Não despreze um bebê quando chora, verifique o que ocorre

· 30 de dezembro de 2018
Existem pessoas que ainda acreditam que é bom deixar os bebês chorando de vez em quando para que não se acostumem a serem atendidos de imediato pela mãe.

A verdade é que os bebês necessitam do carinho e do apego de suas mães e pais para se sentirem seguros e protegidos, tanto a nível físico como emocional.

Um bebê passou 9 meses no ventre de sua mãe e, ao chegar ao mundo, necessita de sua proteção constante para ter um bom desenvolvimento físico e emocional.

A tarefa da maternidade pode ser esgotadora. Mas quando se compreende que um bebê precisa de você todo o tempo, percebe-se que também é maravilhosa.

Deixar um bebê chorar somente para que ‘aprenda a se acalmar’ não fará com que ele se sinta mais abandonado e se conforme que seu choro não será atendido. Na verdade, cria um sentimento de que não pode confiar em seus principais cuidadores.

Um bebê (e uma criança ainda pequena) não sabe se acalmar sozinha, ou seja, não tem a capacidade de autorregular suas emoções mais intensas.

Por isso, precisa do contato físico constante com seus pais. Necessita sentir o calor e o amor de seus progenitores para poder se acalmar e saber que está tudo bem. Que está bem protegido, seguro e que pode confiar nas pessoas que lhe deram a vida.

O que acontece quando um bebê chora

quando chora

Quando um bebê chora, é porque está com fome, com sono, está irritado, alguma coisa dói, necessita do amor de seus pais, etc. Mas quando chora, sempre chora por um motivo.

Um bebê não chora para que você o acostume a tê-lo nos seus braços. Ele chora porque precisa de você, porque você deve atender suas necessidades já que ele não tem outra forma de se comunicar. Seu choro é a única via de comunicação para que possa ser atendido.

Quando uma mãe se preocupa em saber o que acontece com o bebê e o atende, este deixará de chorar porque foram atendidas suas necessidades e, além disso, sentiu que pode confiar em seu entorno.

A maternidade é frágil e sensível. Por isso, é necessário entendê-la como uma necessidade básica para o desenvolvimento dos bebês desde o momento em que nascem até quando estão em seus braços. 

O silêncio dos bebês que não são atendidos

Existe uma história comovente para qualquer pessoa com empatia que fará você pensar no que necessitam os bebês.

É a história de um missionário que visitou um orfanato em Uganda. Ele entrou em um quarto onde viu que haviam uns 100 berços com bebês. Mas algo lhe chamou a atenção: nenhum bebê chorava.

O quarto com mais de 100 berços com bebês estava em total silêncio. Como isso pode ser possível? O missionário não entendia esse silêncio tão estranho.

Mas uma trabalhadora desse orfanato comentou com ele que depois de que os bebês passam uma semana no orfanato e chorando dia e noite, de repente param de chorar quando se dão conta de que ninguém os atende. 

Em suma, eles descobrem que não serão atendidos, se sentem abandonados, sabem que ninguém os atenderá… e que estão sozinhos. 

Essa desatenção e abandono com os bebês deixam sequelas em sua identidade. Eles deixam de ser bebês e, de algum modo, sentem que devem parar de chorar porque não podem confiar em ninguém.

Isso é horrível para o desenvolvimento emocional dos bebês e, por isso, nenhum adulto deveria deixar um bebê chorar. Basicamente, porque eles necessitam ser atendidos, sempre.

quando chora

O choro é comunicação

Quando seu bebê chora, não é para te irritar. O choro somente é uma forma de se comunicar com você a qualquer hora do dia.

É possível que você esteja esgotada e que te faltem forças, mas seu bebê necessita de seu amor incondicional e isso é primordial para seu desenvolvimento e para manter seu vínculo emocional. Seu bebê necessita saber que você está ao seu lado, que ele não esta sozinho, que o abandono não existe para ele.

Os bebês precisam que seus pais se comprometam a cuidar deles, a atender suas necessidades, a lhes dar seu amor incondicional e a fazê-los saber que estão ao seu lado a cada momento.

Necessitam que seus pais os prometam que não os deixarão sozinhos, que não os deixarão chorar e que entenderão que esse choro é apenas uma forma de se comunicar com eles.