O colesterol infantil

O colesterol é um dos grandes problemas da atualidade no que se refere à alimentação infantil. Então, como cuidar do colesterol?
O colesterol infantil

Última atualização: 01 Março, 2018

O colesterol infantil alto é combatido com hábitos de vida saudáveis. Uma boa dieta e uma rotina de exercícios são a melhor receita para evitá-lo.

Também conhecido como hipercolesterolemia ou hiperlipidemia, ele é um distúrbio que pode ter origem genética, mas quase sempre é resultado de uma má alimentação.

O risco de doença cardiovascular é alto. Na Espanha, por exemplo, o colesterol infantil afeta uma média de 2 em cada 10 crianças. Deixou de ser um problema exclusivo dos adultos, manifestando-se cada vez mais cedo.

O colesterol é uma gordura (lipídio) que o corpo necessita para produzir hormônios e as membranas das células. É produzido no fígado e transportado pelo sangue.

Existem três tipos de colesterol:

  • A lipoproteína de alta densidade (HDL) é mais conhecida como o bom colesterol.
  • O colesterol ruim é a lipoproteína de baixa densidade (LDL).
  • O colesterol total é a combinação dos dois.

O processo

O HDL recolhe o colesterol dos tecidos e o leva até o fígado. Quando o organismo recebe mais gordura do que o necessário, há um aumento do colesterol ruim, (LDL).

Quando existe excesso de LDL, o organismo corre um risco maior. Por que? Porque tem mais chances de ter doenças, especialmente cardíacas e acidentes vasculares cerebrais.

  • Os níveis ideais de colesterol ruim devem ser inferiores a 110 mg/dl.
  • O HDL, ou colesterol bom, deve ser maior do que 45 mg/dl.
  • O colesterol total deve ser inferior a 170 mg/dl.
  • Os triglicerídeos devem ser inferiores a 90 em crianças a partir de 10 anos.
comidas gordurosas

Fatores de risco

A dieta, a obesidade e a hereditariedade são três fatores que influenciam o aumento da hipercolesterolemia. Geralmente, a causa principal é a má alimentação.

As comidas gordurosas e com baixo valor nutricional contribuem para o aumento do colesterol infantil. Vale lembrar que o excesso de carne vermelha e carboidratos é um fator determinante. Portanto, o consumo abusivo de hambúrgueres, refrigerantes e doces também são prejudiciais para as crianças.

Frios, embutidos, gema de ovo, camarões, queijos curados, macios e frescos são comidas de alto risco devido ao excesso de gorduras.

Por outro lado, frutas, verduras, legumes e grãos (cereais como o arroz, por exemplo) carecem de colesterol ruim. Isso significa que podem ser ingeridos várias vezes ao dia; o peixe é uma das opções mais saudáveis.

A genética

A maioria das crianças com colesterol alto tem um ou ambos os pais com a mesma condição. Ainda que existam outras doenças hereditárias, como a diabetes e a obesidade, exames de sangue são essenciais.

A obesidade

O excesso de peso é uma das causas de aumento do colesterol infantil. Além disso, o sedentarismo é um mau hábito que aumenta o risco de colesterol infantil elevado.

Outras doenças

Quando doenças renais, hepáticas, hipertensão, hipotireoidismo, doença de Kawasaki ou diabetes são identificadas, os cuidados com o estilo de vida devem ser ainda maiores e é necessário fazer acompanhamento médico. Por outro lado, é fundamental fazer exames de rotina nas crianças para avaliar seu estado de saúde.

Dos 9 aos 11 anos de idade (e, depois, entre os 17 e 21 anos) é importante certificar a ausência de colesterol infantil alto. Se a criança apresentar os supracitados fatores de risco, será ainda mais urgente fazer o controle.

O coração e o cérebro são os mais prejudicados

O excesso de colesterol ruim no sangue se acumula nas paredes das artérias que chegam ao coração e ao cérebro. Esse acúmulo endurece e obstrui os vasos sanguíneos. Aumenta o risco de coágulos que podem causar ataque cardíaco ou um derrame cerebral.

Quando as artérias se endurecem, um fenômeno conhecido como arteriosclerose acontece e pode diminuir o fluxo de sangue nos intestinos e rins. O que transforma o colesterol infantil em um assunto que merece atenção.

A importância de uma alimentação saudável

A importância de uma alimentação saudável

Uma alimentação saudável e livre de gorduras saturadas é fundamental para prevenir e controlar o colesterol infantil ruim.

Os ácidos graxos monoinsaturados e poli-insaturados do peixe, do azeite e de sementes são parte importante da dieta. Também os vegetais, os legumes, os cereais, as hortaliças e as frutas.

Prefira temperos, molhos e sobremesas com baixo teor de gordura. Também é igualmente importante consumir leite desnatado, carnes magras e peixe. Evite bebidas açucaradas e industriais, assim como carne vermelha em excesso.

Exercícios contra o colesterol infantil

É importante evitar o sedentarismo a todo custo. Caminhar, nadar, andar de bicicleta e corridas moderadas aumentam o colesterol bom e reduzem o ruim. Também diminuem os níveis de triglicerídeos.

Uma hora de atividade física ao dia é o mais recomendado para crianças com mais de 5 anos de idade. Os videogames e a televisão não devem ser a única “atividade” extra ou de lazer das crianças em seu dia a dia. É imprescindível que passem tempo ao ar livre, brinquem e pratiquem exercícios de maneira recreativa.

Tratamento adequado

Os medicamentos para controle do colesterol infantil podem ser receitados a partir dos 10 anos. Se uma dieta saudável durante mais de seis meses não surtir efeitos, será necessário tomar uma atitude imediatamente.

Quando o colesterol ruim (LDL) está acima de 190 mg/dl, é necessário consultar o pediatra e considerar o uso de medicamentos. O mais importante é ficarmos atentos e cuidar da saúde de nossos filhos.

Pode interessar a você...
Consequências da má alimentação nas crianças
Sou Mamãe
Leia em Sou Mamãe
Consequências da má alimentação nas crianças

As consequências da má alimentação nas crianças se traduzem no surgimento de patologias graves que podem ter desenlaces altamente prejudiciais.



  • Ahmad F., Leake DS., Lysosomal oxidation of LDL alters lysosomal pH, induce senescense, and increases secretion of pro inflammatory cytokines in human macrophages. J Lipid Res, 2019. 60 (1): 98-110.
  • Ahmad F., Leake DS., Antioxidants inhibit low density lipoprotein oxidation less at lysosomal pH: a possible explanation as to why the clinical trials of antioxidants might have failed. Chem Phys Lipids, 2018. 213: 13-24.