O desenvolvimento dos ossos nos primeiros meses de vida

· 13 de junho de 2018
O desenvolvimento dos ossos não termina quando o nascimento ocorre. Na verdade, eles continuam a crescer por um bom tempo. Descubra, a seguir, mais detalhes sobre esse maravilhoso processo.

Você quer saber como é o desenvolvimento dos ossos nos primeiros meses de vida do seu bebê? A formação esquelética do bebê começa no útero quando o feto está se desenvolvendo. Entre 15 e 20 semanas de gravidez, o sistema ósseo começa a se formar; por volta do sétimo mês, sua constituição já está completa.

Nesse momento, o bebê tem um sistema ósseo completo, macio e flexível que permite ao pequeno se manter confortável dentro do útero até o nascimento. Mas esse processo não para por aí! Após o nascimento, o desenvolvimento dos ossos durante os primeiros meses de vida continua em ritmo acelerado. Isso está ligado a vários fatores, assim como quando o bebê estava no útero.

Esqueleto do bebê

O esqueleto de um bebê tem 270 ossos no momento do nascimento. Esse número muda pela fusão de alguns ossos – os do crânio ou do sacro – e o surgimento de outros – articulação do punho – até completar 206 ossos na fase adulta.

O desenvolvimento do sistema esquelético ocorre ao longo da vida. Mas o desenvolvimento dos ossos dos bebês ocorre de maneira mais rápida e mais aparente, especialmente nos dois primeiros anos da infância. Os ossos são formados por vasos sanguíneos, nervos, colágeno e células vivas, como os osteoblastos, que formam os ossos, e os osteoclastos, que alimentam os ossos.

Essas células vivas são responsáveis pela constante remodelação. Em um processo no qual os osteoclastos removem as células ósseas mais antigas e formam um novo tecido ósseo mais numeroso e resistente, o que permite o crescimento do corpo. Esse crescimento é influenciado por vários fatores que fazem parte da vida de um indivíduo desde o momento em que começa seu desenvolvimento.

Fatores que influenciam o desenvolvimento dos ossos durante os primeiros meses de vida

1.- Genética

O potencial genético é um fator hereditário que pode influenciar até 80% do desenvolvimento do bebê, desde que não seja interrompido por fatores externos. Isso significa que, se os pais são altos, a probabilidade dos bebês serem altos é maior. O mesmo acontece se os pais são baixos. Esse fator começa a ser relevante após os dois anos de idade.

O desenvolvimento dos ossos nos primeiros meses de vida

2.- Alimentação e nutrição

São fatores fundamentais que começam a ter efeito a partir do desenvolvimento fetal. Uma dieta equilibrada durante a gravidez irá garantir a passagem de nutrientes através da placenta. O que está diretamente relacionado ao crescimento do feto e futuros processos metabólicos.

Após o nascimento, o bebê deve ser alimentado exclusivamente com leite materno até os seis meses. Portanto, a dieta da mãe deve ser completa e equilibrada para que a criança consiga obter todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento. Da mesma forma, quando o bebê come, ele deve fazer uma dieta complementar que dependerá das necessidades que tiver.

3.- Afeto

É um fator muito importante para o crescimento das crianças. Foi comprovado que crianças privadas de afeto tendem a crescer menos.

Isso acontece provavelmente porque elas se tornam crianças deprimidas, com altos níveis de estresse e ansiedade, e por isso seu cérebro é afetado. Por essa razão, grande quantidade de um hormônio chamado somatostatina é produzido, o que influencia diretamente a produção do hormônio do crescimento e outros hormônios necessários para o desenvolvimento ideal.

“O esqueleto de um bebê tem 270 ossos no momento do nascimento. Esse número muda pela fusão de alguns ossos, até completar 206 na fase adulta”

4.- Sono

Um bom descanso no período noturno é primordial para o crescimento. A maior produção de hormônios de crescimento ocorre durante a noite, por isso é recomendável que as crianças durmam a partir das 8 horas da noite. Além disso, esse hormônio só age quando a criança está dormindo.

5.- Exercício físico

A atividade física ajuda a manter o corpo e a mente saudáveis. Os bebês devem se movimentar de modo que seus ossos e músculos ganhem resistência; as crianças, por sua vez, devem praticar atividades ao ar livre por no mínimo meia hora.

O desenvolvimento dos ossos nos primeiros meses de vida

A atividade física ajuda a manter o organismo em boas condições. Além disso, a presença da luz solar é de grande importância. A partir dela, o organismo absorve vitamina D, uma vitamina de grande importância para o crescimento e desenvolvimento adequado dos ossos.

Em suma, o desenvolvimento dos ossos durante os primeiros meses de vida ainda é uma parte vital do amadurecimento da criança. Nesses momentos, assim como no resto de suas vidas, os pais devem se certificar de proporcionar o necessário para que esse processo ocorra adequadamente.