?

Última atualização: 26 Outubro, 2021

A erupção dos dentes tem seu próprio ritmo e ordem. Ou seja, varia de pessoa para pessoa. No entanto, existem idades aproximadas para estimar a idade em que os dentes nascem, o que reflete o que acontece com a maioria das crianças.

Estar atenta a esses eventos tão importantes para a boca é muito benéfico para garantir a saúde dos pequenos. Sabendo com antecedência o que estão enfrentando, os pais cuidam muito melhor dos novos dentes.

O nascimento dos dentes de leite

Os dentes de leite começam a aparecer entre os 6 e 8 meses de vida do bebê. Em alguns casos pode começar mais cedo ou mais tarde, porque como já dissemos, depende do ritmo de crescimento de cada criança.

Em geral, os primeiros dentes que aparecem são os incisivos centrais inferiores e, em seguida, os incisivos superiores e laterais de ambas as arcadas.

Quando os pequenos já estão com 8 dentes na boca, costuma haver um período de descanso de 4 a 6 meses. No final desse período, os dentes de trás e os caninos iniciam a fase de erupção.

Aproximadamente, esse fenômeno ocorre por volta dos 12 aos 18 meses de idade, e o primeiro a surgir é o primeiro molar (superior e inferior). O segundo molar de ambas as arcadas geralmente aparece por volta dos 2 anos, e os caninos irrompem entre 15 e 24 meses.

Em geral, a maioria dos bebês já tem seus 20 dentes de leite por volta do terceiro aniversário.

dente de bebê leite dentição decídua pré-molar canino dente incisivo

Em qual idade nascem os dentes permanentes?

Os dentes de leite permanecem na boca da criança até os 5 ou 6 anos de idade. Nesse momento, inicia-se a fase de substituição dentária, na qual os dentes de leite são substituídos pelos permanentes.

A ordem de substituição costuma manter o mesmo padrão do nascimento: começa com os incisivos e continua com o resto. Dessa forma, os dentes de leite caem por volta de 10 a 12 anos e são substituídos pelo primeiro e segundo pré-molares definitivos.

Mas a erupção dos dentes permanentes não exige a queda dos dentes de leite, uma vez que estão localizados atrás do último dente de leite. Isso ocorre por volta dos 6 anos (para o primeiro molar) e 12 anos (para o segundo).

Os últimos dentes a nascer são os dentes do siso. Sua erupção ocorre entre 18 e 21 anos, embora em muitas pessoas nunca nasçam.

A importância do primeiro molar permanente

O primeiro molar permanente é um dos elementos dentais mais importantes da boca, pois seu correto desenvolvimento favorece a oclusão adequada. Quando os dentes superiores estão adequadamente relacionados aos dentes inferiores, a boca pode desempenhar suas funções adequadamente.

Muitas vezes, a erupção desse dente costuma passar despercebida, pois em geral não há desconforto como acontece nos bebês. E por não exigir que nenhum dente caia, aparece silenciosamente.

Por isso e por sua localização na parte inferior da arcada dentária, o primeiro molar não recebe a atenção que merece e é comum que sua higiene não seja adequada. Consequentemente, as cáries aparecem com muita frequência, e isso favorece a deterioração precoce de um dente que nos acompanhará por toda a vida.

O cuidado com os dentes

Os molares são os dentes responsáveis pela trituração e mastigação dos alimentos. Por isso, apresentam um tamanho grande e uma superfície irregular, com fissuras, manchas e rugas.

As características anatômicas dos molares e sua localização tornam sua higiene muito mais difícil do que com os outros dentes. Consequentemente, a placa bacteriana se acumula, predispondo à cárie dentária.

A escovação é uma forma muito eficaz de prevenir esse problema de saúde oral. Deve ser feita desde o aparecimento dos primeiros elementos dentários, com escova de cerdas macias e pasta com flúor em quantidades adequadas. Além disso, deve ser complementada com fio dental, pelo menos uma vez ao dia.

Os adultos devem escovar os dentes dos filhos até que eles próprios consigam fazer essa tarefa corretamente, o que ocorre por volta dos 6 a 8 anos. Em seguida, eles devem continuar a supervisionar essa atividade.

Cuidar da alimentação também é um ponto muito importante para a saúde bucal da criança. Limitar o consumo de açúcar e alimentos ultraprocessados tem um impacto positivo na cavidade oral.

Por fim, as visitas ao odontopediatra são igualmente importantes e devem começar no primeiro ano de vida. Assim, o profissional pode orientar os pais sobre os cuidados com a boca da criança, de acordo com sua idade e suas necessidades particulares. Além disso, pode detectar quaisquer problemas no início e tratá-los antes que se compliquem.

Para cuidar dos molares permanentes, o dentista pode usar selantes de fossas e fissuras ou tratamentos tópicos com flúor. Todas são medidas preventivas, que melhoram as características naturais desses elementos e reduzem o risco de cáries.

Criança usando fio dental.

É importante ficar de olho na idade em que os dentes nascem

Saber o momento estimado da erupção dos dentes permite que as famílias se preparem para oferecer o cuidado adequado. Ter dentes saudáveis ajuda a boca das crianças a se desenvolver sem problemas.

Com um acompanhamento responsável, você garantirá que seus pequenos tenham um sorriso lindo e saudável.

Pode interessar a você...
Dupla fileira de dentes em crianças: o que fazer?
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Dupla fileira de dentes em crianças: o que fazer?

Observar uma dupla fileira de dentes em crianças é causa de ansiedade em adultos e crianças. Descubra do que se trata e o que você deve fazer.



  • Magela, R. E., Leslie Imara, D. A. G., Brismayda, G. G., Maiyelín, L. R., & Gladia, T. M. (2015, July). CARACTERÍSTICAS DE LA ERUPCIÓN DENTARIA Y FACTORES QUE INFLUYEN EN EL ORDEN Y CRONOLOGIA. In Congreso Internacional de Estomatología 2015.
  • Salvatore, L. A., Abal, A. A., Castelli, P. E., Pérez Novoa, M. J., & Obiols, C. I. (2018). Primer molar permanente. La llave para una boca sana. In VI Jornadas de Extensión del Mercosur (UNICEN, Tandil, 24 al 27 de abril de 2018).
  • Ayala Pérez, Y., Carralero Zaldívar, L. D. L. C., & Leyva Ayala, B. D. R. (2018). La erupción dentaria y sus factores influyentes. Correo Científico Médico, 22(4), 681-694.
  • Dopico, M., & Castro, C. (2015). Importancia del primer molar permanente y consecuencias clínicas de su pérdida en edades tempranas del desarrollo. Acta odontológica Venez, 45(2), 23-37.
  • Manrique, T. O. O., Castillo, H. A. M., & de Neira, J. B. M. Z. (2013). Secuencia de erupción dentaria de caninos y premolares inferiores en una muestra de niños peruanos. Odontología Sanmarquina, 16(1), 13-16.
  • De la Tejera Chillón, A., Gómez, I. P., Barrera, G. B., Quinzán, Y. S., & Junco, A. R. (2017). Cronología y secuencia de erupción de los primeros molares permanentes. Medisan, 21(01), 12-18.
  • Alzate-García, F. D. L., Serrano-Vargas, L., Cortes-López, L., Torres, E. A., & Rodríguez, M. J. (2016). Cronología y secuencia de erupción en el primer periodo transicional. Ces Odontología, 29(1), 57-69.
  • Mártir Ventura, W. L., Mejía Llanes, Á. J., & Ramírez Guerrero, O. E. (2010). Tipos de secuencia y rangos cronológicos de erupción dentaria de caninos permanentes y premolares en pacientes atendidos en las clínicas de la Facultad de Odontología de la Universidad de El Salvador.
  • Rojas Alcocer, I. L. (2020). Conocimiento, actitudes y prácticas sobre la importancia del primer molar permanente en padres de niños entre 6 a 12 años atendidos en la Clínica del Niño y Madre Gestante de la Universidad Inca Garcilaso de la Vega en el año 2019-I.
  • Serafín, D. M., & Herrera, A. G. (2011). Cronología y variabilidad de la erupción dentaria. MediCiego, 17(4).