Porque não devemos obrigar as crianças a comer?

· 4 de janeiro de 2017

Há muito tempo e ainda hoje alguns pais tem o costume de obrigar as crianças a comer toda a comida que lhes servem no prato. Mas, é correto exigir isso deles? Não devemos forçar as crianças a comer, visto que elas mesmas sabem quando precisam comer ou não.

Os especialistas coincidem em dizer que não se deve obrigar as crianças a comer. Como todo ser humano elas também percebem quando precisam comer e quando é preciso parar. Porém, se estamos constantemente pressionando-as para que terminem o prato, não estarão escutando seu próprio corpo, mas sim as nossas imposições.

Julio Basulto, nutricionista e escritor de vários livros, fala a respeito: “Não devemos insistir para que nossos filhos comam algo que não querem, mais do que desejam ou mais rápido do que podem”. Se insistirmos, só conseguiremos resultados negativos.

Por outro lado, é importante que tenhamos em conta que as crianças são, precisamente, crianças. São menores do que nós e por isso sua dieta é diferente da nossa. Principalmente, quando são menores. Seus estômagos são menores do que os nossos, por isso não podemos esperar que suas porções sejam do mesmo tamanho que as nossas.

obrigar as crianças a comer

Consequências de obrigar as crianças a comer

Acreditamos estar fazendo bem ao obrigar as crianças a comer algo que não gosta ou para que termine o prato por inteiro. Mas não é a verdade.

Insistir com a criança pode causar rejeição em relação ao alimento que estamos tentando fazê-la comer.

Por outro lado, se o pequeno continua comendo apesar de satisfeito estará consumindo mais alimentos do que precisa. Quando uma criança come mais do que precisa pode surgir problemas de sobrepeso.

Quais são as condutas habituais que devemos evitar?

  • Ameaçar a criança de privá-la de alguma atividade que ela gosta.
  • Fazê-la se sentir mal.
  • Contar mentiras.
  • Pressioná-la.
  • Aterrorizá-la.
  • Maltratá-la psicologicamente.

O que podemos fazer para que comam?

  1. Dê-lhe tempo: cada pessoa come de uma maneira e em um ritmo. Até mesmo os pais devem ter ritmos diferentes pra fazerem suas refeições. É importante compreender isso e não pressionar a criança. Respeitar seu tempo para cada refeição fará com que ela se sinta mais tranquila e cômoda ao comer.
  2. Oferecer alimentos novos pouco a pouco: as crianças devem assimilar e se acostumar com cada alimento novo. Se lhes oferecemos muitos ingredientes novos em uma mesma refeição será mais difícil pra elas assimilarem. Farão isso melhor se formos sugerindo pouco a pouco novos pratos, sem forçá-los a comer algum se não aceitarem em primeira instância.
  3. Evitar distrações: a hora de comer deve ser exclusivamente para isso. É preferível evitar a televisão e todo tipo de brinquedos. Dessa forma as crianças vão focar apenas nos alimentos.
  4. Comer com a família: é importante que adquiram o hábito de comer junto com os outros membros da família. Colocá-la na mesa nos horários em que todos habitualmente comem melhorará sua relação com o entorno e com a alimentação. Lembre que a medida que vão crescendo querem se sentir incluídos e ser parte de tudo o que os pais fazem.
  5. Dê o exemplo: se você quer que seu filho coma algo você também deve comer. Se tenta dar para a criança comer uma coisa que você não está disposta a comer também, vai ser difícil! Você deve mostrar à ela que o que está tentando fazê-la comer é delicioso e também lhe agrada.obrigar as crianças a comer é um erro
  6. Evite fazer caras de intriga ou preocupação ao dar um novo alimento: o melhor é tornar a experiência o mais natural possível. Se não a criança perceberá que algo não está bem e se alarmará, aumentando a probabilidade de rejeitar a comida.
  7. Evite os doces e outros tipos de alimentos antes da hora de comer: se permitimos que a criança coma coisas antes do horário do almoço ou do jantar  ela estará menos disposta a comer na hora certa. Se você oferece algo que não lhe é muito atraente será mais fácil rejeitar, visto que já comeu antes.

Lembre-se que cada um tem seu tempo, e respeitar o tempo da criança ajudará a construir uma relação melhor e oferecerá as ferramentas para que ela possa ter uma alimentação mais saudável.