Medicamentos e gravidez: o que você deve saber

O consumo de medicamentos durante a gravidez deve ser feito sempre sob indicação médica. Evite a automedicação, pelo risco que implica para a sua saúde e a saúde do seu bebê.
Medicamentos e gravidez: o que você deve saber

Última atualização: 28 Outubro, 2021

Alguns desconfortos são comuns durante a gravidez e muitas vezes nos levam a pensar em tomar medicamentos para aliviá-los. Mas eles são seguros nessa fase?

Essa pergunta é muito frequente e deve ser abordada na consulta, uma vez que alguns medicamentos ou substâncias que são consumidos na gravidez chegam ao bebê pela placenta.

A seguir, vamos contar tudo o que você precisa saber sobre os medicamentos durante a gravidez, para que você entenda por que é necessário tomar precauções a esse respeito.

Como saber se um medicamento é seguro durante a gravidez?

Durante a gravidez, deve-se ter mais cuidado ainda com a saúde da mãe. Em consonância, é importante evitar o consumo de certos alimentos e substâncias potencialmente prejudiciais a ela ou ao bebê.

Os medicamentos são produtos químicos fabricados com a finalidade de tratar doenças ou aliviar alguns desconfortos. No entanto, podem ter efeitos adversos no feto, desde malformações até morte intrauterina. Esses efeitos negativos no desenvolvimento fetal são chamados de teratogênicos.

Por outro lado, existem medicamentos que não atravessam a placenta, mas que, da mesma forma, aumentam os riscos à saúde do bebê. Por exemplo, por meio de alguns dos seguintes efeitos na gestante:

  • Aumento do tônus uterino, que favorece o aparecimento de contrações.
  • Alteração do fluxo sanguíneo na placenta, que interfere na troca de gases e nutrientes entre a mãe e o bebê.
  • Danos em diversos órgãos da mãe, situação que pode condicionar a vida de ambos.

Acima de tudo, os medicamentos devem ser usados para melhorar a saúde e devem ser evitados quando o risco supera o benefício. Por isso, não é aconselhável consumir nenhum medicamento sem a indicação médica correspondente.

médico prescreve entrega em mãos de prescrição médica para mulher paciente

Sistema de classificação de medicamentos seguros na gravidez

Em 1970, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos criou um sistema de classificação de medicamentos, que estabelece o risco de envolvimento fetal para cada medicamento. O objetivo é fornecer aos profissionais as orientações necessárias para a adequada prescrição farmacológica da gestante.

Nesse sistema, os medicamentos são classificados em 5 categorias de risco teratogênico (A, B, C, D ou X), de acordo com informações disponíveis em estudos científicos.

Nesse sentido, a categoria A é a mais segura para a gravidez e a X, a mais perigosa. A maioria dos medicamentos se enquadra no grupo C, o que significa que não há informações suficientes para garantir sua total segurança.

Embora esse tema seja discutido nas consultas pré-natal, muitas pessoas desconhecem o risco ou o subestimam.

Segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), 90% das mulheres tomam medicamentos em algum momento da gravidez e em apenas 70% dos casos são medicamentos prescritos por um profissional.

O que você deve ter em mente sobre os medicamentos durante a gravidez?

Certamente, os medicamentos são necessários para tratar muitos distúrbios de saúde e as mulheres grávidas não estão isentas. Algumas grávidas têm doenças crônicas prévias, enquanto outras as adquirem durante a gravidez.

Em ambos os casos, recomendamos algumas medidas preventivas.

Informe ao seu médico se você sofre de alguma doença

Se você está tomando medicamentos para tratar doenças crônicas, deve discutir isso com seu médico desde a consulta prévia à concepção. Dessa forma, o profissional pode avaliar os riscos e orientar melhor.

Caso não haja nenhuma necessidade específica, é melhor evitar a exposição do bebê a medicamentos e outros produtos químicos.

Procure informações confiáveis

Atualmente, temos muitas informações sobre doenças e medicamentos disponíveis na internet. No entanto, nem sempre são fontes confiáveis ou não são interpretadas corretamente.

Portanto, é melhor ficar atenta às recomendações do obstetra ou da enfermeira, que com certeza estão suficientemente atualizados sobre o assunto.

Limite o uso de medicamentos

Quanto mais medicamentos forem tomados durante a gravidez, maior será a chance de prejudicar o feto. Por isso, é necessário equilibrar riscos e benefícios e evitar o consumo de todos os medicamentos que não sejam essenciais.

Evite medicamentos de venda livre

Os remédios sem receita são tão arriscados quanto os remédios controlados e, de fato, muitos deles combinam produtos químicos diferentes. Um exemplo disso são os medicamentos para a gripe ou outras condições comuns.

Não consuma plantas nem remédios naturais sem aprovação médica

Embora digam que o natural é seguro para a gravidez, isso nem sempre é verdade. Muitas plantas e remédios naturais podem estimular a atividade uterina e causar danos à sua saúde e à do seu bebê.

Além disso, as informações científicas sobre o uso desses compostos em gestantes são muito escassas, o que dificulta a garantia da segurança do consumo nessa fase. Quando você quiser tentar essas alternativas, é importante ouvir o conselho de seu obstetra.

Medicamentos usados na gravidez

Os desconfortos na gravidez são comuns e variados: abdominais e dores de cabeça, náuseas, azia, prisão de ventre, hemorroidas, entre outros. Por esse motivo, os medicamentos mais comumente usados durante a gravidez são os seguintes:

  • Paracetamol: aprovado como analgésico (para a dor) ou antifebril na gravidez.
  • Antiácidos: são usados para dores de estômago e são permitidos apenas aqueles que contêm carbonato de cálcio ou inibidores da bomba de prótons.
  • Anti-histamínicos (antialérgicos): entre eles, a loratadina é uma boa opção, mas é recomendável evitar esse tipo de medicamento no primeiro trimestre.
  • Laxantes de fibras: opções como ispágula podem ser usadas, mas é melhor ajustar os padrões alimentares.
  • Antibióticos: suas indicações dependem do agente causador e do contexto de saúde da mãe.
  • Vitaminas pré-natais: são recomendadas para prevenir defeitos congênitos e compensar as deficiências nutricionais.

Medicamentos que você não deve consumir durante a gravidez

A seguir, vamos mencionar alguns medicamentos contraindicados durante a gravidez:

  • Anticoagulantes dicumarínicos.
  • Inibidores da enzima de conversão da angiotensina (captopril, enalapril).
  • Dietilestilbestrol.
  • Fluconazol em altas doses.
  • Metimazol.
  • Retinóides sintéticos.

Não se automedique!

Se você tiver alguma necessidade de tratamento durante a gravidez, converse primeiro com seu médico. Deste modo, poderá receber aconselhamento adequado para resolver o desconforto, sem correr riscos desnecessários para a sua saúde e a do seu bebê.

Lembre-se de que seu bebê recebe tudo o que você come e, embora possa parecer que o que você ingere é totalmente seguro, nem sempre é assim.

Pode interessar a você...
6 truques para dar remédios para crianças
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
6 truques para dar remédios para crianças

Dar remédios para crianças é uma das tarefas mais difíceis que os pais têm que enfrentar. As crianças pequenas são muito intolerantes a sabores for...