Mastite e probióticos

22 Fevereiro, 2019
Quando a mastite aparece, os medos e a preocupação também surgem na mamãe. Com isso, vêm também a ansiedade e o desconforto. Mas, na verdade, não se trata de uma patologia séria. Para minimizar os seus efeitos, o uso de probióticos é cada vez mais recomendado.

As estatísticas mostram que a mastite afeta 10% das mulheres que se encontram em fase de amamentação. Na verdade, essa condição não afeta a saúde do bebê, apenas causa desconforto e certa ansiedade na mulher.

Quando a mãe suspeita que está passando por essa situação, ela pode ficar preocupada se a combinação entre a mastite e os probióticos (com os quais essa condição é combatida) prejudicará a criança. Isso causa ainda mais ansiedade e preocupação.

A dor aguda que a mãe com mastite sente ao amamentar o filho pode causar desespero. Se o médico prescrever medicamentos, naturalmente ela vai querer evitar que afetem a criança.

Às vezes, a mãe pode até pensar que a única solução é interromper a amamentação e alimentar o bebê com leite de fórmula ou outros alimentos especiais. Contudo, nada se compara ao leite materno. Felizmente, a interrupção da amamentação não é necessária. Na verdade, essa é a pior decisão em caso de mastite.

Mastite e probióticos: uma combinação que cura

A mastite é uma infecção geralmente bacteriana que aparece no período de lactação. Os microrganismos que a causam entram por uma pequena lesão na mama, que talvez a própria criança tenha provocado ao sugar o leite, e chegam ao tecido mamário.

Como consequência, os sintomas característicos aparecem. A mama fica inflamada, a pele fica vermelha e a dor é muito intensa, semelhante a picadas de agulhas na área afetada. Além disso, a mulher se sente desanimada e apática.

Tal como acontece com a maioria das infecções, podem ser necessários alguns medicamentos para curar a mastite. Nesse caso, a combinação de mastite e probióticos é muito eficaz.

Até pouco tempo atrás, os antibióticos eram a única opção para tratar a mastite. No entanto, existem alguns agentes infecciosos que são resistentes a eles. Hoje em dia, o estado de saúde das mulheres pode ser melhorado através de probióticos.

É aconselhável conhecer a interação entre mastite e probióticos para solucionar e até prevenir essa condição.

Como a mastite e os probióticos interagem?

Na relação entre mastite e probióticos, existem algumas variáveis a serem consideradas:

  • A perspectiva para determinar o tratamento da mastite está mudando. Em vez de tentar eliminar os microrganismos que a causam, a ideia é fortalecer aqueles que são fracos ou que foram perdidos.
  • O que são probióticos? São microrganismos vivos que, quando administrados em doses adequadas, melhoram a saúde do organismo. Geralmente, são lactobacilos e bifidobactérias.
  • Como os probióticos agem na mastite? O leite materno não é estéril. No seio existe um grande número de microrganismos que contribuem para compor a flora intestinal do bebê e esses microrganismos normalmente permanecem em equilíbrio. Mas quando esse equilíbrio é alterado, aparece mastite.
  • Tenta-se restabelecer o equilíbrio através dos probióticos. Para isso, a mãe recebe os microrganismos vivos de que precisa.
  • Por que não usar antibióticos? Na verdade, os antibióticos não são ruins em si e não prejudicam a criança. No entanto, existem alguns tipos que causam mastite resistente aos antibióticos e, portanto, há casos em que não são eficazes. Em alguns casos, os antibióticos e probióticos são usados simultaneamente.
  • Como é possível saber se a condição requer probióticos? Por meio de uma amostra de leite materno, o profissional pode descobrir quais microrganismos estão causando a infecção e quais devem ser fortalecidos. Assim, a partir dessas informações, probióticos específicos podem ser fornecidos para o caso.

A interrupção da amamentação não é necessária. Na verdade, essa é a pior decisão em caso de mastite.

Prevenção através de probióticos

Além das questões que acabamos de mencionar, existem outras que podem surgir em relação à mastite. Em seguida, vamos nos aprofundar em algumas delas:

  • É possível prevenir a mastite tomando probióticos? Se tomados em quantidade e forma adequadas, os probióticos podem prevenir a mastite leve. Eles impedem a colonização de estafilococos e estreptococos, que são os agentes que geralmente causam a infecção.
Mastite e probióticos é uma combinação eficaz que não prejudica a saúde do bebê.

  • Como os probióticos são consumidos? Geralmente, são administrados por via oral. Na farmácia, podem ser encontrados na forma de comprimidos ou envelopes solúveis. Lembre-se de que é sempre importante consultar um profissional sobre a conveniência de tomar probióticos.
  • Quais outros efeitos os probióticos possuem durante a amamentação? Além de prevenir ou curar a mastite, os probióticos ajudam a tratar outras doenças na mama causadas pelo leite.
  • Eles afetam a qualidade do leite? É verdade que o uso de probióticos modifica levemente a composição do leite, mas isso não afeta a saúde da mulher ou do bebê.

Em suma, existem vários problemas que as colônias de microrganismos da mama podem causar às mulheres. A mastite é a mais frequente, mas você não precisa se preocupar. Lembre-se de que mastite e probióticos formam uma boa combinação.

  • Fernández, L., Arroyo, R., Espinosa, I., Marin, M., Jiménez, E., & Rodríguez, J. M. (2014). Probiotics for human lactational mastitis. Beneficial Microbes. https://doi.org/10.3920/BM2013.0036