O que é a adolescência precoce?

· 15 de novembro de 2018
A adolescência precoce é um problema que aumenta com o passar do tempo. Por isso, saber o máximo que puder sobre o assunto te ajudará a entender seus filhos e proporcionar-lhes uma infância feliz.

Ser pais é uma das experiências mais enriquecedoras pelas quais uma pessoa pode passar. No entanto, com o passar dos anos, surgem circunstâncias que demandam atenção. Entre elas, há uma que é conhecida como adolescência precoce.

A transição para a adolescência é uma etapa crucial na vida das crianças. Por isso, é importante compreendê-la para agir e superar essa fase com sucesso.

Nesse sentido, é necessário analisar os fatores que a acionam e saber como agir diante disso. Certamente, pode fazer toda a diferença para uma infância saudável.

O que se entende por adolescência precoce?

Em linhas gerais, a passagem das crianças para a fase da adolescência é considerada precoce quando ocorre cerca de dois anos antes do normal.

No que diz respeito ao tempo, ocorre entre 8 e 9 anos, em contraste com os 11 e 12 anos que são considerados normais. Em termos de frequência, é maior em meninas que em meninos.

Causas da adolescência precoce

O início da adolescência é comumente chamado de puberdade precoce, embora apenas indique a mudança biológica ou física da criança.

Nesse estágio, ocorrem alterações hormonais que estimulam as características sexuais, intelectuais e físicas.

Existem certos fatores que estimulam a aceleração da puberdade. Alguns exemplos podem ser:

  • Alterações do tipo patológico, como aquelas que estimulam a produção do hormônio de crescimento ou hiperplasia adrenal.
  • Alterações no funcionamento dos testículos ou ovários.
  • Exposição a tratamentos de natureza hormonal.
  • Obesidade, sobrepeso e, em menor proporção, a composição química dos alimentos.
  • Genética e herança.

No entanto, na maioria dos casos, a adolescência precoce é apenas uma variante do crescimento.

Nas ocasiões em que é produzida por uma causa patológica, existem tratamentos que conseguem atrasar ou retardar o processo.

Por esta razão, é aconselhável analisar em profundidade as possíveis causas e consultar seu médico de confiança.

Adolescência precoce

Sintomas e sinais da adolescência precoce

Os sintomas da adolescência precoce podem variar entre as pessoas que passam por essa etapa. No entanto, as mudanças físicas são as primeiras a aparecer e podem ocorrer da seguinte forma:

Adolescência precoce em meninas

No sexo feminino, a adolescência ou puberdade precoce é geralmente acompanhada por características físicas do sexo.

Geralmente, aparecem aos 8 anos com os seguintes sinais:

  • Aparecimento da primeira menstruação.
  • Pelos pubianos e nas axilas.
  • Desenvolvimento e crescimento das mamas.
  • Amadurecimento dos órgãos genitais externos.

“Na adolescência precoce, ocorrem alterações hormonais que estimulam as características sexuais, intelectuais e físicas”

Adolescência precoce em meninos

Da mesma forma que nas meninas, o progresso desse processo físico é acompanhado por características próprias do sexo.

Além disso, aparece aos 9 anos com os seguintes sintomas:

  • Crescimento dos órgãos sexuais, testículos e pênis.
  • Presença de pelos pubianos, nas axilas e no rosto, especificamente na área do lábio superior.
  • Mudança da voz e alterações na massa muscular.

Além disso, em ambos os sexos, há um crescimento acelerado. Às vezes, alguns adolescentes mais jovens estão entre os mais altos da turma.

Também podem começar a apresentar acne e mau odor corporal, o que pode causar exclusão na escola e problemas emocionais.

Diagnóstico, tratamento e prevenção

Para um diagnóstico correto da adolescência precoce, é necessário ir ao médico ao observar os primeiros sintomas.

Ele irá avaliar o histórico da criança, realizar exames de sangue e determinar se é uma condição patológica ou normal.

Adolescência precoce

Além disso, o profissional fornecerá o tratamento e as ferramentas certas para lidar com essas circunstâncias.

Em alguns casos, recomenda-se:

  • Medicamentos para retardar ou parar a produção de hormônios sexuais, geralmente administrados por injeção. A duração do tratamento irá variar de acordo com a precocidade da criança.
  • Extirpação de um tumor em casos nos quais essa medida seja necessária.
  • Redução da exposição a medicamentos ou alimentos que incentivam a produção hormonal.

Em relação à prevenção, é aconselhável realizar acompanhamento pediátrico frequente, oportunidades em que o crescimento da criança deve ser medido.

Boa nutrição, monitoramento do peso e exercícios físicos ajudarão as crianças a permanecerem saudáveis.

Em suma, a adolescência precoce é um problema que piora com o tempo, considerando-se normal.

Conhecer essa temática e agir a tempo permitirá que as crianças vivam tudo no tempo certo e sejam felizes.