Improvisação teatral para crianças: exercícios

1 de dezembro de 2019
Trabalhar a improvisação teatral com as crianças é divertido para elas e proporciona o desenvolvimento de muitas habilidades. Além disso, facilita a realização de muitos objetivos de forma lúdica.

A improvisação teatral para crianças é uma ferramenta poderosa para a formação e o desenvolvimento delas. É um recurso muito valioso, não apenas quando falamos de teatro e atuação, mas de todos os exercícios de improvisação que fazemos com crianças, pois suas técnicas podem ser aplicadas na vida cotidiana.

Praticar teatro e improvisar na sala de aula ou fora dela estimula a criatividade das crianças. Habilidades de pensamento são desenvolvidas e a expressão corporal é aprimorada.

No início de qualquer criação artística, encontramos improvisação. Com ela, as crianças exploram um mundo de possibilidades, conhecendo um pouco mais do que as rodeia, elas mesmas e seus companheiros.

Improviso é, afinal, jogar um jogo com regras específicas. Com esse jogo, emoções, sentimentos e realidade são explorados. Improvisar é focar no “aqui e agora”. É, no final das contas, um exercício de atenção plena.

Exercícios de improvisação teatral para crianças

Todos os exercícios de improvisação teatral para crianças têm como principal objetivo aprender a improvisar, mas não é o único. Vamos adicionar outros objetivos muito importantes para cada exercício.

É essencial lembrar as crianças, enquanto elas improvisam, da importância de deixar. Deixe-os ver que, às vezes, você tem que ser capaz de não pensar muito e de aprender a deixar as coisas acontecerem.

atuação infantil

Improvisação de grupo com música

  • Número de crianças: precisamos, pelo menos, de um grupo de 4 crianças.
  • Idade: a partir de quatro anos.
  • Duração recomendada: 5 minutos. Se o grupo for mais numeroso, precisaremos de mais tempo.
  • Objetivos da improvisação: desenvolver a expressão corporal através da música. Reproduzir e investigar um ritmo musical com o corpo. Deixe-se levar pela música. Observe os outros e concentre-se.

Colocaremos uma música animada e nos faremos com as crianças um círculo. Na primeira parte, nós encorajaremos os pequenos a seguir nossos movimentos. Faremos movimentos simples e repetitivos ao ritmo da música e as crianças nos imitarão.

Na segunda parte, cada uma das crianças no círculo, em ordem, executa um movimento (também ao ritmo da música) e as outras imitam. Estaremos orientando o exercício enquanto indicamos a criança que irá liderar os outros.

Se elas se sentirem bloqueadas, devemos lembrar que o importante é improvisar, não pensar demais e se deixar levar pela música.

Improvisação teatral para crianças: “conhecer o espaço”

  • Número de crianças: precisamos, pelo menos, de um grupo de quatro ou cinco.
  • Idade: a partir dos seis anos.
  • Duração recomendada: 10 minutos. Se houver mais crianças, precisaremos de mais tempo.
  • Objetivos da improvisação: verificar o estado emocional e físico. Conectar-se com os outros. Trabalhar a expressão das próprias emoções e descobrir as dos outros.

Vamos dizer às crianças para andarem pelo espaço cênico com algumas regras básicas e simples. Elas devem tentar ocupar todo o espaço do palco. Elas devem permanecer equidistantes entre si, isto é, não deve haver grandes lacunas ou áreas onde fiquem muito juntas.

Enquanto as crianças caminham pelo espaço, estaremos narrando o que devem fazer. Estas são algumas das diretrizes:

  • Andar em silêncio, olhando apenas para si mesmas, prestando atenção ao que sentem, mas tomando cuidado para não colidir com nenhum companheiro.
  • Continuar andando e, então, começar a ter contato visual com as outras. Pensar em como se sentem e o que provoca o contato visual com os outros do grupo.
  • Quando as crianças ouvirem palmas, deverão cumprimentar o parceiro que estiver mais próximo. Começaremos com uma breve saudação e cada vez a saudação será mais intensa.
  • Adicionaremos situações emocionais que elas deverão representar: andar muito feliz, muito triste, zangadas, com medo…

Cena estática

  • Número de crianças: precisamos, pelo menos, de um grupo de quatro crianças.
  • Idade: a partir dos seis anos.
  • Duração recomendada:  entre 15 e 20 minutos. Se houver mais crianças, precisaremos de mais tempo.
  • Objetivos da improvisação: trabalhar o silêncio. Criar seus próprios personagens e uma cena de grupo. Aprender a observar e ir além do que parece. Relacionar-se com os outros, bem como trabalhar a expressão corporal.

Nós dividiremos as crianças em grupos. Se tivermos um grande número de crianças para realizar a atividade, poderemos fazer mais de dois grupos.

jovens atores

A atividade consiste em se separar em grupos e criar uma cena estática. Algo como uma foto em 3D. Enquanto um grupo cria sua imagem, as outras crianças permanecem em silêncio de costas. Quando a imagem for criada, as outras crianças poderão então se virar e observar por um tempo, em silêncio.

Para a criação da imagem estática, elas devem primeiro decidir quais personagens irão interpretar, que histórias querem ver do lado de fora e qual ação cada um irá executar na imagem.

As outras crianças, depois de observar por um tempo, têm que levantar as mãos e, então, dar uma ideia sobre o que veem. Tentar descobrir quais personagens estão sendo encenados, o que eles estão fazendo, o que está acontecendo na cena.

No final, as crianças da pintura, com uma indicação nossa, movem-se e dão vida à cena, interpretando-a. Para finalizar, explique o que estava acontecendo na cena e compare com o que os atores queriam que fosse e como era quando visto de fora.

Em conclusão…

Por fim, é importante lembrar que, na improvisação teatral infantil, é necessário insistir na importância de pensar nos colegas. Além disso, todos devem ser tão generosos consigo mesmos quanto com os outros. Não há lugar para julgar, e as crianças deverão se deixar levar pelas novas sensações.

  • Daste C.; Jenger, Y. y Voluzan, J. (1978). El niño, el teatro y la escuela. Madrid: Villalar.
  • Eines, J. y Mantovani, A. (1997). Didáctica de la Dramatización. Barcelona: Gedisa.
  • Navarro Solano, M. (2007). Drama, creatividad y aprendizaje vivencial: algunas aportaciones del drama a la educación emocional. Cuestiones pedagógicas, 18, 163-174. https://idus.us.es/xmlui/bitstream/handle/11441/12845/file_1.pdf?sequence=1
  • Núñez Cubero, L. y Romero, C. (2004). La educación emocional a través del lenguaje dramático. Addenda a la II Ponencia: Los lenguajes de las Artes. Escenas y Escenarios en Educación, XXII-Site-Sitges Conference.
  • Núñez Cubero, L.; Bisquerra Alzina, R.; González Monteagudo, J. y Gutiérrez Moar, M.C.(2006). Emociones y educación: una perspectiva pedagógica. En J.M. Asensio; J. Carrasco García; L. Núñez Cubero y J. Larrosa (Coords.) La vida emocional. Las emociones y la formación de la identidad humana (171-196). Barcelona: Ariel.
  • Tejerina, I. (1994). Dramatización y teatro infantil. Dimensiones psicopedagógicas y expresivas. Madrid: Siglo XXI.
  • Vieites, M. F. (2017). La Pedagogía Teatral como Ciencia de la Educación Teatral. (UVIGO). Universidad de Vigo. Pontevedra. España. Revista Educaçao & Realidade, Porto Alegre 42 (4): 1421-1544. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/edreal/v42n4/2175-6236-edreal-62918.pdf
  • Laferriere, G. (1999). 11 La pedagogía teatral, una herramienta para educar. Educación social1, 55.  Recuperado de https://core.ac.uk/download/pdf/39108274.pdf