O importante de dar amor a uma criança é ela sentir

30 Setembro, 2018
Não há força motriz mais potente que o amor, pois ele é capaz de mover montanhas. Esse mesmo elemento é a chave fundamental para a criação do seu filho.

Independentemente de qualquer coisa, você deve considerar que o importante de dar amor a uma criança é ela sentir.

Quando se trata de infância, não existe melhor alimento espiritual que esse ingrediente tão difícil de explicar, mas que, definitivamente, todos nós experimentamos.

Mas como garantir que uma criança perceba efetivamente todo esse amor e carinho que você sente por ela?

Dar amor a uma criança de forma que ela sinta

Certamente, todo ser humano precisa e merece ser amado profunda e incondicionalmente por seus progenitores.

Um claro exemplo é a clássica chegada em casa, chorando, após um dia complicado na escola. O mar de lágrimas do “problema insuperável” se dilui com as sábias palavras de uma mãe.

Dessa forma, o amor que se dá a uma criança é sentido e reconforta a alma que está em pedaços.

No entanto, lembre-se de que há muitas formas de dar amor a uma criança. Pois, mesmo que o amor se materialize de diversas formas, a essência é a mesma.

Todo ser quer sentir amor e experimentar esse sentimento em primeira pessoa. Entretanto, também é bom que o mesmo seja sentido reciprocamente. Ou seja, que isso que sentimos chegue a outra pessoa.

Mas, fique atenta! O primeiro segredo para dar amor é, logicamente, sentir esse sentimento com vigor.

dar amor

Como dar amor a uma criança “corretamente”?

Divida seu tempo com a criança

Brinque e converse. Esse é um lema fundamental para a criação de qualquer criança, especialmente nos primeiros anos de vida. A dedicação, a atenção e o carinho são as bases da felicidade infantil.

Repita até cansar: eu amo você, meu bebê!

Frase fundamental para criar uma criança amada mais que tudo nesse mundo.

Você pode sentir esse amor desde o primeiro momento em que começou a sentir seu filho na sua barriga. Mas o mais importante é que seu filho sinta e saiba desse amor.

Atenda às necessidades

Faça carinhos, beije, abrace, ajude e faça tudo o que precisar para exteriorizar o que você sente por dentro. Brinque, leia e cante com seu filho pelo menos uma vez por dia.

Dar amor a uma criança implica fazer com que ela saiba que você ama passar um tempo com ela.

Invista em estimular a autoestima do seu filho

Elogie cada uma das conquistas e exalte as capacidades e as destrezas dele. Deposite segurança em seu filho e, desse modo, coloque um belo sorriso de satisfação no seu rosto.

Um sorriso que deixe o mundo colorido

Esse belo gesto pode se traduzir em um sinal de companhia, apoio ou cumplicidade, entre outras coisas.

O melhor de tudo é que se trata de uma linguagem que contagia. Somente os envolvidos vão conseguir entender essa comunicação tão linda e peculiar.

dar amor

Ofereça proteção pessoal

Como esse pequeno é o presente mais precioso da sua vida, você deve cuidar dele com unhas e dentes. Essa é outra forma, que a criança consegue perceber facilmente, o amor.

Segure a mão do seu filho quando ele sentir medo. Converse sobre os perigos que a vida esconde, mas nunca ignore nem menospreze os medos dele.

Deixe-o errar

Não há razões para ridicularizar seu filho após cada erro. Pelo contrário, cada erro representa um valioso aprendizado.

Então, evite recriminá-lo depois das traquinagens e das travessuras e tente colocar em prática um plano positivo frente às típicas e normais mentiras de criança.

Mimos e mais mimos

Não está errado de vez em quando satisfazer um ou outro “capricho” ou fazer uma vontade da criança.

Cozinhe o prato preferido, separe uma prateleira em casa para colocar as conquistas e os acontecimentos da vida do seu filho ou planejem um passeio especial juntos. Assim, a criança vai se sentir participante e querida.

Permita que seu filho seja ele mesmo

Seu filho não veio ao mundo para alimentar seu ego, nem para realizar aqueles sonhos frustrados. Esqueça-se dessa inútil projeção que vai contra os desejos do seu filho.

A infância dele não deve refletir as pressões dos adultos para poder, assim, conseguir ser um adulto saudável, completo e feliz.  Ame seu filho do jeito que ele é e não como você gostaria que ele fosse.

  • Bowlby, J. (1986). Vínculos afectivos: formación, desarrollo y pérdida. Madrid: Morata.
  • Bowlby, J. (1995). Teoría del apego. Lebovici, Weil-HalpernF.
  • Garrido-Rojas, L. (2006). Apego, emoción y regulación emocional. Implicaciones para la salud. Revista latinoamericana de psicología, 38(3), 493-507. https://www.redalyc.org/pdf/805/80538304.pdf
  • Marrone, M., Diamond, N., Juri, L., & Bleichmar, H. (2001). La teoría del apego: un enfoque actual. Madrid: Psimática.
  • Moneta, M. (2003). El Apego. Aspectos clínicos y psicobiológicos de la díada madre-hijo. Santiago: Cuatro Vientos