Meu filho não quer trabalhar nem estudar. O que devo fazer?

· 16 de maio de 2018
Os jovens que não querem trabalhar nem estudar entram em um círculo perigoso. Pouco a pouco, eles sentem que não podem enfrentar a vida sozinhos e cruzam os braços para os desafios. Isso pode acabar criando um comportamento que os leve a se sentir inferiores e desencantados com tudo.

Nos últimos anos, uma das queixas mais frequentes de pais com filhos jovens é: “Meu filho não quer trabalhar nem estudar”. Esses jovens desencantados com a vida entram em um período de confusão, de modo que não se satisfazem nem com o estudo nem com o trabalho.

De fato, e a partir do ponto de vista social, os jovens sem estímulos acabam sendo uma geração passiva, acomodada e sustentada por seus pais; não têm visão do futuro e não se gera o esforço suficiente para atingirem metas ou sonhos.

Por que meu filho não quer trabalhar nem estudar?

Jovens sem incentivo são o resultado de pelo menos dois fatores que afetam sua maneira de ver a vida. O primeiro é a superproteção paterna e o segundo, a sociedade.

Na prática, muitos dos pais que se queixam de que “meu filho não quer trabalhar nem estudar” são os que causaram essa situação, superprotegendo os filhos desde que nasceram. Isso nem sempre é o caso, mas as estatísticas surpreendem ao mostrar tantas suposições sobre a superproteção dos pais.

Esse tipo de educação resulta em futuros jovens ociosos; eles não assumem a responsabilidade por suas ações nem têm a capacidade de enfrentar e resolver os problemas por conta própria.

Em geral, os jovens com este problema sentem que não podem viver a vida sozinhos. Eles têm medo de enfrentar o futuro e, por isso, cruzam os braços para os desafios, não querem se superar. Isso resulta em um círculo vicioso mental que os leva a se sentir inferiores e desencantados com tudo.

Além disso, como estão acostumados que seus pais resolvam os problemas, eles têm pouca tolerância à frustração. Então, reagem muito mal quando as coisas não acontecem como eles querem.

Promover valores

O aspecto social

A sociedade é outro fator que influencia muito essa geração de jovens que não quer trabalhar nem estudar. Vivemos em um mundo competitivo, que não dá oportunidades para quem está entrando no mundo do trabalho.

Para os jovens é difícil se posicionar em um bom trabalho, mesmo depois de longos anos de estudo. Com isso, eles acabam pensando que não vale a pena se esforçar para obter um título porque não há oportunidades.

Se para uma pessoa com formação é difícil encontrar um emprego, é ainda mais para quem não é qualificado. Portanto, a conclusão é: por que me esforçar se a sociedade não me aceita de qualquer forma?

Os jovens nem-nem – chamados assim em alguns fóruns, pela frase “nem estudam nem trabalham” – sentem que qualquer esforço é uma perda de tempo. Essa falta de vontade de superar e lutar por seus sonhos torna esses jovens vítimas da sociedade que tanto rejeitam.

Como não têm um ideal a seguir, eles se moldam pelas modas e tendências sem se questionar se gostam ou não delas. Eles se transformam em marionetes das tendências sem questionar se são corretas ou saudáveis; eles se deixam levar passivamente pelo ambiente e consomem tudo o que é oferecido a eles.

O resultado final será sua transformação em pessoas que não podem e não querem se comprometer ou lutar por seus valores; entre outras coisas, porque não sabem quais são.

“Os jovens nem-nem sentem que qualquer esforço é uma perda de tempo

Meu filho não quer trabalhar nem estudar, será ele um jovem nem-nem?

A boa notícia é que os jovens nem-nem ainda são uma minoria. No entanto, a preocupação dos pais com os filhos que não querem trabalhar nem estudar está aumentando. Como ajudar esses jovens? O primeiro passo é saber por que esse fenômeno acontece. Nesse sentido, os conselhos a seguir podem ser úteis:

Incentivar a autoestima

Como pais, se deve ensinar aos filhos a se amarem de maneira equilibrada. Eles precisam saber quais são suas qualidades para refiná-las e reconhecer seus defeitos para controlá-los.

Estabelecer limites razoáveis

Promover valores

O material nunca deve encobrir as deficiências de personalidade. Dessa forma, os valores que os formarão como adultos responsáveis e comprometidos com o seu ambiente serão fortalecidos.

Definir limites razoáveis

O fato de estabelecer limites concretos ajuda os jovens a lidar com a frustração, ensinando-os a reconhecer até onde podem chegar. Os limites devem ser claros, não precisam exigir demais nem de menos.

Se necessário, deve-se recorrer à orientação de um psicólogo; ele ajudará a família como um todo a lutar contra esse problema cada vez mais comum. Se você é um daqueles que dizem “Meu filho não quer trabalhar nem estudar”, você deve se envolver para mudar o curso da situação.